Reynaldo Jardim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Reynaldo Jardim
Reynaldo Jardim em casa
Nome completo Reynaldo Jardim Ferreira
Nascimento 13 de dezembro de 1926
São Paulo
Morte 2 de fevereiro de 2011 (84 anos)
Brasília
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Poeta e jornalista
Prêmios Prémio Jabuti (2010)
Magnum opus Sangradas Escrituras

Reynaldo Jardim (São Paulo, 13 de dezembro de 1926Brasília, 1º de fevereiro de 2011)[1] foi um jornalista e poeta brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um militar negro, Joaquim da Silva Silveira, e uma descendente espanhola, Edina Jardim Silveira, Reynaldo nasceu em uma família de quatro filhos.

Seus pais se esforçaram muito para fazer os filhos estudarem no Liceu, escola tradicional, e só pôde estudar jornalismo porque conseguiu uma bolsa em uma das primeiras turmas de comunicação da PUC de São Paulo.

Formando, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se casou com Edelvaz, com quem teve dois filhos, Joaquim e Teresa. Foi redator das revistas O Cruzeiro e Manchete. No Rio, exerceu cargos de chefia na Rádio Clube do Brasil, na Rádio Mauá, na Rádio Globo e na Rádio Nacional; em São Paulo, na Rádio Excelsior.

Participou, nos anos 50, da reforma do Jornal do Brasil[carece de fontes?], criando o Caderno de Domingo, o Caderno B e o Suplemento Dominical — por onde passariam Oliveira Bastos e Mário Faustino, seu amigo.

Em 1962 assumiu a diretoria da revista Senhor[2] , sucedendo a Odylo Costa Filho[3] .

Em 1964, obrigado a deixar o Jornal do Brasil, devido ao golpe militar, Reynaldo Jardim assumiu a diretoria do telejornalismo da recém-inaugurada TV Globo[carece de fontes?], . Em 1967, criou o jornal-escola O Sol. Em 1968, manteve um quadro diário no Jornal de Vanguarda, exibido pela TV Rio, no qual comentava em versos, ao vivo, um acontecimento do dia.

Realizou reformas gráfico-editoriais em jornais como A Crítica (Manaus), O Liberal (Belém), Gazeta do Povo (Curitiba), Jornal de Brasília e Diário da Manhã (Goiânia).

Viúvo do primeiro casamento, casou-se com a jornalista Elaina Maria Daher, com quem teve três filhos (Rafael, Gabriel e Micael) e se mudou para Brasília em 1988. Lá, foi editor do caderno Aparte, do Correio Braziliense, diretor da Fundação Cultural de Brasília, assessor do Ministério da Justiça, assessor cultural do governo do Distrito Federal.

Reynaldo Jardim manteve coluna diária de poesia de 2004 a 2006 no Caderno B do Jornal do Brasil. Morreu aos 84 anos, de complicações causadas por aneurisma na artéria aorta abdominal. Estava internado no Hospital do Coração de Brasília[1] . Deixando uma esposa, 4 filhos, 10 netos e 1 bisneto.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Poesia
  • Paixão segundo Barrabás,
  • Maria Bethânia Guerreira Guerrilha,
  • Joana em flor,
  • Viva o Dia,
  • Cantares Prazeres,
  • Lagartixa escorregante na parede de domingo,
  • Sangradas Escrituras,
Filmes
  • O Sol, caminhando contra o Vento, de Tetê Moraes e Marta Alencar [4]
  • Profana Via Sacra, de Alisson Sbrana [5]
Áudio
  • Golfinho/gaivota, de Lourdes Ábido
  • Reynaldo Jardim, coleção Palavra de Poeta[6]

Prêmios e Homenagens[editar | editar código-fonte]

Foi homenageado Cidadão honorário de Brasília no Teatro Nacional. Na véspera do seu aniversário de 80 anos de idade.

Ganhou um prêmio Jabuti na categoria poesia em 2010, graças ao livro Sangradas Escrituras. A obra, de 1.200 páginas, resume 64 anos de carreira[1] .

Em 2011, Foi reelançado o seu livro Maria Bethânia Guerreira Guerrilha. Ocasião na qual houve homenagem e declamação de poemas do artista pela cantora.

Em 13 de dezembro de 2011, data de seu nascimento, houve homenagem ao poeta na Biblioteca Demonstrativa de Brasília, órgão do qual foi diretor.

Referências

  1. a b c Ana Rita Gondim e Fernanda Lobo (2/2/2011). Morre o jornalista Reynaldo Jardim Correio Braziliense. Página visitada em 6/8/2011.
  2. (março 1962) "Expediente". Senhor 4 (3): 5.
  3. (fevereiro 1962) "Expediente". Senhor 4 (2): 5.
  4. Tetê Moraes, Marta Alencar (00/00/2011). O Sol, caminhando contra o Vento, filme Título não preenchido, favor adicionar O SOL. Página visitada em 11/12/2011.
  5. Alisson Sbrana (00/00/2011). Profana Via Sacra, filme Título não preenchido, favor adicionar Profana Via Sacra. Página visitada em 11/12/2011.
  6. Antônio Miranda (00/00/2011). Portal Antônio Miranda, filme Título não preenchido, favor adicionar Vida de Reynaldo Jardim. Página visitada em 11/12/2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]