Omega Centauri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ω Centauri
Omega Centauri, um grande aglomerado globular na constelação de Centaurus.
Omega Centauri, um grande aglomerado globular na constelação de Centaurus.
Dados observacionais (J2000)
Constelação Centaurus
Tipo aglomerado globular
Asc. reta 13h 26m 45.89s[1]
Declinação -47° 28′ 36.7″[1]
Distância 15.8 ± 1.1 kal[2] (4.85 ± 0.35 kpc)
Magnit. apar. 3.7[3]
Dimensões 36′.3
Características físicas
Massa ~1•1037 kg (~5 000 000 massa solar)[4]
Raio 86 ± 6 al[5]
Idade estimada ~12 Gyr[6]
Outras denominações
NGC 5139,[1] GCl 24,[1] ω Centauri[2]
Centaurus constellation map.png

Omega Centauri ou NGC 5139 é um aglomerado globular[7] situado na constelação de Centaurus. Foi descoberto por Edmond Halley em 1677. Omega Centauri tinha sido incluído no catálogo de Ptolomeu 2000 anos atrás como uma estrela. Lacaille incluiu-a no seu catálogo como número I.5. O astrônomo inglês John William Herschel foi o primeiro a reconhecer como um aglomerado globular em 1830.[8] Este aglomerado orbita nossa galáxia, a Via Láctea, sendo o maior e mais brilhante dos aglomerados globulares que a orbitam. É um dos poucos que pode ser visto a olho nu. Omega Centauri está a cerca de 15.800 anos-luz (4,85 kpc) da Terra e contém vários milhões de estrelas de População II. As estrelas de seu centro são tão interligadas entre si que acreditava estarem apenas 0,1 anos luz umas das outras. Sua idade estimada é de cerca de 12 bilhões de anos, esta característica o distingue de outros aglomerados globulares em nossa galáxia que contêm estrelas de diferentes gerações.

Apesar de não ser uma estrela na constelação, recebeu uma designação de Bayer, a ω. Por isso, é especulado que Omega Centauri pode ser o núcleo remanescente de uma galáxia anã que foi satélite da nossa Via Láctea. Esta galáxia teria um tamanho centenas de vezes superior ao atual Omega Centauri e foi fragmentada e absorvida pela nossa galáxia. A química e a dinâmica de Omega Centauri são consistentes com essa hipótese.

Relatado em 1º de abril de 2008, a questão do Astrophysical Journal, astrônomos alegaram ter encontrado indícios de um buraco negro de massa intermediária no centro do Omega Centauri. As observações foram feitas com o Telescópio Espacial Hubble e o Observatório Gemini, em Cerro Pachon, no Chile.[9] O Advanced Camera for Surveys (ACS) do Hubble mostrou como as estrelas estão acumuladas até perto do centro de Omega Centauri, como pode ser visto no aumento gradual na luz das estrelas perto do centro. Medindo a velocidade das estrelas rodando perto do centro do aglomerado com o Observatório Gemini, os astrônomos descobriram que as estrelas mais próximas do núcleo estão se movendo mais rapidamente do que as estrelas mais distantes. A medida implica que alguma matéria invisível está no centro puxando as estrelas perto dela. Comparando estes resultados com os modelos, os astrônomos determinaram que a causa mais provável é a atração gravitacional de um maciço, denso objeto. Eles também utilizaram modelos para calcular a massa do buraco negro.[10]

Como Mayall II, um aglomerado globular que orbita a galáxia de Andrômeda, Omega Centauri possui uma faixa de metalicidades e de idades estelares sugerindo que não foi formada de uma só vez (como é normal em aglomerados globulares). Muitas das estrelas que formam Omega Centauri fazem pensar que é o núcleo remanescente da antiga galáxia anã que foi capturada pela Via Láctea.[11]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Science.jpg    NGC 5137  •  NGC 5138  •  NGC 5139  •  NGC 5140  •  NGC 5141