King of the Rocket Men

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
King of the Rocket Men
O Super-Homem Foguete[1]  (PT)
O Homem Foguete[1] [2]  (BR)
 Estados Unidos
1949 • P&B • 12 capítulos, 167 min 
Direção Fred C. Brannon
Produção Franklin Adreon
Roteiro Royal Cole
William Lively
Sol Shor
Elenco Tristram Coffin
Mae Clarke
Don Haggerty
House Peters, Jr.
James Craven
I. Stanford Jolley
Gênero Ficção científica
Aventura
Idioma inglês
Música Stanley Wilson
Direção de arte Fred A. Ritter
Efeitos especiais Howard Lydecker
Theodore Lydecker
Cinematografia Ellis W. Carter
Edição Cliff Bell Sr.
Sam Starr
Estúdio Republic Pictures
Distribuição Republic Pictures
Lançamento Estados Unidos 8 de junho de 1949 (seriado)[3]
Estados Unidos 25 de julho de 1951 (versão 65 min)[3]
Estados Unidos 16 de julho de 1956 (relançamento)[3]
Portugal 11 de outubro de 1950
Áustria 1953
Suécia 7 de abril de 1952
Alemanha 27 de março de 1953[1]
Receita $164,984 (custo final: $165,592)[3]
Cronologia
Último
Último
Ghost of Zorro (1949)
The James Brothers of Missouri (1949)
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

King of the Rocket Men é um seriado estadunidense de 1949, gênero ficção científica e aventura, dirigido por Fred C. Brannon, em 12 capítulos, estrelado por Tristram Coffin, Mae Clarke e Don Haggerty. Foi produzido e distribuído pela Republic Pictures, e veiculou nos cinemas estadunidenses a partir de 8 de junho de 1949.

Uma versão de 65 minutos foi realizada e lançada em 25 de julho de 1951, sendo um dos 14 seriados da Republic transformados em filmes, e o título foi mudado para Lost Planet Airmen.

Foi o seriado que introduziu o personagem Rocket Man, que reapareceu sob uma variedade de nomes em seriados posteriores, tais como Radar Men from the Moon, Zombies of the Stratosphere e Commando Cody: Sky Marshal of the Universe. O Rocket Man apareceu nesses quatro seriados da Republic Pictures, entre 1949 e 1953. O quarto seriado, Commando Cody: Sky Marshal of the Universe, originalmente concebido como uma série de televisão da Republic, foi lançado (por motivos contratuais) como um seriado cinematográfico, e dois anos mais tarde, em 1955, foi finalmente lançado na TV com doze episódios de 25 minutos.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Um gênio vilão de identidade desconhecida, que chama a si mesmo de "Dr Vulcan", planeja conquistar o mundo, mas antes precisa eliminar, um a um, os membros da Science Associates, uma organização de grandes cientistas. Após escapar de um atentado em Vulcan, um membro da Science Associates, Dr. Millard (James Craven), constrói o traje de outro membro, Jeff King (Tristram Coffin) como "um foguete atômico com poderes de voo", e com um capacete aerodinâmico, em forma de bala.

Com a ajuda do traje de voo, da fotógrafa Glenda Thomas (Mae Clarke), e usando outras invenções feitas pelo Dr. Millard, King, caracterizado como Rocket Man, batalha contra os associados de Dr. Vulcan. Eventualmente, Vulcan rouba uma das mais perigosas invenções de Milard, o Decimator, e o usa para inundar e destruir a ilha de Manhattan (destruição produzida com cenas de arquivo do filme Deluge[4] , de 1933), antes de ser levado à justiça por Jeff King, o Rocket Man.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

King of the Rocket Men foi orçado em $164,984, mas seu custo final foi $165,592, o mais caro seriado da Republic em 1949.[3]

Foi filmado entre 6 e 27 de abril de 1949,[3] e foi a produção nº 1704.[3]

A Republic costumava chamar seus heróis de "King", usando o título "King of...", pois o estúdio obtivera sucesso com esse artifício após a adaptação do livro de Zane Gray, King of the Royal Mounted, no seriado King of the Royal Mounted, com o mesmo personagem, em 1940[6] [7] O personagem principal do seriado foi Jeff King, também conhecido como Rocket Man. O vôo foi inspirado na tira de quadrinhos de Buck Rogers.[8]

Dois capacetes aerodinâmicos, em forma de bala, foram usados com o traje de Rocket Man: o primeiro foi feito com materiais mais leves e usado apenas durante as diversas cenas de ação dos dublês; durante as filmagens, as viseiras em ambos os capacetes freqüentemente deformavam.

King of the Rocket Men acabou se tornando mais barato do que os seriados anteriores da Republic, e o seu elenco é também menos estrelado. Tris Coffin foi um típico personnagem do período, com bigode fino desenhado e um tipo adaptado às audiências seriais para ser aceito como herói. Ainda mais estranho foi o elenco, com a atriz de quase quarenta anos Mae Clarke personificando a donzela em apuros. O seriado também carece de um vilão colorido no estilo de The Crimson Ghost.

Dublês[editar | editar código-fonte]

  • Dave Sharpe … Jeff King/Tony Dirken/Prof Bryant (dublando Tristram Coffin no traje de Rocket, Don Haggerty & I. Stanford Jolley)
  • Tom Steele … Jeff King/Burt Winslow (dublando Tristram Coffin & House Peters, Jr.)
  • Dale Van Sickel … Jeff King/Tony Dirken (dublando Tristram Coffin & Don Haggerty)
  • Carey Loftin … Burt Winslow (dublando House Peters Jr)
  • Eddie Parker
  • Bud Wolfe

Rocket Man em ação foi interpretado por três diferentes dublês de Republic. Dave Sharpe realizava os saltos no ar e as acrobacias para simular o vôo. Tom Steele foi o segundo dublê no traje e Dale Van Sickel assumiu o papel quando Steele e Sharpe estavam indisponíveis ou em outras cenas. Na primeira aparição de Rocket Man, ele combate a bordo de um caminhão conduzido por Tom Steele, enquanto, nas mesmas cenas, Tom Steele é também o dublê, vestindo o traje de Rocket Man na parte de trás do caminhão, porém o salto para o caminhão é feito por Dave Sharpe com o traje do Rocket.

Efeitos especiais[editar | editar código-fonte]

Em várias tomadas do seriado o personagem Rocketman aparece voando pela amplas vistas da paisagem árida, um efeito alcançado pelos Lydecker brothers, Howard e Theodore, utilizando um boneco em tamanho real com polias internas ao longo de um fio comprido, inclinada em um ângulo com a horizontal. A mesma estratégia produziu notáveis seqüências de vôo no seriado anterior da Republic, Adventures of Captain Marvel, em 1941. As decolagens de Dave Sharpe foram realizadas com trampolins escondidos e seus desembarques simplesmente saltando para baixo.

As tomadas onde aparece King decolando, voando, e desembarcando, foram reutilizadas em três produções subseqüentes da Republic, que apresentavam heróis voadores: Radar Men from the Moon, Commando Cody: Sky Marshal of the Universe e Zombies of the Stratosphere.[8]

A arma de raios de Rocket parecia ser uma Luger P08 alemã (aceitável neste seriado pós-guerra) com um cone prateado apoiado sobre o cano.[8]

A Tsunami no último capítulo é cena de arquivo do filme Deluge, da RKO Pictures. Imagens de arquivo foram usadas para a maioria dos cliffhangers, mostrando a tendência dos seriados da Republic no fim dos anos 1940.[8]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

O lançamento oficial de King of the Rocket Men é datado de 8 de junho de 1949, porém essa é a data da disponibilização do 6º capítulo.[3]

Uma versão de 65 minutos foi realizada e lançada em 25 de julho de 1951, sendo um dos 14 seriados da Republic transformados em filmes. O título foi mudado para Lost Planet Airmen, após os nomes provisórios The Lost Planet e Lost Planetmen.[3] O final foi alterado para a versão longa-metragem: ao invés de Nova Iorque ser reduzida a escombros por um dilúvio, como no seriado, esses eventos são encarados como sonhos de um louco e realmente não aconteceram (uma troca similar foi feita com a versão de filme do seriado Drums of Fu Manchu).[9]

King of the Rocket Men foi relançado em 16 de julho de 1956, entre os relançamentos dos seriados Adventures of Frank and Jesse James e Federal Operator 99. O último seriado lançado originalmente pela Republic foi King of the Carnival, em 1955.[3]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Cline descreve o seriado como "um dos últimos cliffhangers da Republic com alguma originalidade". Ele destaca desempenho de Mae Clarke, dizendo que "ela é uma nota refrescante em um processo contrário à rotina".[10]

Capítulos[editar | editar código-fonte]

  1. Dr. Vulcan - Traitor (20min)
  2. Plunging Death (13min 20s)
  3. Dangerous Evidence (13min 20s)
  4. High Peril (13min 20s)
  5. Fatal Dive (13min 20s)
  6. Mystery of the Rocket Man (13min 20s)
  7. Molten Menace (13min 20s)
  8. Suicide Flight (13min 20s)
  9. Ten Seconds to Live (13min 20s)
  10. The Deadly Fog (13min 20s)
  11. Secret of Dr. Vulcan (13min 20s)
  12. Wave of Disaster (13min 20s)

Fonte:[3] [11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c O Homem Foguete no IMDB
  2. BARBOZA, Nelson Alves. Cinema - Arte, Cultura, História, pp. 45-55
  3. a b c d e f g h i j k Mathis, Jack. Valley of the Cliffhangers Supplement. [S.l.]: Jack Mathis Advertising. 3, 10, 112-113 p. ISBN 0-9632878-1-8
  4. O Dilúvio no IMDB
  5. Harmon, Jim; Donald F. Glut. The Great Movie Serials: Their Sound and Fury. [S.l.]: Routledge. p. 217. ISBN 978-0-7130-0097-9
  6. Harmon, Jim; Donald F. Glut. The Great Movie Serials: Their Sound and Fury. [S.l.]: Routledge. p. 283. ISBN 978-0-7130-0097-9
  7. Cline, William C.. In the Nick of Time. [S.l.]: McFarland & Company, Inc., 1984. p. 23. ISBN 0-7864-0471-X
  8. a b c d Harmon, Jim; Donald F. Glut. The Great Movie Serials: Their Sound and Fury. [S.l.]: Routledge. 282–283, 285–288 p. ISBN 978-0-7130-0097-9
  9. Harmon, Jim; Donald F. Glut. The Great Movie Serials: Their Sound and Fury. [S.l.]: Routledge. p. 180. ISBN 978-0-7130-0097-9
  10. Cline, William C.. In the Nick of Time. [S.l.]: McFarland & Company, Inc.. p. 91. ISBN 0-7864-0471-X
  11. Cline, William C.. In the Nick of Time. [S.l.]: McFarland & Company, Inc.. p. 249. ISBN 0-7864-0471-X

Ligações externas[editar | editar código-fonte]