Marquesado de Saluzzo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marca de Saluzzo
Marchesato di Saluzzo

Feudal

1125 – 1548 Royal Standard of the King of France.svg
 
Savoie flag.svg

Brasão de Saluzzo

Brasão

Localização de Saluzzo
Marquesado de Saluzzo (purpura)
rodeado pela Sabóis (verde)
Continente Estados extintos da Europa
Capital Saluzzo
Língua oficial italiano
Governo Marquesado
Manfredo I
 • 1125-75 Manfredo I de Saluzzo
 • 1537-48 Gabriel de Saluzzo
História
 • 1125 Numeação a marquês pelo imperador Frederico I
 • 1548 Anexada à França

A Marca de Saluzzo, ou Marquesado de Saluzzo (Marchesato di Saluzzo, em italiano) foi um antigo estado da península Itálica com território dividido entre a atual França e Itália (Piemonte), nos Alpes.

Origens[editar | editar código-fonte]

A marca de Saluzzo era formada pelos senhores da cidade de Saluzzo no Piemonte. Eram condes antes de Boniface del Vasto receber em feudum' a cidade da Marca de Turim e a passesse ao filho mais velho que viria a ser o marquês Manfredo I de Saluzzo. Em 1175, foi elevado ao estatuto de marquês pelo imperador Frederico I [1] .

Território[editar | editar código-fonte]

A Marca de Saluzzo ocupava uma parte da província de Cuneo e de Turim e por vezes territórios que hoje fazem parte de França. Historicamente o seu território compreendia a área compreendida entre a Stura, o e os Alpes.

Os centros principais eram Saluzzo, Carmagnola, Revello, Marta e Del Vasto que se mantiveram ligadas à marca durante toda a sua existência.

O projeto expansionista da Casa de Saboia não permitiu a Saluzzo de manter a sua própria autonomia e aumentar os territórios noutras zonas do Piemonte [2] .

A Saboia e o delfinado[editar | editar código-fonte]

O marquesato pelo facto da sua posição alpina, interessou os condes de Saboia, e desde o século XII existe uma rivalidade os Saboia e Manfredo II de Saluzzo. No entanto a família de Saluzzo tenta regularmente de recuperar a sua autonomia e é assim que em 1210 a marquesa de Adelaide faz-se reconhecer feudatária do delfino de Viena, casa que estava já em conflito com a de Saboia. Esta dualidade termina em 1413 com a vassalagem a Amadeu VIII de Saboia, até que em 1483 Ludovico II de Saluzzo entra em guerra com Carlos I de Saboia.

No final do conflito que opunha o rei francês ao imperador Carlos de Habsburgo, o Duque de Saboia conquista novamente a soberania sobre Saluzzo [2] .

Esplendor e queda[editar | editar código-fonte]

O período de esplendor é o de Ludovico I de Saluzzo e Ludovico II de Saluzzo.

Os sucessores deste último combateram para conquistar o trono e arruinaram as finanças e a soberania, pois em 1549 foi anexada à França, durante a Quinta guerra da Itália (1515-1516), que a manteve até 1601 altura em que a Saboia, pelo tratado de Lyon, consegue tomar posse dela até à unificação da Itália [2]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]