José Lopes da Silva Trovão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Caricatura de Lopes Trovão feita por Rafael Bordalo Pinheiro.

José Lopes da Silva Trovão ou simplesmente Lopes Trovão (Angra dos Reis, 23 de março de 1848Rio de Janeiro, 17 de julho de 1925) foi um médico, jornalista e político brasileiro. Uma carcterística física de Lopes Trovão que chamava atenção à época era sua altura: 1,90 m.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de José Maria dos Reis Lopes Trovão e Maria Jacinta Lopes Trovão, formou-se em medicina pela Faculdade do Rio de Janeiro, tendo sido diplomata e eleito deputado federal para mandatos entre 1891 e 1894 e, posteriormente, senador da República entre 1895 e 1902.

Foi um dos propagandistas republicanos mais ativos, e ardente abolicionista, atacando a estrutura do Império do Brasil até sua queda, em 1889, sendo um dos signtários do Manifesto Republicano de 1870.

Ele liderou uma comitiva de republicanos até a casa do Marechal Deodoro da Fonseca, na manhã de 19 de novembro, portando o que defendia ser a nova Bandeira constitucional do Brasil[1] .

Proposta de bandeira republicana[editar | editar código-fonte]

Charge da proclamação da República, com José do Patrocínio em primeiro plano. Lopes Trovão é a última figura ao fundo, à direita de Benjamin Constant.
Bandeira histórica, não oficial actualmente Bandeira proposta por Lopes Trovão e içada na Câmara Municipal do Rio de Janeiro aos 15 de novembro de 1889.

Lopes Trovão desenhou bandeira inspirada no pavilhão estadunidense, composto por treze listras horizontas – que, originalmente, representam as treze colônias iniciais dos Estados Unidos – e por vinte estrelas – o Município Neutro não estava ali representado. As estrelas eram agrupadas em conjuntos de cinco e ficavam dentro de um quadrilátero preto, o qual homenageava a população negra do país.

Essa bandeira chegou a ser içada na Câmara Municipal do Rio de Janeiro por José do Patrocínio, no dia da proclamação da República. Uma versão similar, com o quadrado azul em vez de preto e as estrelas rearranjadas de outra forma, chegou a ser içada no navio Sergipe, que levou a família imperial brasileira ao exílio. Outra versão, com vinte e uma estrelas em campo azul, chegou a ser adotada oficialmente pelo governo provisório por quatro dias.

Deodoro rechaçou a bandeira apresentada por Lopez Trovão por considerá-la cópia da bandeira dos Estados Unidos[2] . Os republicanos insistiram que só restava a Deodoro oficializar a bandeira por eles apresentada, já que essa já tremulava no Alagoas[3] . Deodoro, no entanto, preferiu manter as linhas gerais da bandeira imperial, oficializando a nova bandeira em 19 de novembro de 1889.

Publicações[editar | editar código-fonte]

Foi editor da Gazeta da Tarde e também do jornal O Combate[4] , além de colaborar na Galeria Republicana (1882-1883)

Teve publicado, ainda, o trabalho: Le Vicomte de Rio Branco, Joseph Marie da Silva Paranhos 16 Mars, 1819. 1 Er Novembre - 1880. Extrait de La \Chronique Franco - Brésilienne\ Número 5, Paris, 16 Novembre 1885.

Referências

  1. Bandeiras brasileiras (em português) UOL - Educação. Visitado em 23 de agosto de 2012.
  2. Bandeira Provisória da República (15 a 19 Nov 1889) (em português) pmn.eb. Visitado em 23 de agosto de 2012.
  3. Marco Antonio Cruz Filho. Origens da Bandeira do Brasil (em português) Biblioteca virtual de escritores. Visitado em 23 de agosto de 2012.
  4. Trovão Lopes, pag. 1689 - Grande Enciclopédia Universal - edição de 1980 - ed. Amazonas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.