Miep Gies

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miep Gies
Miep Gies com Egon Krenz em 1989.
Nascimento 15 de Fevereiro de 1909
Viena, Áustria-Hungria
Morte 11 de janeiro de 2010 (100 anos)
Hoorn
Nacionalidade Áustria austríaca
Página oficial
http://www.miepgies.com/

Hermine "Miep" Santrouschitz-Gies (15 de Fevereiro de 1909 - 11 de Janeiro de 2010) foi uma amiga de Anne Frank, que lhe guardou o diário durante a Segunda Guerra Mundial.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Enquanto Anne Frank, a sua família e mais quatro pessoas escondiam-se dentro de uma anexo secreto, com medo de serem descobertos, Miep levava-lhes comida, livros e outros objectos indispensáveis. Dava-lhes ainda informações sobre o mundo e como estavam as pessoas a reagir à Guerra.

Miep Gies colaborou na edição do livro "Anne Frank, uma Biografia", de Melissa Muller. Ela escreveu o posfácio e conforme consta no referido livro: "Melissa encontrou Miep Gies, a única sobrevivente do grupo de quatro pessoas que ajudou a família Frank, e que pela primeira vez falou sobre a suspeita - que recaía sobre ela e o grupo que ajudou a família de Anne - de que eles teriam revelado aos nazis onde ficava o esconderijo dos oito judeus. Baseado neste testemunho, o livro explica o motivo da traição que selou o destino dos Frank e as razões que levaram Miep e seus amigos a não tocar neste assunto por mais de 50 anos.

"Miep Gies foi, tanto em 1948 como em 1963, um das testemunhas mais importantes nas investigações sobre o traidor dos Frank. Van Maaren tentou denegri-la junto da polícia holandesa com todo o tipo de acusações grosseiras. Disse que Miep teria tido um relacionamento tanto com seu chefe como também com um oficial alemão. Teria seduzido inclusive o policia Karl Siberbauer (o que invadiu o esconderijo). A reação de Jan (seu marido) foi: Miep, onde arranjaste tempo para isso tudo? E a reação de Otto Frank: se o nome de Miep estiver na lista dos suspeitos, então também podem colocar o meu. Não posso confiar em ninguém, a não ser Jan e Miep".

Em meados dos anos 80, a escritora americana Alison Gold pode persuadir a colaboradora Miep Gies a participar num projeto comum de um livro. O título autobiográfico de sucesso, MEU TEMPO COM ANNE FRANK, foi publicado em 1987, primeiro nos EUA e, pouco depois, na Holanda e na Alemanha. O livro também é uma homenagem a Jan, o marido de Miep Gies, que sempre preferiu permanecer em segundo plano. Nos anos seguintes, Miep foi homenageada várias vezes por seus méritos como colaborada: em 1994, outorgaram-lhe a Cruz dos Justos do memorial Yad Vashem, em Jerusalém. E, por fim, a rainha Beatriz da Holanda a fez Cavaleiro da Ordem de Orange-Nassau.

Na primavera de 1996, Miep recebeu, junto com o cineasta Jon Blair, o Oscar pelo filme documentário ANNE FRANK REMEMBERED, Em Los Angeles. Miep viveu - com vitalidade intelectual e sem ajuda de outros - em sua residência em Amsterdã até janeiro de 2010, quando faleceu aos 100 anos.[1]

Website oficial[editar | editar código-fonte]

Referências