Réquila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Réquila (?-448) foi o segundo rei suevo da Galécia. Foi associado ao governo pelo seu pai Hermerico em 438 e sucedeu-lhe em 441. Mostrou-se muito agressivo contra os galaicos autóctones e contra a Igreja Católica. Enfrentou os bispos e favoreceu os clérigos priscilianistas, apesar de ele próprio professar o arianismo. Firmou um novo tratado de federação (Foedus) com Roma e estabeleceu alianças com os insurrectos das bagaudas, no norte da Península Ibérica, que lutavam contra as autoridades imperiais e os grandes proprietários[1] . Comandou várias campanhas nas quais invadiu a Lusitânia e a Bética, e em 439 conquistou Emerita Augusta. Tomou Hispalis em 441. Durante o seu curto reinado os Suevos chegaram a dominar quase toda a actual Andaluzia. Também fez incursões na Tarraconense. Faleceu em 448 e sucedeu-lhe o seu filho Requiário.

Referências e notas

  1. Mattoso, José. "A época Sueva e Visigótica". História de Portugal I. Editorial Estampa. Página 307. ISBN 9723309203

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Hermerico
Rei da Galécia
441448
Sucedido por
Requiário
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.