Sarcolema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sarcolema ou Miolema é o nome que se dá à membrana plasmática das células do tecido muscular estriado. O sarcolema envolve o sarcoplasma, que é o citoplasma da célula muscular, e tem capacidade de estender-se. É um revestimento constituído por uma fina camada de material de polissacarídeo que contém numerosas fibras de colágeno finas. [1]

Em cada extremidade da fibra muscular, esta camada de superfície dos fusíveis sarcolema com uma fibra de tendão, e as fibras do tendão, por sua vez recolhem em feixes para formar os tendões musculares que, em seguida, inserir em ossos. A membrana é configurada para receber e conduzir estímulos.

Distúrbios associados[editar | editar código-fonte]

Alterações na estabilidade da membrana sarcolema e sistema de reparação pode levar a distrofia muscular. O mecanismo de um tipo de distrofia muscular, por exemplo, é a ausência de distrofina funcional (quando o sarcolema não está ligado ao citoesqueleto). Assim, durante a contração do músculo, o sarcolema não está sincronizado com o interior da célula. O sarcolema frouxo permite que os canais de cálcio de membrana abram aumentando os íons de cálcio no interior da célula e provocando a ativação da calpaína, enzima proteolítica que digere proteínas, incluindo as proteínas contráteis do próprio músculo, tornando-o mais fraco e vulnerável.

Organelas relacionadas[editar | editar código-fonte]

O sarcolema invagina para o citoplasma da célula muscular, formando túbulos membranosas chamados túbulos transversais (túbulos T). Terminal de cisternas é o alargamento do retículo endoplasmático liso das células musculares em ambos os lados dos túbulos transversais. A tríade de túbulos transversais cercados por dois retículos endoplasmáticos lisos transmitem a permeabilidade da membrana alterada para baixo dos túbulos. Os núcleos ficam apenas ao lado do sarcolema, na periferia da fibra.

Referências