Paolo Nespoli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paolo Nespoli

Astronauta da ESA
Nacionalidade Itália italiano
Nascimento 6 de Abril de 1957 (57 anos)
Milão, Itália
Missões STS-120, Soyuz TMA-20, Expedição 26, Expedição 27
Insígnia
da missão
Sts-120-patch.svg Soyuz-TMA-20-Mission-Patch.png ISS Expedition 26 Patch.png ISS Expedition 27 Patch.png

Paolo Angelo Nespoli (Milão, 6 de abril de 1957) é um astronauta italiano.

Formado em engenharia aeroespacial e com mestrado em astronáutica e aeronáutica pela Universidade Politécnica de Nova Iorque, também é oficial do exército italiano. Devido a se preparo militar, ele é pára-quedista, mergulhador, instrutor de saltos e operador das forças especiais italianas.

Como parte do corpo de astronautas da Agência Espacial Européia (ESA), Nespoli foi ao espaço em outubro de 2007 como integrante da missão STS-120 do ônibus espacial Discovery, que instalou o módulo Harmony na Estação Espacial Internacional. Este módulo acoplado à ISS, tecnologia da ESA, foi construído em Turim, na Itália.

Em 15 de dezembro de 2010, ele voltou ao espaço, desta vez para uma missão de longa duração, integrando as expedições 26 e 27 da ISS. Nespoli foi lançado de Baikonur junto com o cosmanauta russo Dmitry Kondratyev e a astronauta norte-americana Catherine Coleman a bordo da nave Soyuz TMA-20, para se juntarem aos outros três integrantes que já se encontravam na estação, formando a nova equipe fixa de seis astronautas.

Durante os meses destas expedições, Nespoli levou a cabo um extenso programa de experiências, da monitorização de radioatividade à medidas que possam melhorar o recolhimento de petróleo em reservatórios, além de colaborar na exploração científica do laboratório europeu Columbus, acoplado à ISS.[1]

Após quase seis meses em órbita, ela retornou à Terra com a tripulação da TMA-20, Dmitri Kondratyev e Catherine Coleman, pousando perto de Dzhezkazgan, no Casaquistão, em 24 de maio de 2011[2] Seu retorno à gravidade, porém, depois de passar seis meses em órbita, lhe causou pequenos problemas no sistema vestibular após a descida, recuperando-se completamente pouco tempo depois.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]