Tiago Alberione

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Beato Tiago Alberione
Fundador da Família Paulina
Nascimento 4 de Abril de 1884 em San Lorenzo di Fossano
Morte 26 de Novembro de 1971 em Roma
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 27 de Abril de 2003, Roma por Papa João Paulo II
Festa litúrgica 26 de Novembro
Gloriole.svg Portal dos Santos
Padre Tiago Alberione

O Padre Tiago Alberione, em italiano Giacomo Alberione (San Lorenzo di Fossano, Itália, 4 de Abril de 1884 - Roma, 26 de Novembro de 1971), foi um padre italiano, católico, editor e fundador da Família Paulista (em pt-br Família Paulina), que agrupa várias congregações religiosas. Foi beatificado em Roma, no dia 27 de Abril de 2003, pelo papa João Paulo II.

A vida, a obra e o reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Tiago Alberione nasceu em San Lorenzo di Fossano, Itália, no dia 4 de Abril de 1884, no seio de uma família de camponeses do Piemonte, na qual foi o quarto filho em seis. Logo na escola primária, à pergunta que queria ser quando fosse grande, o miúdo respondia: “Quero ser padre”.

A família parte entretanto para Cherasco. Entra no seminário diocesano de Bra Itália, terminando os estudos eclesiásticos no de Alba, onde se encontra com o cónego Francesco Chiesa, que será seu amigo e conselheiro por 46 anos.

No fim do ano de 1900, o jovem Tiago teve a sua primeira experiência mística. Enquanto rezava durante várias horas diante do Santíssimo Sacramento, sentiu-se profundamente comprometido a fazer alguma coisa para o Senhor e para as pessoas do novo século, decidindo servir a Igreja com os novos meios de comunicação social que lhe eram oferecidos (imprensa e rádio, mais tarde cinema e televisão). Estudou Teologia e Filosofia e a 29 de Junho de 1907 foi ordenado sacerdote. Foi nomeado pároco adjunto em Narzole, onde amadurece a sua reflexão sobre o que pode fazer a mulher comprometida com o apostolado.

No seminário foi director espiritual dos novos seminaristas e professor, assegurando também a pregação e a catequese nas paróquias da sua diocese, estudando ao mesmo tempo os problemas da sociedade civil do seu tempo, a braços com profundas mudanças (a afirmação do jovem estado italiano, a 1ª Guerra Mundial, a emigração italiana sobretudo para América do Sul, entre outros) e as novas necessidades que se avizinhavam.

A família Paulina[editar | editar código-fonte]

Tiago Alberione imaginou um novo meio de pregar o evangelho, dentro do espírito de São Paulo, mas com a ajuda dos modernos meios de comunicação. Nesse sentido, partindo da ideia de que as obras de Deus fazem-se com os homens de Deus, fundou, em 20 de Agosto de 1914, na cidade italiana de Alba, a Pia Sociedade São Paulo.

A Família Paulina está hoje presente em mais de 30 países. Numerosos são os sectores da sua actividade: edição de livros, revistas e jornais, rádio, cinema e televisão, o audiovisual, a multimédia e a telemática, centros de estudos, de investigação, de formação e de animação.

Com a ajuda da jovem Teresa Merlo, fundou a Congregação das Filhas de São Paulo em 1915. As congregações cresceram com o aparecimento de vocações masculinas e femininas. Em 1918, foram mandadas “filhas de São Paulo” para Susa, iniciando-se então uma segunda casa.

Em 1924 foi criada a Congregação das Irmãs Discípulas do Divino Mestre, para o apostolado eucarístico, sacerdotal e litúrgico, dirigida pela irmã Madre superiora Escolástica Rivata, que veio a falecer com noventa anos.

Em Outubro de 1938, o Padre Tiago Alberione fundou uma terceira congregação feminina: as Irmãs de Jesus Bom Pastor, chamadas ‘Pastorinhas’, destinada ao apostolado pastoral.

A Família Paulina continuará entre 1957 e 1960 com a fundação de uma quarta congregação feminina, o Instituto Rainha dos Apóstolos para as Vocações, ditas Irmãs Apostolinas e criação dos Institutos de vida secular consagrada: São Gabriel Arcanjo, Nossa Senhora da Anunciação, Jesus Sacerdote e Sagrada Família. Por fim, foi criada ainda a União dos Cooperadores e Cooperadoras Paulinos, que formam, todas em conjunto, as 10 instituições da Família Paulina.

A partir de 1931, a Família Paulista fixou-se, para além da Itália, no Brasil, Argentina e Estados Unidos e em mais 30 outros países, entre eles Portugal. Actualmente são 10.000 as pessoas que reclamam a espiritualidade do Padre Tiago Alberione.

As publicações[editar | editar código-fonte]

Compreendendo muito cedo a importância dos media na missão evangélica, Tiago Alberione publicou em 1912 a revista Vita Pastorale (Vida Pastoral), destinada aos sacerdotes, depois lançou em 1921 o jornal La Domenica (O Domingo), um periódico para uso das paróquias.

Em 1931, nasceu a revista semanal Famiglia Cristiana (Família Cristã) e a 15 de Agosto de 1932, a revista La Madre di Dios (A Mãe de Deus), para revelar às almas a beleza e a grandeza de Maria. Seguiu-se em 1937 Pastor Bonus, uma revista mensal publicada em latim. Depois em 1952 a revista mensal Via, Verità e Vita (Caminho, Verdade e Vida), para o conhecimento e ensinamento da doutrina cristã; depois a revista La Vita in Cristo e nella Chiesa (A vida em Cristo e na Igreja), para dar a conhecer a liturgia. Enfim, já havia criado em 1924 a revista para os jovens, Il Giornalino (O Jornalzinho).

Paralelamente, escreveu para os seus discípulos e discípulas ‘Abundantes divitiae gratiae suae’ (A Incomparável Riqueza da Sua Graça), que será considerado como a história da Família Paulista. Publicou ainda numerosas obras, por exemplo: ‘Via humanitatis’ em 1947, assim como uma obra inacabada, o projecto de uma enciclopédia sobre Jesus Mestre, em 1959.

Outros escritos: Appunti di teologia pastorale (1912) e La donna associata allo zelo sacerdotale (1911-1915) (Apontamentos de Teologia Pastoral e A Mulher Associada ao Trabalho Sacerdotal).

Os últimos anos[editar | editar código-fonte]

Entre 1962 e 1965 Tiago Alberione acompanhou os trabalhos e participou no Concílio Vaticano II. No dia 4 de Dezembro de 1963, quando foi promulgado o decreto conciliar Inter mirifica sobre os meios de comunicação social como instrumentos de evangelização, o Padre Alberione comentou com alegria: “Agora já não podeis duvidar. A Igreja falou.” Em 28 de Junho de 1969, o Padre Alberione foi recebido pelo papa Paulo VI que lhe manifestou uma grande admiração.

Depois de ter chorado o desaparecimento dos seus dois primeiros colaboradores, Timoteo Giaccardo falecido em 1948 (beatificado a 22 de Outubro de 1989 por João Paulo II) e Teresa Merlo, primeira Superiora geral das Filhas de São Paulo, falecida em 1964, o Padre Tiago Alberione faleceu na idade de 87 anos, no dia 26 de Novembro de 1971, em Roma.

Beatificação e veneração[editar | editar código-fonte]

  • A 4 de Maio de 1981 foi aberto o processo com vista à beatificação de Tiago Alberione.
  • Foi declarado ‘Venerável’ a 25 de Junho de 1996 pelo papa João Paulo II.
  • Foi beatificado em Roma no dia 27 de Abril de 2003 pelo papa João Paulo II.
  • Foi fixada a sua festa no dia 26 de Novembro.

Notas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]