Mumtaz Mahal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.
Mumtaz Mahal
Imperatriz consorte do Império Mogol
Reinado 8 de novembro de 1627
a 17 de junho de 1631
Cônjuge Shah Jahan
Nome completo
Arjumand Bano Begum
Dinastia Timúrida
Pai Abul-Hasan ibn Mirza Ghiyas Beg
Mãe Plondregi Begum
Nascimento 01 de setembro de 1593
Agra, Flag of the Mughal Empire (triangular).svg Império Mogol
Morte 17 de junho de 1631 (37 anos)
Burhanpur, Flag of the Mughal Empire (triangular).svg Império Mogol
Enterro Taj Mahal
Religião Xiita
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Mumtaz Mahal

Arjumand Bano Begum (1593 - 1631) era uma princesa persa muçulmana que, ao se casar com o quinto imperador mogol, o Shah Jahan, passou a ser conhecida como Mumtaz Mahal (em Persa e em urdu: ممتاز محل, que significa "a joia do palácio"). Na tradição mogol, as senhoras importantes da família real ganhavam outro nome ao casar-se. Ela viveu com o imperador de 1612 a 1631.

História[editar | editar código-fonte]

Embora sendo o segundo casamento de Jahan, ele foi realizado através da paixão e do amor verdadeiro; amor este que os fez praticamente inseparáveis. Mumtaz Mahal acompanhava Shah Jahan em todas as suas viagens e expedições militares tornando-se a grande e principal conselheira e apoiadora. Ela o inspirou a atos de caridade e benevolência para com os fracos e necessitados.

Arjumand Bano Begum, popularmente conhecida como Mumtaz Mahal (Ornamento "do Palácio"), casou-se em 10 de maio de 1612 com a idade de 20 anos e veio a falecer ao dar à luz o 14º filho quando acompanhava Jahan a uma campanha militar em Burhanpur.[1] A morte de Muntaz Mahal caiu como uma pedra sobre os ombros de Jahan, deixando-o em alguns meses com aparência de longos anos, já que seus cabelos e sua barba tornaram-se brancos como a neve. Jahan mandou construir um palácio sobre o túmulo da sua amada como uma homenagem póstuma. Chamado "Taj Mahal", é feito em mármore branco, rodeado de grandes jardins e com belas decorações.

O desenho e projeto do Taj Mahal são do próprio Shah Jahan e nunca sofreram uma alteração sequer do original. A qualidade na construção e a riqueza dos detalhes são singulares. Os melhores construtores e artistas da região, inclusive alguns vindos da Europa, participaram desse empreendimento. Uma lenda conta que, após a conclusão das obras do Taj Mahal, o imperador mandou cortar as mãos de todos aqueles que estiveram envolvidos para que, assim, nunca pudessem fazer nada mais bonito que aquele monumento. É considerado, por alguns, a maior prova de amor já feita pelo homem.[2] [3]

Referências

  1. Preston, page 171.
  2. Qazwini. fol. 233a translated by Begley and Desai (1984), page 14.
  3. Bloom, J. and Blair, S. (1994). "The Art and Architecture of Islam: 1250-1800". New Haven and London: Yale University Press
  • KOCH, Ebba. The Complete Taj Mahal: And the Riverfront Gardens of Agra. First. ed. [S.l.]: Thames & Hudson Ltd. 288 pages pp. ISBN 0-500-34209-1.
  • PRESTON, Diana & Michael. A Teardrop on the Cheek of Time. First. ed. London: Doubleday, 2007. 354 pages pp. ISBN 978-0-385-60947-0.
  • SCHULBERG, Lucille. Índia histórica. Tradução de J. A. Pinheiro de Lemos. First. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1979. 162 pages pp. ISBN 978-0-682-24400-8.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.