Tanja Nijmeijer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Tanja Nijmeijer (Denekamp, 13 de Fevereiro de 1978[1] ) é uma guerrilheira e cidadã holandesa, membro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). É a única europeia alistada na guerrilha desde sua fundação, em 1964.[2]

Formada em Línguas pela Universidade de Groningen, foi à Colômbia pela primeira vez em 2000[3] para ensinar inglês, como requisito para graduação. Por meio de um amigo, que também era professor com ela em uma pequena escola em Pereira, Tanja ouviu sobre a guerra civil e as desigualdades sociais enfrentadas no país[4] . De volta à Holanda, tornou-se ativista política.[4] Desiludida, retornou à Colômbia[3] , uma vez que, segunda ela, "a revolução não estava acontecendo na Holanda, mas na Colômbia".[4] Contatou seu amigo novamente e em 2002 alistou-se nas FARC.[2] [4] [1]

Tanja Ficou conhecida após a publicação, em 2007, de trechos de seu diário como guerrilheira, encontrado em um acampamento invadido pelo exército colombiano. No diário, expõe sua decepção com o tratamento desigual entre os próprios guerrilheiros e a corrupção interna das FARC.[3]

Em vídeo gravado em agosto de 2010, Tanja fez a seguinte declaração:

Se o exército e o governo da Colômbia ainda pensam ou dizem que eu fui sequestrada, deixem que venham aqui me resgatar. Eles serão recebidos com AK-47, bazucas, minas, morteiros, tudo.[5]

Tanja era assistente pessoal de Mono Jojoy, um importante comandante das FARC[6] , morto em 22 de setembro de 2010, em operação do exército colombiano.[7]

Sua irmã, Marloes Nijmeijer, foi até a Colômbia para procurá-la e tentar convencê-la a desertar das FARC.[8]

Em dezembro de 2010, Tanja e outros dezessete guerrilheiros foram acusados de sequestro pela justiça americana.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]