Madame Inger em Ostraat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Madame Inger em Ostraat[1]
Madame Inger em Ostraat[2]
Fru Inger til Østeraad
Autor (es) Henrik Ibsen
Idioma norueguês
País  Noruega
Género teatro
Editora HJ Jensen
Lançamento 31 maio - 23 agosto de 1857 (Nyhedsblad Illustreret)
Novembro de 1857 (Separata)
Cronologia
Último
Último
Noite de São João (1853)
A Festa em Solhaug (1855/56)
Próximo
Próximo
Agnes Mowinckel interpretando "Madame Inger" em 1921.
Henrik Ibsen fotografado por Gustav Borgen.

Madame Inger em Ostraat (Fru Inger til Østeraad) é uma peça teatral do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen, escrita em 1854,[3] e inspirada na vida de Inger, “Senhora de Austrått”. Foi representada pela primeira vez no Det Norske Theater, em Bergen, em 2 de janeiro de 1855, por ocasião do quinto aniversário do teatro.

A peça reflete o nascimento do nacionalismo romântico na Noruega desse período, e apresenta um forte sentimento anti-dinamarquês. Centra-se na Escandinávia de 1510-1540, quando a União de Kalmar entrou em colapso, os impactos da Reforma foram se tornando evidentes na Noruega, e uma última e desesperada luta estava sendo elaborada para manter a independência norueguesa.[4]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A literatura norueguesa era praticamente inexistente durante o período da União de Kalmar, e no subsequente Reino da Dinamarca e Noruega (1387—1814) — Ibsen caracterizou tal período como "Quatrocentos Anos de Trevas". Ele foi um participante importante na formação do romantismo nacionalista que se seguiu a esse período, e é reconhecido como um dosgrandes quatro colaboradores do movimento (os outros são Bjørnstjerne Bjørnson, Alexander Kielland, e Jonas Lie), recriando uma cultura nacional com base no passado quase esquecido. Pesquisas posteriores mostraram que a peça “Madame Inger em Ostraat” desvia liberalmente dos eventos históricos reais, e deve ser entendida no seu contexto como uma afirmação de nacionalismo.[5]

Ao trabalhar na peça, Ibsen foi obrigado a se ocupar com fontes históricas. Entre os historiadores da época havia um certo interesse na união dinamarquesa-norueguesa. Acredita-se que duas publicações de historiadores dinamarqueses desempenharam um papel especial no nascimento da peça de Ibsen: o trabalho de Caspar Paludan-Müller, “Grevens”, publicado em dois volumes em 1853-1854, e um volume de Samlinger, “Norske Folks Sprog og Historie”, publicado em 1833.[6] O tratamento que Ibsen deu ao material histórico, no entanto, é muito livre.

Características[editar | editar código-fonte]

Não se sabe exatamente quando Ibsen escreveu Madame Inger, apenas que a peça foi escrita durante o período em que ele era diretor do Det Norske Theater, em Bergen; em 1º de outubro de 1854 entregou o roteiro completo a Peter Blytt, presidente do conselho do teatro,[6] de forma anônima. Ibsen tinha suas razões para não se revelar como o autor da peça, pois suas produções anteriores Noite de São João, em 1853, e Túmulo de Gigantes, em 1854, foram fracassos, e sua auto-estima estava baixa. Pouco antes da primeira noite, Ibsen - involuntariamente - revelou ser o autor da peça, mas insistiu que seu nome não deveria aparecer no cartaz ou nos anúncios preliminares. A produção não foi um sucesso, e o público mostrou menos interesse do que o esperado, sendo representada apenas duas vezes.

O enredo é inspirado em Inger (1475-1555), Senhora de Austrått,[7] que era a mais rica proprietária de terras de sua época, na Noruega, filha e última herdeira da família Rømer, e também uma intrigante política (Inger é famosa por ter orquestrado os filhos para apoiar seus objetivos).

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Inger Ottisdaughter, viúva de Lord Steward Henrik Gyldenløve
  • Eline, sua filha
  • Nils Lykke, cavaleiro dinamarquês
  • Olaf Skaktavl, um for a-da-lei norueguês
  • Nils Stensson
  • Jens Bjelke, comandante dinamarquês
  • Bjørn, Finn e Einar, Lady

Fonte: [8]

Edição em livro[editar | editar código-fonte]

Primeira edição[editar | editar código-fonte]

Vários anos se passaram antes que a peça "Madame Inger em Ostraat" fosse publicada. Por volta de 1856-1857, Ibsen enviou o manuscrito para o editor Chr. Tønsberg, que havia publicado A Festa em Solhaug em março de 1856, mas foi educadamente recusado. Em 17 de abril de 1857, ele escreveu a seu amigo Paul Botten-Hansen, editor do semanário literário Illustreret Nyhedsblad, pedindo que intercedesse para a publicação.[9] Botten-Hansen sugeriu publicar a peça como uma série na "Nyhedsblad Illustreret". Ibsen não tinha nenhuma objeção a isso, e a peça foi impressa em cinco números do semanário no período de 31 maio a 23 agosto de 1857. Em novembro do mesmo ano, o proprietário de "Illustreret Nyhedsblad", HJ Jensen, publicou uma separata da peça em uma edição limitada de 250 cópias.

Segunda edição[editar | editar código-fonte]

Em 1874 Ibsen revisou a peça, e “Fru Inger til Østeraad” se tornou “Fru Inger til Østråt”. A editora era agora a de Frederik Hegel, de "Gyldendalske Boghandel" em Copenhague, e a edição consistiu de 4.000 exemplares, em novembro de 1874.

Cinema e televisão[editar | editar código-fonte]

  • Em 1961, foi feita uma produção norueguesa para televisão, sob direção de Toralf Sandø, com Aase Bye no papel título.[10]
  • A peça foi filmada na Noruega em 1975, sob direção de Sverre Udnæs, com Ingerid Vardund no papel-título.[11] [12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Oliveira, Vidal de. Biografia e comentários sobre a obra de Ibsen. [S.l.]: Editora Globo.
  2. Oliveira (1984, p. 35) defende que o nome em português seria “Madame Inger em Ostraat”. Carpeaux (1984, p. 81) defende o nome “Dona Inger em Ostraat”
  3. Carpeaux, Otto Maria. Estudo Crítico Henrik Ibsen. [S.l.]: Editora Globo. 51 pp.
  4. Bradbrook, M.C. Litt.D.. Ibsen the Norwegian: A Revaluation. [S.l.]: Chatto & Windus, London, 1966. 22–23 pp. Visitado em 22 de abril de 2009.
  5. Archer, William (preface). The Collected Works of Henrik Ibsen, Volume I — Introduction to '"Lady Inger of Østrårt". [S.l.]: Charles Scribner's Sons, 1913. 22–23 pp. Visitado em 22 de abril de 2009.
  6. a b Ibsen.net: Processo criativo de Madame Inger em Ostraat (em inglês)
  7. Austrått ou Austråttborgen (escrito anteriormente Østråt, Østråt e Austråt) é uma casa senhorial na Noruega.
  8. The Oxford Ibsen, Volume I, Oxford University Press 1970
  9. Ibsen.net: Carta a Paul Botten-Hansen (em norueguês)
  10. Fru Inger til Østeraad (TV) no IMDB
  11. Fru Inger til Østeraad (filme)
  12. Fru Inger til Østeraad no IMDB

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • CARPEAUX, Otto Maria. Estudo Crítico Henrik Ibsen. [S.l.: s.n.], 1984. ISBN n.c. In IBSEN. Henrik. O Pato Selvagem.
  • OLIVEIRA, Vidal de. Biografia e comentários sobre a obra de Ibsen. [S.l.: s.n.], 1984. ISBN n.c. In IBSEN. Henrik. O Pato Selvagem.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]