Mercearia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Exemplo de uma mercearia do início do século XX em Washington, Vancouver

Uma mercearia ou venda é uma pequena loja tradicional que vende produtos de grande consumo, sobretudo alimentos, podendo complementar a oferta com produtos de higiene, bebidas e objetos de uso doméstico. Um merceeiro, dono de uma mercearia, armazena diferentes tipos de alimentos de várias proveniências para venda a retalho.

As grande mercearias com autosserviço e de oferta mais alargada designam-se por supermercados.

No Brasil, era comum ouvir alguém dizer "A venda do Seu Manuel"[1] [2] , "A venda do Seu Antônio" ou "A vendinha da esquina" nos bairros da periferia das grandes cidades e principalmente em localidades pequenas afastadas da civilização, usa-se a denominação de venda para estabelecimentos de pequeno porte onde são vendidos de tudo um pouco, não se compara a uma mercearia pela quantidade do estoque. Essas vendas não têm estoque grande de mercadoria, e grande parte da freguesia costuma pagar por mês uma caderneta de fiado. Esse tipo de venda também pode ser encontrada em canteiros de obras, em fazendas e outras localidades onde trabalhadores costumam pagar suas despesas por mês no dia do pagamento.

Na literatura, Jorge Amado escreve em seu romance Gabriela, cravo e canela, sobre "A venda do Seu Nassib" na cidade de Ilhéus na Bahia.

O tipo de mercearia que vende frutas e verduras é chamada quitanda ou fruteira .[3]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]