Madame Bovary (1991)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde agosto de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Madame Bovary
 Alemanha França Itália
1991 • cor • 136 min 
Direção Claude Chabrol
Elenco Isabelle Huppert
Jean-François Balmer
Christophe Malavoy
Género drama
romance
histórico
Idioma francês
Página no IMDb (em inglês)

Madame Bovary é um filme franco-teuto-italiano de 1991, dirigido por Claude Chabrol, sendo baseado no livro homônimo do romancista Gustave Flaubert e estrelado pela atriz Isabelle Huppert. O filme situa-se entre a tradição da nouvelle vague e um filme de época do cinema comercial estadunidense e britânico. Foi produzido pela MK2.

Antes de ser filmado por Chabrol, o prolixo romance de Flaubert, já tinha sido levado às telas pelo francês Jean Renoir (1933) e pelo norte-americano Vincente Minnelli (1949), ambos cineastas apreciados na revista de crítica cinematográfica Cahiers du Cinema, onde Chabrol trabalhou antes de atuar como diretor ao lado de nomes como Jean-Luc Godard, François Truffaut, Eric Rohmer e Jacques Rivette, que anos mais tarde lançariam conjuntamente o manifesto do novo cinema francês.

O drama também foi revisto por Agustina Bessa-Luís em seu Vale Abraão, que inspirou o filme de mesmo nome do centenário diretor português Manoel de Oliveira em 1993.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Charles Bovary, um médico viúvo do interior da França, se casa com Emma, uma moça campesina que estudou no Convento das Ursulinas e vive entediada como mundo interiorano e da pequena burguesia das províncias da Normandia. Emma passava dias lendo livros de autoria de Walter Scott e Voltaire, porém com as restrições do marido e da sogra, acaba tendo como válvula de escape para seu enfado os amantes Léon e Rodolphe com quem passa tardes a fio, enquanto seu marido dedica-se integralmente aos doentes e convida para os jantares frequentemente o boticário Homais, com quem vem criando amizade.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme foi recebido de forma mista pela crítica, que o considerou um Chabrol menor, sem tanta importância em sua vasta obra autoral. O filme foi criticado por alguns entusiastas da Nouvelle Vague por ser um filme mais comercial do que costumava a ser o cinema do polêmico diretor francês.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.