Ponte de Trajano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ponte de Trajano, Chaves.
Ponte de Trajano: 2ª coluna.

A Ponte Romana de Chaves, também referida como ponte de Trajano, localiza-se sobre o rio Tâmega, na cidade de Chaves, distrito de Vila Real, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Ponte de Chaves.jpg
Chaves Rio Tâmega e Madalena Jardim Público.jpg

Constitui-se em uma ponte romana, erguida entre fins do século I e o início do século II d.C.. A par do desenvolvimento das termas, constitui um dos melhores legados romanos da antiga Aquae Flaviae, que prevalece até aos nossos dias, resistindo a históricas cheias, e às fortes correntes do rio.

Com aproximadamente uma centena e meia de metros de comprimento e uma dúzia de arcos visíveis, as obras efectuadas na década de 1930 cobriram alguns dos arcos e outros ainda soterrados na construção dos casarios ali implantados e sobranceiros ao rio.[carece de fontes?]

Encontra-se classificada como Monumento Nacional desde 1910.

As duas colunas[editar | editar código-fonte]

Ainda na atualidade se podem ler as inscrições latinas nas duas colunas, a montante e a jusante da ponte romana. A primeira reza:

"IMPERANDO CESAR NERVA TRAJANO AUGUSTO GERMÂNICO DÁCICO, PONTÍFICE MÁXIMO, COM PODER TRIBUNÍCIO, CÔNSUL A 5ª VEZ, PAI DA PÁTRIA, OS AQUIFLAVIENSES TRATARAM DE FAZER À SUA CUSTA ESTA PONTE DE PEDRA"

E a segunda:

"IMPERANDO CESAR VESPASIANO AUGUSTO, PONTÍFICE MÁXIMO, COM PODER TRIBUNÍCIO A DÉCIMA VEZ, IMPERADOR A VIGÉSIMO, PAI DA PÁTRIA, CÔNSUL A NONA VEZ, IMPERANDO TAMBÉM TITO VESPASIANO CESAR, FILHO DO AUGUSTO, PONTÍFICE, COM PODER TRIBUNÍCIO A OITAVA VEZ, IMPERADOR A DECIMA QUARTA, CÔNSUL A SÉTIMO (...) SENDO LEGADO DO AUGUSTO O PROPRETOR CAIO CALPETANO RÂNCIO QUERINAL VALÉRIO FESTO E SENDO LEGADO DO AUGUSTO NA LEGIÃO SÉTIMO, DÉCIO CORNÉLIO MECIANO E PROCURADOR DO MESMO AUGUSTO, LÚCIO ARRÚNCIO MAXIMO, A LEGIÃO SÉTIMO GEMINA FELIZ E DEZ CIDADES, A SABER: OS AQUIFLAVIENSES, OS AROBRIGENSES, OS BÍBALOS, OS COELERNES, OS EQUESOS, OS INTERÂMICOS, OS LÍMICOS, OS NEBISOCOS, OS QUARQUERNOS E OS TAMAGANOS (...)"

Atualmente, acreditam-se ambos os padrões serem reproduções.[1]

Padrão dos Povos[editar | editar código-fonte]

Uma terceira coluna foi descoberta a 27 de agosto de 1980 no leito do rio, a montante e junto à ponte romana. Atualmente em exposição no Museu da Região Flaviense, foi denominada como "Padrão dos Povos", e exalta as dez cidades ou povos do "convento bracarense":

Aquiflavienses, Arobrigenses, Bíbalos, Coelernos, Equesos, Interâmicos, Límicos, Ebisocos, Quaquernos e Tamaganos [erigiram este monumento] ao Imperador César Vespasiano Augusto, Pontífice máximo, com o poder tribunício pela décima vez, aclamado imperador pela vigésima vez, pai da Pátria e Cônsul pela nona vez, ao Imperador (Tito) Vespasiano César, filho de Augusto, Pontífice, com o poder tribunício pela oitava vez, aclamado imperador pela décima vez [e ao César Domiciano, filho de Augusto, Cônsul pela sexta vez], a Caio Calpetano Râncio Quirinal Valério Festo, legado propretor de Augusto, a Décimo Cornélio Meciano, legado de Augusto, a Lúcio Arrúncio Máximo, procurador de Augusto e à Legio VII Gemina Felix.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ponte de Trajano