George Balanchine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
George Balanchine
Георгий Баланчивадзе Мелитонович em (em russo)
Suzanne Farrell e Balanchine dançando uma parte de "Don Quixote" no Teatro Estadual de Nova Iorque
Nome completo Giorgi Melitonovich Balanchivadze
Pseudónimo(s) George Balanchine
Nascimento 22 de janeiro de 1904
Flag of St Petersburg (Russia).png São Petersburgo, Distrito Federal do Noroeste União das Repúblicas Socialistas SoviéticasRússia  Rússia
Morte 30 de abril de 1983 (79 anos)
Flag of New York City.svg, Manhattan,  Nova Iorque,  Estados Unidos
Residência  Estados Unidos
Nacionalidade RússiaEstados UnidosRusso-Povo dos Estados Unidos norte-americano
Cidadania Cidadania Povo dos Estados Unidos norte-americano desde 1911 execida até 30 de abril de 1983 (71 anos)
Etnia Caucasiano, Raça nórdica
Ocupação coreógrafo
Principais trabalhos Peças de teatro no New York State Theater
Carreira musical
Período musical 1923 - 1983 (60 anos)
Religião Judeu
Causa da morte Creutzfeldt-Jakob
Página oficial
[1]

Giorgi Melitonovich Balanchivadze (São Petersburgo, 22 de Janeiro de 1904Nova Iorque, 30 de Abril de 1983) foi um coreógrafo.

Nasceu em São Petersburgo, na Rússia, em 1904, com o nome de Georgi Militonovitch Balanchivadze. Influenciado pelo pai, que era compositor, o jovem bailarino estudou composição e piano no Conservatório de Leningrado, o que fez com que se tornasse, segundo críticos da época, o coreógrafo de maior conhecimento musical de seu tempo.

Começou na Escola Imperial em 1914, onde veio a se formar sete anos depois. Estreou como coreógrafo em 1923, com um pequeno grupo de bailarinos, entre os quais Alexandra Danilova e no ano seguinte, sua companhia denominada "Os Bailarinos do Estado Russo" incursionou pelo estrangeiro para fugir para o mundo ocidental.

Desertou da União Soviética em 1924, quando foi então convidado por Diaghilev para ingressar em sua Companhia, os Ballets Russes. Nesta Companhia, criou importantes coreografias como La Pastorale, Jack in the Box e Triumph of Neptune.

Nos Estados Unidos, aceitando convite de Lincoln Kirstein (1907-1996), que sonhava em criar uma escola e companhia de balé na América, Balanchine desenvolve uma dança totalmente nova, a partir dos estilos dos balés clássicos francês, italiano e russo. Teve uma longa colaboração com Igor Stravinsky (Apollo foi uma das coreografias que fizeram juntos), e em 1934 fundou em Nova Iorque a School of American Ballet. E em 1948, cria a Companhia de balé Americano, o New York City Ballet, passando então, a trabalhar como mestre de balé e principal coreógrafo da Companhia, até a sua morte, em 1983.

Com toda sua enorme trupe de bailarinos, mudou-se em 1964 para o New York State Theater, instalado no Lincoln Center, que foi especialmente construído para ele. Quando morreu, da doença de Creutzfeldt-Jakob, os bailarinos oriundos de sua companhia dirigiam mais de dez companhias de balé nos Estados Unidos, Suíça e Japão.

Balanchine é reconhecido como o coreógrafo que revolucionou o pensamento e a visão sobre a dança no mundo, sendo responsável pela fusão dos conceitos modernos com as idéias tradicionais do balé clássico, o verdadeiro criador do bailado contemporâneo e um dos maiores influenciadores dos mestres da dança de nossos dias, a exemplo de Antony Tudor, William Dollar, Agnes de Mille, Alvin Ailey, John Neumeier, Robert Joffrey, Harold Lang, Arthur Mitchell, Richard Tanner, William Forsithe, Twyla Tharp e até os modernos Alwin Nikolais, Eliot Feld e Merce Cunningham, além de Jerome Robbins (Jerome Rabinovitz), expressão máxima da criação neoclássica norte-americana, igualmente de origem russo-judaica.

Entre os mais de quatrocentos trabalhos do artista, destacam-se: Serenade (1934), Concerto Barocco (1941), Le Palais de Cristal, mais tarde renomeada para Symphony in C (1947), Orpheus (1948), The Nutcracker (1954), Agon (1957), Symphony in Three Movements (1972), Stravinsky Violin Concerto (1972), Vienna Waltzes (1977), Ballo della Regina (1978), e Mozartiana (1981). Seu último balé, Variations for Orchestra , foi criado em 1982. Sua produção inclui ainda coreografias para filmes, óperas e musicais, destacando-se a famosa para o palco, On Your Toes (1936), que mais tarde transformou-se em filme.

Balanchine escreveu de si mesmo, "Nós devemos primeiramente compreender que a dança é uma arte independente, não um mero acompanhamento. Eu acredito que ela seja uma das grandes artes…A coisa importante no balé é o movimento por si mesmo. Um balé pode conter uma história, mas o espetáculo visual…é o elemento essencial. O coreógrafo e o bailarino devem lembrar-se que eles devem alcançar a platéia através dos olhos. Esta é a ilusão no qual convence a platéia, tal como é no trabalho de um mágico." Balanchine se comparava a um artesão, como se fosse um cozinheiro ou marceneiro.

Durante sua trajetória recebeu muitas homenagens oficiais e reconhecimento pelo seu trabalho: Em 1975, o Entertainment Hall of Fame in Hollywood lhe indicou como um membror, em um especial de televisão dirigido por Gene Kelly e neste mesmo ano recebeu o French Légion d'Honneur. Em 1978, ele era um dos cinco recebedores (com Marian Anderson, Fred Astaire, Richard Rodgers, e Artur Rubinstein) do primeiro Kennedy Center Honors, presidido pelo presidente Jimmy Carter. Era também sempre presenteado com o Knighthood of the Order of Dannebrog, da Rainha Margrethe II de Denmark. Em 1980, foi homenagiado pelo National Society of Arts and Letters com o prêmio Gold Medal. Do governo Australiano recebeu o Austrian Cross of Honor for Science and Letters e recebeu também o prêmio "Heart of New York", pelo New York Chapter of the American Heart Association. Na França foi agraciado com as condecorações do French Commander of the Order of Arts and Letters e do National Institute of Arts and Letters por suas contribuições as artes. O último prêmio de maior importância recebido por ele, apesar de ausente, foi a Presidential Medal of Freedom em 1983, a maior honra que pode ser oferecida a um cidadão Norte Americano. Neste momento, o presidente Ronald Reagan elogiou o gênio de Balanchine, dizendo que ele tinha "inspirado milhões com as suas coreografias no palco....e maravilhado uma população diversa através do seu talento." Pouco tempo depois, em 30 de abril de 1983, George Balanchine morre em Nova York aos 79 anos.

Finalizando apresentamos duas definições do próprio Balanchine sobre a dança: "Dança é a necessidade que temos de exprimir o que sentimos ao escutar música." "Nos ballets de dança pura, não há libreto ou força interior, mas simplesmente a música. Sobre ela o coreógrafo trabalha exatamente como o poeta sobre a métrica."

Referências:

Categoria: Coreógrafos da Rússia