Sérgio Von Helder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde abril de 2013)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Sergio Von Helder, foi um bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, e ganhou notoriedade na mídia, após desferir chutes em uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, no dia 12 de outubro de 1995.

História[editar | editar código-fonte]

Foi um dos primeiros bispos da Igreja Universal, e no Brasil dirigiu os trabalhos em São Paulo, Rio de Janeiro, Maranhão, Bahia e Minas Gerais. Com um estilo e oratória fervorosa, era admirado entre os membros da Igreja Universal, e costumava atrair multidões em seus cultos.

Chute na santa[editar | editar código-fonte]

No dia 12 de outubro de 1995, ao vivo, na madrugada da Rede Record, Helder - ao lado de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida comprada por R$ 500,00 - argumentou que era um erro do povo brasileiro depositar suas esperanças em santos, ídolos ou imagens, e fundamentou-se na Bíblia, alegando que tais ídolos não têm poder algum.

Para demonstrar sua tese, o bispo aplicou repetidos chutes na imagem, indicando que aquilo seria nada mais do que um objeto mesmo.

Na manhã seguinte, e durante todo o dia, o fato ganhou notoriedade nos noticiários do país, chegando a ser exibido no Jornal Nacional daquele dia por várias vezes.

A comoção do incidente encontrou apoio do poder público. Queixas na polícia e na justiça contra o bispo Sérgio e contra a Igreja Universal foram movidas em vários foros, tanto por pessoas comuns quanto pelos próprios delegados e promotores de justiça, sob alegação de crimes como vilipêndio e desrespeito ao direito constitucional de liberdade de culto. Durante vários dias, as cenas dos chutes e os desdobramentos judiciais do caso ficaram nos noticiários.

A Igreja Universal do Reino de Deus nunca se posicionou oficialmente sobre o assunto. Atribuíram as críticas que recebeu devido à forma como a mídia brasileira tratou o caso, segundo ela de forma sensacionalista.