Ivan Goncharov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ivan Goncharov
Nascimento 18 de junho de 1812
Simbirsk
Morte 27 de setembro de 1891 (79 anos)
São Petersburgo
Nacionalidade Russa
Ocupação Escritor e romancista
Assinatura
Goncharov Signature.jpg

Ivan Alexandrovich Goncharov (russo: Иван Александрович Гончаров; Simbirsk, 18 de Junho de 1812 - 27 de setembro 1891) foi um romancista russo, mais conhecido como o autor de Oblomov (1859).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele nasceu em Simbirsk (atualmente Ulyanovsk), seu pai era um abastado comerciante de grãos. Após graduar-se na Universidade de Moscou em 1834 Goncharov serviu por trinta anos como um pequeno funcionário de governo.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

Em 1847 foi publicado seu primeiro romance, Obyknovennaia istoriia (História Comum), que retrata os conflitos entre o excessivo romantismo de um nobre jovem russo, recém chegado em São Petersburgo vindo das províncias, e da emergente classe comercial da capital imperial com seu sóbrio pragmatismo. Foi seguido por Ivan Savvich Podzhabrin (1848), um esboço psico-naturalista. Entre 1852 e 1855 Goncharov viajou para a Inglaterra, África, Japão, e de volta para a Rússia através da Sibéria como secretário do Almirante Yevfimy Putyatin. Suas anotações, uma crônica da viagem, "A Fragata Palas", foi publicado em 1858. Seu romançe de maior sucesso Oblomov foi publicado o ano seguinte, no qual a personagem principal foi comparado ao Hamlet de Shakespeare que responde "Não!" à questão "Ser ou não ser?". Fyodor Dostoyevsky, entre outros, considerava Goncharov um grande e notável autor.

Sendo um conservador moderado no coração, Goncharov cumprimentou as reformas de 1861, abraçou a bem divulgada a idéia de que "o próprio governo chegou agora para liderar o progresso", e encontrou-se em oposição aos democratas revolucionária do acampamento. No verão de 1862 ele se tornou um editor do Severnaya potchta newaspaper, e um funcionário do ministério do Interior.

Foi descoberto mais tarde que no início dos anos 1840 Goncharov estava trabalhando em uma novela chamada As pessoas adultas; manuscritos que foram perdidos.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Em 1867, Goncharov aposentou-se de seu posto como censor do governo e, em seguida, publicou seu último romance - Obryv (O Precipício) (1869), que é a história de uma rivalidade romântica entre três homens e prevê uma condenação ao niilismo em defesa dos valores religiosos e morais da velha Rússia. Goncharov também escreveu contos, críticas, artigos (incluindo um famoso ensaio de 1871 sobre Griboyedov "Горе от ума" - As Desgraças de Wit), e algumas memórias que só foram publicados postumamente, em 1919. Ele passou o resto de seus dias solitário devido a críticas negativas a alguns de seus trabalhos.[2] Goncharov nunca se casou e morreu em St. Petersburg, em 1891.

Referências

  1. Потанин Г. Н.. Воспоминания об И. А.Гончарове // 23-44 (примечания на с. 263-265). И. А.Гончаров в воспоминаниях современников. Л., 1969. С.. Visitado em 2011-10-10.
  2. Ivan Aleksandrovich Goncharov Gale Encyclopedia of Biography. Visitado em 2011-10-10.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ivan Goncharov
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Ivan Goncharov
Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.