Teoria analítica dos números

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Teoria analítica dos números é o ramo da teoria dos números que usa métodos para análises matemáticas. Seu primeiro maior resultado terá sido na aplicação de Dirichlet na análise para comprovar o teorema de Dirichlet sobre a progressão aritmética, confirmando a existência de infinitos números primos nas progressões aritméticas no formato a+nb, onde a e b são primos relativos. As provas do teorema dos números primos são baseadas na função zeta de Riemann e outros marcos importantes na história da matemática.

O esboço da tese permanece similar ao apogeu das teses na década de 1930. A teoria multiplicativa dos números partilha com a distribuição dos números primos, aplicando as séries de Dirichlet como funções generalizadoras. Isso assume a forma dos métodos que irá eventualmente para a geral função L, ainda que a teoria remanesce amplamente conjetural. A teoria aditiva dos números teve um típico problema com as conjeturas de Goldbach e os problemas de Waring.

Houve pequenas mudanças nos métodos. O método cíclico de Godfrey Harold Hardy e Jonh Edenson Littlewood foi concebido como uma aplicação às séries de potências próximas da unidade cíclica no plano complexo; está agora sendo pensada em termos de soma exponencial finita (na unidade cíclica isto é; mas na unidade cíclica é incompleto). As necessidades da aproximação diofantina são para as funções auxiliares é tudo aquilo que não são as funções generalizantes - seus coeficientes são construídos pelo uso do princípio da casa dos pombos, e envolvem diversas e complexas variáveis. Os campos da aproximação diofantina e a teoria da transcendência têm-se expandido ao ponto em que as técnicas estão sendo aplicadas às conjeturas de Mordell.

A grande mudança técnica após a década de 1950 tem permitido desenvolver os métodos de crivo como uma ferramenta auxiliar particular para os problemas multiplicativos. É muito citada a teoria das probabilidades numéricas - as formas igualitárias da afirmação dos números primos, como exemplo: aqueles que não receberam uma forma definida. O extremo ramo da teoria combinatória tem em retorno recebendo muitos dos valores definidos na teoria analítica dos números, que têm frequentemente recebido muitos avanços.

Ícone de esboço Este artigo sobre matemática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.