Oceanodroma castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Painho-da-madeira)
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaOceanodroma castro
painho, angelito, roquinho
Starr 080102-1125 Casuarina equisetifolia.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Procellariiformes
Família: Hydrobatidae
Subfamília: Hydrobatinae
Género: Oceanodroma
Espécie: O. castro
Nome binomial
Oceanodroma castro
(Harcourt, 1851)

Oceanodroma castro (Harcourt, 1851), conhecido pelos nomes comuns de painho, alma-de-mestre, angelito (Açores), canitobo (São Tomé e Príncipe), jaba-jaba (Cabo Verde), roque-de-castro, roque e roquinho (Madeira), é uma ave marinha da família Hydrobatidae, [2] de pequenas dimensões, coloração geral preta e uropígio branco. Nidifica exclusivamente em ilhas, com colónias nidificantes conhecidas nas Berlengas, nos arquipélagos da Macaronésia e nas ilhas Galápagos.

Descrição[editar | editar código-fonte]

É uma ave de pequeno porte, com 19–21 cm de comprimento, uma envergadura de 43–46 cm e 44–49 g de peso, com plumagem negra com uma marcada faixa branca no uropígio. A cauda é ligeiramente bifurcada, com as asas comparativamente longas.

Nidifica em ilhas e ilhéus na região subtropical dos oceanos Atlântico e Pacífico, incluindo os Açores e Madeira no Atlântico e as ilhas Galápagos no Pacífico. A nidificação ocorre em colónias instaladas fissuras e pequenas aberturas naturais em falésias ou em rochas expostas na linha de costa. A fêmea produz um único ovo por ano, de cor branca.

A ave é estritamente oceânica, permanecendo no mar com excepção do curto período de reprodução. Alimenta-se capturando à superfície da água invertebrados, pequenos vertebrados e por vezes carniça, mas por vezes mergulha para capturar alimento, em geral descendo apenas até aos 40–120 cm de profundidade (um mergulho registado a 170 cm parece dever-se a mau funcionamento do equipamento de medição).[3]

A actividade da espécie em espaço aberto nos locais de nidificação é estritamente nocturna para evitar predação por gaivotas e outras aves predadoras ou oportunistas, evitando mesmo as vindas a terra em noites de luar intenso. Como ocorre com os restantes membros do género Oceanodroma, a capacidade de locomoção em terra desta espécie é muito limitada, reduzindo-se a arrastar-se entre o local de pouso e o ninho, geralmente em trajectos de apenas alguns centímetros.

Nidifica durante todo o ano, apresentando duas populações com picos de nidificação distintos, na Primavera e no Outono. A descoberta destas populações nidificantes nos períodos mais quentes e frios do ano (reprodução de estação quente e de estação fria), utilizando os mesmos ninhos em períodos diferentes do ano, com vocalizações e períodos de muda distintos, indicia a presença de espécies crípticas coexistindo na mesma área de distribuição natural.

A análise genética, recorrendo ao mtDNA, da população que nidifica no período quente no Açores levou ao seu reconhecidas como uma espécie separada, o Oceanodroma monteiroi.[4]

Na Madeira podem ser avistadas a muitas milhas da costa, normalmente alimentando-se sobre bancos de pesca, sendo a população composta por mais de 10000 indivíduos e com uma extensa área de ocorrência.

A espécie é monotípica (não são reconhecidas subespécies).

Notas

  1. Lista Vermelha da IUCN (em inglês) — Oceanodroma castro Acedido em 16 de Julho de 2012.
  2. Bried, Joël (2005): Diving Ability of the Band-rumped Storm Petrel. Waterbirds 28(2): 162-166. DOI:10.1675/1524-4695(2005)028[0162:DAOTMS]2.0.CO;2 HTML abstract
  3. Bried, Joël (2005): Diving Ability of the Band-rumped Storm Petrel. Waterbirds 28(2): 162-166. DOI:10.1675/1524-4695(2005)028[0162:DAOTMS]2.0.CO;2 HTML abstract
  4. M. Bolton, A.L. Smith, E. Gomez-Diaz, V.L. Friesen, R. Medeiros, J. Bried, J.L. Roscales & R.W. Furness (2008) "Monteiro's Storm Petrel Oceanodroma monteiroi: a new species from the Azores" Ibis 150 (4): 717–727 doi:10.1111/j.1474-919X.2008.00854.x

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Madeira Nature
  • Snow, D.W. & Snow, B.K. (1966). "The breeding season of the Band-rumped Storm Petrel (Oceanodromo castro) in the Galapagos." Ibis 108(2):283-284.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]