Hydra (género)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Como ler uma caixa taxonómicaHidra
Hydra001.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cnidaria
Classe: Hydrozoa
Ordem: Anthomedusae
Família: Hydridae
Género: Hydra
Linnaeus, 1758

A Hidra (género Hydra) é uma espécie de animal cnidário de corpo cilíndrico e em forma de pólipo. Vive em água doce, preferencialmente em águas frias e limpas, presa por uma extremidade a um rocha ou à vegetação aquática. Tem cor verde, parda ou cinza. As hidras são animais vágeis, locomovendo-se ao longo das superfícies que ocupa.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

A Hidra faz parte do grupo de celenterados ( metazoários celenterados)

Os celenterados são também chamados cnidários. A água-viva, a caravela, a hidra e os corais são alguns exemplos de celenterados. Eles são aquáticos e vivem principalmente no mar. Os cnidários são carnívoros e nutrem-se de zooplâncton (pequenos animais em suspensão na água), crustáceos, ovos de peixe e larvas.

Quando uma presa é capturada por um celenterado, ela penetra pela boca do animal e chega até uma cavidade digestiva - aliás, o nome desse grupo vem de celo = "cavidade" e entero = "intestino". Nessa cavidade, o alimento é parcialmente digerido e depois absorvido por certas células, no interior das quais a digestão se completa. Por isso se diz que a digestão nos celenterados é extracelular (na cavidade digestiva) e também intracelular (no interior da células). Não possuindo ânus, esses animais eliminam pela boca os resíduos não aproveitáveis.

Reprodução sexuada[editar | editar código-fonte]

A hidra macho possui testículo, onde se formam os espermatozóides. A hidra fêmea possui ovário, onde se desenvolvem os ovócitos. A hidra macho elimina espermatozóides na água; estes deslocam-se até uma hidra fêmea, onde o óvulo é fecundado. Forma-se, então, um zigoto ou célula-ovo, que se desenvolve no corpo da hidra fêmea, transformando-se em embrião. Depois o embrião separa-se do corpo da mãe hidra.

Reprodução assexuada[editar | editar código-fonte]

A hidra pode também reproduzir-se assexuadamente (gemulação ou brotamento): Neste caso da hydra, nasce um gomo na superfície da hidra, que cresce e, quando já está madura, separa-se da hidra-mãe. Em seguida, fixa-se em algum lugar e continua a desenvolver-se independentemente. A reprodução assexuada também possui capacidade de regeneração.

A hidra é um animal único no aspecto que ela nunca, jamais envelhece, podendo teoricamente viver para sempre. Na prática, é claro, em algum momento ela acaba morrendo devido a doença ou predadores.

Imortalidade[editar | editar código-fonte]

Os cientistas da Universidade do Sul da Dinamarca descobriram, em laboratório, que a hydre, tem um risco tão baixo de morrer que o descrevem como sendo "imortal", avança o The Times. PUB A criatura, de nome "hydra magnipapillata", aparentemente, não sofre com o passar dos anos. É um pólipo de água doce, tem 10 milimetros, boca, tentáculos e uma espécie de pé. O ser vivo fez parte de uma investigação sobre a evolução e a mortalidade de 46 espécies diferentes. “Muitas pessoas tendem a pensar que o envelhecimento é inevitável e ocorre em todos os organismos da Terra como acontece aos seres humanos; que cada espécie se torna mais fraca com a idade e é mais provável que morra. Mas esse não é o caso", afirma Owen Jones, responsável pela investigação. O estudo, publicado pela revista Nature, refere que existe a necessidade de se efectuarem mais pesquisas para compreender as causas evolutivas do envelhecimento e ser possível resolver os problemas de envelhecimento nos seres humanos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Invertebrados, integrado no Projeto Invertebrados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.