Pico do Jaraguá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pico do Jaraguá
Pico do Jaraguá visto de um avião.
Pico do Jaraguá está localizado em: Brasil
Pico do Jaraguá
Coordenadas 23° 27' 33" S 46° 46' 2" O
Altitude 1.135 m (3.724 pés)
Localização São Paulo, SP
 Brasil
Cordilheira Serra da Cantareira
Primeira ascensão cerca de 1580 por Afonso Sardinha
Rota mais fácil Estrada turistica do Jaraguá

O Pico do Jaraguá é o ponto mais alto da cidade de São Paulo, elevando-se a uma altitude de 1.135 metros. Situa-se a oeste da serra da Cantareira. Nos seus arredores foi criado o Parque Estadual do Jaraguá, para conservação da área.

Pode-se ascender ao seu cume por uma via asfaltada (Estrada Turística do Jaraguá) e através da Trilha do Pai Zé (1450 metros de extensão). No topo, há duas grandes antenas, sendo uma de televisão (compartilhada por 3 emissoras: TV Globo São Paulo, TV Bandeirantes São Paulo e TV Cultura de São Paulo[1] ), além de pequenas instalações comerciais e locais destinados a estacionamento de veículos.

A TV Bandeirantes, canal 13 (VHF) instalou a sua antena (da marca inglesa Marconi) e novos amplificadores no Pico do Jaraguá no ano de 1970, o que permitiu aos paulistas uma melhor recepção do sinal para as transmissões dos jogos da Copa do Mundo de 1970, aumentando sua capacidade para 200 km. Também, lançou um disco promocional na mesma época para anunciar a novidade aos publicitários (Fonte: Disco "O 13 não é mais aquele", Odeon: São Paulo, 1970).

Ao se atingir o topo, tem-se uma visão principalmente da parte oeste da Grande São Paulo. Também pode ser avistado Rodoanel Mário Covas, na parte posterior. Junto à antena de televisão, existe uma grande escadaria que permite subir ainda mais, ladeada por um bondinho que se destina ao transporte de pessoas e materiais para manutenção da antena.

História[editar | editar código-fonte]

Pico do Jaraguá

As que se tem do local é que nele estava estabelecido o português Afonso Sardinha, bandeirante, caçador de índios, traficante, que descobriu vestígios de ouro no ribeirão Itaí, no pico, por volta de 1580[carece de fontes?]. No entanto, como os índios dominavam a região, travaram-se numerosas guerras contra os nativos da terra. A mineração, portanto, só teve início dez anos depois.[2] O ouro do Jaraguá foi explorado até o esgotamento, no século XIX. Os garimpeiros deixaram visíveis marcas de sulcos e escavações nas rochas do pico.

Em 1946, a Prefeitura de São Paulo transformou o pico do Jaraguá em ponto turístico da cidade. Em 1961, foi criado o Parque Estadual do Jaraguá, onde os visitantes podem conhecer as pias de lavagem manual do ouro ao lado das ruínas do grande casarão do próprio Afonso Sardinha. Esse parque foi tombado pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico) em 1983.

Em 1994, o Parque Estadual do Jaraguá foi tombado pelo Patrimônio da Humanidade pela Unesco, passando a integrar a Zona Núcleo do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, Reserva da Biosfera.

Ainda hoje existem na entrada do Parque do Pico do Jaraguá uma aldeia formada pelos descendentes de tribos indígenas que moram no local, porém estão em total estado de penúria.

Pico do Jaraguá visto do Parque Estadual do Juqueri com parte de Caieiras e de Perus.

Aldeia do Jaraguá-Itu[editar | editar código-fonte]

A Aldeia do Jaraguá-Itu teve início na década de 1960 com a chegada ao local da família de Joaquim Augusto Martins e sua esposa, dona Jandira Augusta Venício (atual cacique).

A aldeia subdivide-se em “parte de baixo” e “parte de cima”. A de baixo é a mais antiga e onde moram a Cacique Jandira e seus filhos, noras, genros e netos. É um local histórico, de onde já foi extraído ouro. A Estrada turística divide os lotes de terra. “a parte de cima”, denominada Tekoa Pyau, ainda não está regulamentada em nome dos indígenas, lá vivem 160 pessoas, sendo 53 crianças. Todos vivem em extrema pobreza pedindo esmolas nas feiras-livres dos bairros adjacentes e recebendo alimentos da FUNAI.

Em 1997 a aldeia recebeu a visita do sertanista Orlando Villas Bôas. Orlando levou alguns índios para um colégio da região, fez uma palestra, contou muitas histórias e respondeu perguntas de alunos.

A aldeia mantém a língua e os costumes guaranis e sobrevive do artesanato.

Trilhas[editar | editar código-fonte]

O parque conta com várias trilhas, como a Trilha do Pai Zé, que entre a vegetação atlântica leva ao topo, Trilha da Bica e Trilha do Silêncio (especialmente desenvolvida e instalada para passeio com grupos de terceira idade, e portadores de necessidades especiais).

Existe uma estrada asfaltada (Estrada Turística do Jaraguá) que leva ao pico com a extensão de 5.356 metros de comprimento, que inicia na rodovia Anhanguera e termina no topo.

Localização[editar | editar código-fonte]

O Pico do Jaraguá se encontra na Estrada Turística do Jaraguá, que se liga à Via Anhanguera no km 18.

Galeria de Fotos[editar | editar código-fonte]

Pico do Jaraguá ao entardecer (By Felipe Mostarda).JPG Pico do Jaraguá ¹²³.JPG Pico do Jaraguá - rodovia Anhanguera.JPG Torrepico.JPG JuqueriJaragua.JPG
Pico do Jaraguá ao entardecer O pico visto da Via Anhanguera, no distrito de São Domingos Pico do Jaraguá visto da Via Anhanguera Torres do pico, vistas da Rodovia dos Bandeirantes Pico do Jaraguá visto do Parque Estadual do Juqueri

Referências

  1. http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/historia-da-televisao/historia-da-tv-cultura.php TV Cultura - São Paulo
  2. Alguns autores mencionam apenas a data de 1597 para as descobertas de ouro na Serra da Mantiqueira - chamada na época Jaguamimbaba: "Em 1597, os paulistas, com os dois Afonso Sardinha a frente, extraíram algum ouro de lavagem nas minas de Jaraguá, Vuturana, Jaguaminguba, Ribeira de Iguape, Cananéia." - notadamente Pedro Taques na Nobiliarquia Paulistana (Rev. Inst. Hist. e Geog. de São Paulo, T. XXXIII (1870), pg. 207), citado por Edith Porchat em Informações Históricas sobre São Paulo no Século de sua Fundação, disponível em http://books.google.com.br/books?id=4FAezV2IKwUC&pg=PA129&lpg=PA129&dq=vuturana&source=bl&ots=DhbfyKUS2f&sig=mOaiFrOCq-4qV-K3UUW6RyHEh4w&hl=pt-BR&ei=SdymTpfGHMnOgAeej50q&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=4&ved=0CCwQ6AEwAw#v=onepage&q=vuturana&f=false, acessado em 25 de outubro de 2011, em consonância com Alcântara Machado, na sua sua Vida e Morte do Bandeirante, Imprensa Oficial, 2006, página 40.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pico do Jaraguá