Maré vermelha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maré vermelha

A maré vermelha (Pyrrophyta) é uma aglomeração de micro-planctons dinoflagelados que raramente acontece em alguns determinados locais na superfície das águas. São seres unicelulares aglomerados em número suficiente para produzir uma mudança de cor na água que se torna amarela, alaranjada, vermelha ou marrom porque são micro-organismos caracterizados pela presença de vários pigmentos como azul celeste e azul escuro (a) e (c) de cor verde, pigmento beta-caroteno que é amarelo e várias outras xantofilas que são alaranjadas e vermelhas, esses pigmentos estão sempre localizados em cromatóforos.

Em todos os gêneros de vida livre e nos seus zoósporos, sempre existem dois flagelos. A maioria são seres autótrofos mas existem também algumas espécies sem pigmentos porque não fazem fotossíntese. As pirrófitas, do grego "pyrrhos", que em português significa fogo, ou cor de fogo, mais "phyta" que em português significa planta, no caso se referindo a plantas algas do mar portanto, literalmente "pirrófita" significa algas com cor de fogo, nome esse que se aplica às algas pirrófitas que realmente possuem essa "cor de fogo" e causam essas marés vermelhas; por outro lado existem também pirrófitas Noctilucas que não são vermelhas mas são algas que possuem bioluminescência e brilham à noite nas ondas das praias e já foram chamadas de "algas de fogo" ou algas que brilham como fogo.

O fenômeno da maré vermelha pode acontecer tanto em água doce quanto em água salgada, devido a isso aparecem nomes tais como: Mar Vermelho, Lagoa Vermelha, por exemplo Rio Vermelho, no Brasil, pode ser:

Ecologia das pirrófitas[editar | editar código-fonte]

  • As Marés Vermelhas são acidentes ecológicos que vez por outra acontecem.
  • À primeira vista parece uma relação ecológica de amensalismo entre essas pirrófitas e esses peixes, aves e mamíferos marinhos que são mortos de forma indiscriminada e aleatória mas, nesses acidentes não se revela a intenção premeditada dessas pirrófitas em causar essa mortalidade generalizada pois na verdade elas não obtém nenhuma vantagem com todas essa mortes de seres que não competem com elas e nem lhes servem como alimento muito porque elas são autótrofas e não precisam matar para se alimentar, portanto as marés vermelhas são consideradas apenas como acidentes ecológicos que acontecem durante a reprodução sexuada de algumas pirrófitas que lançam nas águas enorme quantidade de zoósporos que possuem toxinas que são facilmente absorvidas pelos outros seres vivos, provocando o envenenamento das águas e ameaçando a sobrevivência de várias espécies.
  • Reprodução:
    • Geralmente a reprodução se faz por simples divisão de um microorganismo se dividindo em dois, sendo mais rara a reprodução sexuada mas, quando isso acontece a reprodução se faz pela formação de zoósporos, um zoósporo por célula e esses seres unicelulares precisam se reunir, se agrupar nessas marés vermelhas para que seus únicos zoósporos não se percam e tenham maior chance de encontrar outro de sua espécie para que possa ocorrer a fecundação entre esses seres unicelulares, devido a isso elas se reúnem, se agrupando nessas manchas que aparecem nas águas e que são denominadas marés vermelhas, portanto isso ocorre devido a fenômenos vinculados com a reprodução delas e não a fenômenos relacionados a outros seres vivos que nada têm a ver com elas mas que são acidentalmente intoxicados quando esses agrupamentos acontecem.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Poluição é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.