Podocarpus lambertii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaPodocarpus lambertii
Pinheirinho no Real Jardim Botânico de Sydney, na Austrália

Pinheirinho no Real Jardim Botânico de Sydney, na Austrália
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Pinophyta
Classe: Pinopsida
Ordem: Pinales
Família: Podocarpaceae
Género: Podocarpus
Espécie: P. lambertii
Nome binomial
Podocarpus lambertii
Klotzsch
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Podocarpus lambertii
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Podocarpus lambertii

Conhecida pelos nomes populares de pinheiro-bravo, pinheirinho[1] , pinho-bravo, pinheirinho-bravo e atambuaçu, Podocarpus lambertii (Klotzsh ex Eichler) é uma árvore de pequeno porte (8-14 metros), dioica, folhas de 2-4 centímetros de comprimento (em plantas novas, as folhas costumam ser mais longas). As sementes têm 3-5 milímetros de diâmetro e possuem um pequeno pendúnculo carnoso roxo, mais ou menos do tamanho da semente, posicionado ao seu pé (de onde vem o nome científico do gênero, do grego poûs, podos, "pé" e karpós, "fruto").

É nativa do Brasil (de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul) e da província de Misiones, na Argentina, sempre em áreas de altitude, sobretudo nas matas dominadas pelo pinheiro-do-paraná. Ocorre principalmente em formações secundárias, sendo mais rara nas matas mais fechadas. Ela é referida também para regiões de altitude do norte de Minas Gerais e da Bahia, mas aparentemente essas ocorrências pertencem a outra espécie, Podocarpus transiens. Uma outra espécie de Podocarpus nativa do Brasil é Podocarpus sellowii, nativa das regiões de altitude da Mata Atlântica.

Sua madeira foi extremamente usada em taboados, compensados, forros, móveis rústicos, fósforos e brinquedos. Leve e bege-clara com tons acinzentados, não resiste à umidade[2] .

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. pp.1 331,1 332
  2. CARDOSO, 2004, p43.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CARDOSO, Francisco. Árvores de Curitiba. Curitiba: Ed. do Autor, 2004. 96p