Oscar Maroni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde abril de 2013)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde abril de 2013).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e dire(c)ta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Oscar Maroni
Nome completo Oscar Maroni Filho
Conhecido(a) por Dono da casa de lazer adulto Bahamas Night Club
Nascimento 27 de janeiro de 1951 (63 anos)
Jundiai
Nacionalidade  Brasil
Ocupação Empresário

Oscar Maroni Filho (Jundiai, 27 de janeiro de 1951) é um psicólogo e empresário brasileiro, atuando nas áreas de entretenimento adulto, pecuária, hotelaria, além de ser o editor das revistas Penthouse e Hustler, além de promoter de Showfight. Notório por ser dono da luxuosa casa de entretenimento adulto da cidade de São Paulo chamada Bahamas Night Club, bem como pelas recorrentes polêmicas.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A boate Bahamas e o hotel do empresário mais ao fundo

Possui uma boate situada próximo ao Aeroporto de Congonhas chamada de Bahamas Night Club e fica localizada no bairro Moema.

Maroni frequentemente aparecia em público com um animal de estimação nos braços: um cachorro da raça maltês chamado de Docinho.

Carreira & Perfil[editar | editar código-fonte]

Antes de se tornar um empresário no ramo de Boates e Casas Noturnas em São Paulo, formou-se em Psicologia e teve seu próprio consultório durante seis anos. Também foi chapeiro do bar do colégio Santo Américo em São Paulo e, posteriormente, dono de lanchonete, com o lucro da qual pagava a faculdade. Oscar Maroni Filho é também conhecido pelo seu jeito extrovertido e falastrão. Em sua última entrevista ao programa Panico na radio, afirmou que manteve relações sexuais com mais de 2.500 mulheres. Também já foi destaque em diversas revistas e programas de entrevistas. Antes tinha declarado em um programa de entrevistas na TV que ocorria prostituição em sua boate Bahamas e, dois dias depois, fiscais da subprefeitura da Vila Mariana e a polícia, sob ordens do juiz Aparecido Brandão e do sub-prefeito da Vila Mariana Fábio Lepique, mandaram lacrar o estabelecimento sob acusação de lenocínio e por falta de alvará para funcionamento.

Em 2009, o jornalista paulistano Daniel Barbosa escreveu o livro-reportagem "Oscar: uma crônica maroniana", que aborda fatos da biografia do empresário.

A boate Bahamas[editar | editar código-fonte]

O empresário Oscar Maroni é proprietário do Bahamas Night Club, que fica localizado na Rua dos Chanés com esquina com a Rua Anapurus e comumente freqüentada por garotas de programas e clientes de alto poder aquisitivo. O Bahamas possui diversas opções de entretenimento que variam de shows de striptease, sauna mista, restaurante executivo com cardápio variado e também conta com 23 suítes luxuosas para encontros íntimos. Anualmente quando ocorria eventos da Fórmula 1 na cidade de São Paulo, a boate Bahamas recebia em média cerca de 400 clientes entre eles o pessoal de algumas escuderias famosas da Fórmula 1 e com isso organizavam shows eróticos com garotas de programas que usavam o tema baseado no evento automobilístico.[carece de fontes?]

A polêmica do Oscar's Hotel[editar | editar código-fonte]

Oscar Maroni construiu um hotel de 11 andares na esquina da rua dos Chanés com a alameda Anapurus, a 600 metros de uma das cabeceiras da pista do Aeroporto de Congonhas. O prédio fica ao lado de sua boate Bahamas. Já fazia algum tempo que as empresas de transporte aéreos alertavam as autoridades sobre possíveis acidentes com aviões em relação ao hotel.

Imagem que mostra a proximidade da edificação junto aos sinalizadores do Aeroporto de Congonhas.

Isso exigiu uma mudança na altitude de aproximação das aeronaves, segundo cartas da aeronáutica. Após o acidente com o Vôo TAM 3054, o até então prefeito da cidade de São Paulo Gilberto Kassab cassou o alvará de aprovação e construção do hotel. Além disso mandou prender o Oscar Maroni com prisão temporária e afirmava estudar uma hipótese de demolir o hotel anexo a boate. Em contrapartida, o CONAR analisou a estrutura e sua localização e chegou a conclusão de que o hotel estava dentro dos padrões de edificação na área do Aeroporto de Congonhas e sendo assim não haveria porque demolir o prédio. Oscar Maroni foi solto e agora seus advogados recorrem na justiça em um processo por danos morais provocados pelos autores do caso.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

↑ Blog Opiofagia (20 de junho de 2010). Fragmentos de uma crônica - trechos do 4º capítulo do livro "Oscar: uma crônica maroniana". Página visitada em 21 de julho de 2010.