Jill Ireland

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jill Ireland
Jill Ireland como Marion Starett e Christopher Shea como seu filho, Joey em Shane.
Nascimento 24 de abril de 1936
Londres, Reino Unido
Morte 18 de maio de 1990 (54 anos)
Los Angeles, Estados Unidos
Ocupação Atriz
Cônjuge David McCallum (m. 1957–1967)
Charles Bronson (m. 1968–1990)
Atividade 1955 - 1990
IMDb: (inglês)

Jill Ireland (Londres em 24 de abril de 1936 - Los Angeles em 18 de maio de 1990) foi uma atriz do cinema norte-americano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Londres, ela começou sua carreira como bailarina na capítal inglesa, mas se radicou nos Estados Unidos da América desde 1962. Seu primeiro filme, ainda na Inglaterra, foi "Oh, Rosalind!" ao lado do veterano Michael Redgrave.

Participou ainda de outros filmes ingleses e em um deles conheceu o ator David McCallum com quem viria a se casar. O casal veio para Hollywood em 1962 e ambos participaram de várias séries de TV.

Ela se separou de David e logo em seguida casou-se com Charles Bronson, em 1968, um ator que começava a despontar em Hollywood. Com Bronson ela fez mais de dez filmes, entre eles "Alguém Atrás da Porta"; "Valdez, o Mestiço"; "Lutador de Rua" e "Desejo de Matar II".

Formou com Charles Bronson um dos casais mais famosos de Hollywood e morava com o marido e seis filhos em Malibu. Os filhos eram dois do casamento com David, dois do primeiro casamento de Bronson, uma menina da união dos dois e mais uma outra que eles adotaram, filha de um amigo do casal e que ficou orfã de mãe muito pequena.

Jill descobriu que tinha câncer em 1985, fez uma mastectomia e lutou bravamente contra a doença, chegando a escrever um livro sobre sua experiência com a doença, "Life Wish", que se tornou um best-seller nos Estados Unidos e se tornou presidenta da American Cancer Society. Logo depois ela lançou outro livro, "Life Lines", contando sua experiência como mãe de um viciado em drogas (seu filho mais velho com David McCallum), que também foi campeão em vendagens.

Logo depois da morte de seu filho Jason McCallum, vítima de uma overdose, a atriz voltou a ter problemas com o câncer e morreu pouco tempo depois.