Luís III da Baviera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luís III
Rei da Baviera, Duque da Francônia
Duque na Suábia e Conde Palatino do Reno
Rei da Baviera
Reinado 5 de novembro de 1913
a 13 de novembro de 1918
Predecessor Oto
Sucessor Monarquia abolida
Esposa Maria Teresa de Áustria-Este
Descendência
Rodolfo, Príncipe Herdeiro da Baviera
Adelgunda da Baviera
Maria Luísa Teresa da Baviera
Carlos da Baviera
Francisco da Baviera
Matilde da Baviera
Luís Leonardo da Baviera
Hildegarda da Baviera
Noburga da Baviera
Gertrude da Baviera
Helmtrud da Baviera
Dietlinda da Baviera
Gundelinda da Baviera
Nome completo
Luís Leopoldo José Maria Aloísio Alfredo
Casa Wittelsbach
Pai Leopoldo, Príncipe Regente da Baviera
Mãe Augusta Fernanda da Áustria
Nascimento 7 de janeiro de 1845
Munique, Baviera
Morte 18 de outubro de 1921 (76 anos)
Sárvár, Hungria
Enterro Frauenkirche, Munique, Alemanha
Religião Catolicismo

Luís III (Munique, 7 de janeiro de 1845 – Sárvár, 18 de outubro de 1921) foi o último Rei da Baviera de 1913 até sua abdicação em 1918 no final da Primeira Guerra Mundial. Era o filho mais velho de Leopoldo, Príncipe Regente da Baviera, e sua esposa Augusta Fernanda da Áustria, ascendendo ao trono depois de depor seu sobrinho rei Oto.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Luís nasceu em Munique, como o filho mais velho do príncipe Leopoldo da Baviera e de sua esposa, a arquiduquesa Augusta da Áustria (filha do grão-duque Leopoldo II de Toscana). Luís foi nomeado a partir de seu avô, o rei Luís I da Baviera.

Luís passou seus primeiros anos vivendo na residência de Munique e no palácio de Wittelsbacher. Quando ele tinha dez anos de idade, sua família mudou-se para o palácio de Leuchtenberg.

Em 1861, aos dezesseis anos, Luís começou a sua carreira militar quando seu tio, Maximiliano II da Baviera, comissionou-o como tenente no sexto batalhão. No ano seguinte, ele entrou para a Universidade de Munique, onde estudou Direito e Economia. Ao completar dezoito anos, automaticamente passou a ser um membro do senado da legislatura bávara como um príncipe da casa real.

Em 1866, a Baviera aliou-se ao Império Austríaco na Guerra Austro-prussiana. Luís era então o primeiro-tenente; foi ferido na batalha de Helmstedt, levando um tiro na coxa. Depois, recebeu a Ordem ao Mérito bávara.

Em 1868, Luís, que tinha grande interesse por agricultura, tornou-se presidente da Sociedade Agricultural Bávara. Também gostava de tecnologia, em particular a energia hidráulica.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Pintura de Luís III

.

Em junho de 1867, Luís foi a Viena para comparecer ao funeral de sua prima, a arquiduquesa Matilde de Áustria-Teschen (filha da irmã de seu pai, a princesa Hildegarda). Enquanto esteve lá, Luís conheceu uma prima de Matilde, Maria Teresa Henriqueta de Áustria-Este, de dezoito anos.

No dia 20 de fevereiro de 1869, na Igreja Agostiniana de Viena, Luís desposou Maria Teresa. Ela era a única filha do arquiduque Fernando Carlos Victor da Áustria-Este (1821-1849) e de sua esposa, a arquiduquesa Isabel Francisca da Áustria (1831-1903).

Até 1862, o tio de Luís, Oto I da Grécia tinha reinado como rei da Grécia. Embora ele tenha sido deposto, Luís da Baviera continuava na linha de sucessão ao trono grego. Se ele quisesse ascender ao trono grego, teria que renunciar à sua fé católica e se tornar ortodoxo. O tio de Maria Teresa, Francisco V de Módena, era um convicto católico e requereu, como parte do acordo de casamento, que Luís renunciasse aos seus direitos ao trono da Grécia, para garantir que os filhos dele fossem católicos.

Com seu casamento, Luís tornou-se um homem rico, pois Maria Teresa tinha herdado grandes propriedades de seu pai. Ela detinha propriedades em Sárvar, na Hungria, e na Morávia. O rendimento dessas terras permitiram que Luís adquirisse uma propriedade em Leutstetten, na Baviera. Com os anos, ele aumentou seus domínios em Leutstetten, que se tornou uma das maiores e mais lucrativas propriedades da Baviera.

Apesar de manterem residências em Munique e no Palácio de Leuchtenberg, Luís e Maria Teresa passaram a maior parte de suas vidas em Leutstetten. Tiveram um casamento extremamente feliz, que gerou nove filhos e quatro filhas.

Filhos[editar | editar código-fonte]

Luís III, sua consorte Maria Teresa e seu filho Rodolfo.

Regente da Baviera[editar | editar código-fonte]

Em 12 de dezembro de 1912, o pai de Luís, Leopoldo, faleceu. Leopoldo foi a favor da destituição de seu sobrinho, o rei Luís II da Baviera, e agiu como príncipe regente, de 1886 até a sua morte, por seu outro sobrinho, Oto, tido como incapaz, mentalmente, de reinar. Luís III logo sucedeu seu pai como príncipe regente.

Quase imediatamente, houve certos elementos na imprensa e outros grupos da sociedade que exigiram que Luís fosse feito rei da Baviera e não príncipe regente. A legislatura bávara, porém, não entrou em sessão até 29 de setembro de 1913. Em 4 de novembro daquele ano, a legislatura emendou a constituição da Baviera para incluir uma cláusula especificando que, se uma regência por razões de incapacidade tivesse durado dez anos ou mais, sem a expectativa de que o rei pudesse reinar, o regente poderia proclamar o fim da regência e a transferência da coroa, algo que seria ratificado pela legislatura. A emenda foi bem aceita pela maior parte da Câmara Baixa, onde havia 122 votos a favor e apenas 27 contra. No senado, houve apenas seis votos contra a reforma. No dia seguinte, em 5 de novembro de 1913, Luís anunciou à legislatura o fim de sua regência, depondo seu primo Oto. A legislatura reconheceu-o como o rei Luís III da Baviera.

Rei da Baviera[editar | editar código-fonte]

O pequeno reinado de Luís III foi conservador e influenciado pela encíclica católica Rerum Novarum. O primeiro-ministro Georg von Hertling, apontado por Leopoldo em 1912, continuou em seu cargo.

Acusado de demonstrar pouca lealdade à Prússia, Luís III tornou-se progressivamente impopular durante a Primeira Guerra Mundial. Subseqüentemente, a Revolução Espartaquista explodiu na Baviera. Em 7 de novembro de 1918, Luís III e sua família partiram de Munique. Ele foi o primeiro dos monarcas no Império Germânico a ser deposto. Em 13 de novembro do mesmo ano, Luís III assinou um documento que liberou seus oficiais civis e militares de seus juramentos (ao rei). O novo governo republicano recentemente formado de Kurt Eisner interpretou isso como uma abdicação.

Exílio e morte[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1919, Eisner foi assassinado. Temendo que ele pudesse ser outra vítima, Luís III fugiu para a Áustria, depois se mudando para Liechtenstein e para a Suíça. Ele retornou à Baviera em abril de 1920, e viveu no castelo de Wildenwart. Lá permaneceu até setembro de 1921, quando viajou para Sárvár, na Hungria, onde faleceu em outubro daquele ano.

Em 5 de novembro de 1921, o corpo de Luís retornou a Munique, juntamente com o de sua esposa (falecida em fevereiro de 1919). Eles ganharam um funeral de Estado, sendo enterrados na cripta da catedral.


Precedido por
Oto
Wappen Deutsches Reich - Königreich Bayern (Grosses).jpg
Rei da Baviera

19131918
Sucedido por
Nenhum