Tempestade tropical Laura (2008)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tempestade tropical Laura
Tempestade tropical  (EFSS)
Laura 30 sept 2008 1655Z.jpg
A tempestade tropical Laura perto de seu pico de intensidade em 30 de setembro de 2008
Formação: 29 de setembro de 2008
Dissipação: 1 de outubro de 2008
Vento mais forte (1 min): 50 nós (93 km/h, 58 mph)
Pressão mais baixa: 994 hPa (mbar) ou 746 mmHg
Danos: Valores não definidos
Fatalidades: Nenhuma
Áreas afetadas: Irlanda, Grã-Bretanha, Noruega e Holanda (como um sistema extratropical
Parte da
Temporada de furacões no Atlântico de 2008

A tempestade tropical Laura foi o décimo segundo ciclone tropical dotado de nome da temporada de furacões no Atlântico de 2008. Laura formou-se a partir de uma grande área de baixa pressão extratropical que estava localizada a mais de 1.500 km a oeste dos Açores em 29 de setembro. O sistema começou a mostrar características tropicais durante aqueçe dia assim que seguia para oeste sobre águas mais quentes. Na tarde de 30 de setembro, Laura já tinha adquirido características tropicais suficientes para ser declarado como uma tempestade tropical. Logo após ter se tornado um ciclone tropical, Laura começou a seguir para norte e começou a sofrer transição extratropical, que ficou completada em 1 de outubro, momento no qual o Centro Nacional de Furacões desclassificou o sistema para um ciclone pós-tropical e emitiu seu aviso final.

História meteorológica[editar | editar código-fonte]

O caminho de Laura

No final do mês de setembro de 2008, uma grande área de baixa pressão não-tropical localizada a cerca de 1.500 km a oeste dos Açores começou a mostrar características tropicais. O sistema estava dotado de ventos máximos sustentados equivalentes a de um furacão de categoria 1 na escala de furacões de Saffir-Simpson, mas não demonstrava as características típicas de um ciclone extratropical. Nos dias seguintes, o sistema se enfraqueceu gradualmente,[1] mas as suas características tropicais começaram a ficar mais proeminentes assim que seguia sobre águas ligeiramente mais quentes. Em 29 de setembro, o sistema desenvolveu áreas de convecção suficientes para ser declarado como a tempestade subtropical Laura.[2] Logo após, as áreas de convecção associadas ao sistema começaram a se desenvolver e ficar mais profundas, e começaram a circular de modo mais próximo ao centro ciclônico de baixos níveis de Laura. O desenvolvimento das áreas de convecção associadas foi confirmada por imagens de satélite. Com isso, foi prevista a ligeira intensificação do sistema.[3] No entanto, imagens de satélite posteriores revelaram que a tempestade não estava se intensificando, continuando a apresentar ventos máximos sustentados de 95 km/h. A estrutura interna de Laura ainda continuava subtropical, mas havia indicações que o sistema estava adquirindo mais características tropicais.[4]

Durante aquela tarde, outras imagens de satélite revelaram que o centro ciclônico de Laura estava mais quente que a sua periferia, mas o seu raio de ventos máximos continuava com características subtropicais.[5] Durante a noite de 29 de setembro, o raio de ventos máximos de Laura se contraiu para 130 km, muito menor do que o raio de ventos máximos de um típico ciclone subtropical. No entanto, Laura ainda estava sob a influência de uma área de baixa pressão de altos níveis, o que deixas as áreas de convecção relativamente dispersas ao longo da circulação ciclônica.[6] Mesmo com o aprofundamento adicional das áreas de convecção associadas à tempestade, a forte interação de Laura com a área de baixa pressão de altos níveis ainda mantinha a tempestade como um sistema subtropical.[7] A partir de então, Laura começou a seguir sobre águas mais frias. Mesmo assim, o sistema se separou da área de baixa pressão de altos níveis, permitindo que as áreas de convecção e os ventos mais fortes associados ficassem mais perto do centro ciclônico. Com isso, Laura se tornou uma tempestade tropical, mesmo estando numa latitude relativamente alta, a 41,8°N.[8] No entanto, logo depois de Laura ter se tornado um ciclone tropical, o sistema começou a ser abatido por ar mais frio. Com isso, modelos de previsão mostravam que Laura começaria a se transformar num ciclone extratropical durante a manhã de 1 de outubro, completando o processo horas mais tarde.[9]

Laura em 29 de setembro

As previsões estavam se confirmando. Laura começou a perder as suas áreas de convecção associadas durante a madrugada (UTC) de 1 de outubro.[10] Mais tarde naquele dia, o sistema começou a desenvolver uma estrutura frontal, indicando o início da transição tropical.[11] Horas depois, Laura perdeu quase todas as suas áreas de convecção associadas. Com isso, o Centro Nacional de Furacões desclassificou o sistema para uma área de baixa pressão remanescente, antes mesmo do sistema completar a transição extratropical, designando-o como um sistema "pós-tropical". O termo "pós-tropical" normalmente é usado pelo Centro Canadense de Furacões (CHC) para se referir ao sistema que deixou de ser tropical, mas ainda não é totalmente um sistema extratropical.[12] O sistema extratropical remanescente de Laura seguiu para leste, cruzando o Oceano Atlântico norte e afetando as ilhas Britânicas, a península Escandinava e a Europa continental dias depois.

Preparativos e impactos[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tempestade tropical Laura (2008)

Referências

  1. NHC (2008). 12L 2008 Trackfile (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-29.
  2. Stewart (2008). Subtropical Storm Laura Public Advisory One (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-29.
  3. Stewart (2008). Subtropical Storm Laura Discussion One (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-29.
  4. Berg/Pasch (2008). Subtropical Storm Laura Discussion Two (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-29.
  5. Berg/Franklin (2008). Subtropical Storm Laura Discussion Three (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-30.
  6. Franklin (2008). Subtropical Storm Laura Discussion Four (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-30.
  7. Beven (2008). Subtropical Storm Laura Discussion Five (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-30.
  8. Berg/Pasch (2008). Tropical Storm Laura Discussion Six (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-09-30.
  9. Berg/Pasch (2008). Tropical Storm Laura Discussion Seven (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-10-01.
  10. Avila (2008). Tropical Storm Laura Discussion Eight (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-10-01.
  11. Beven (2008). Tropical Storm Laura Discussion Nine (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-10-01.
  12. Franklin (2008). Post-Tropical Cyclone Laura Discussion Ten (em Inglês). National Hurricane Center. Página visitada em 2008-10-01.

Ciclones tropicais da Temporada de furacões no Atlântico de 2008
L
Escala de Furacões de Saffir-Simpson
DT TS TT 1 2 3 4 5