Três Paxás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os Três Paxás, também conhecido como o "triunvirato ditatorial" do Império Otomano incluía o ministro do interior otomano, Mehmed Talat (1874-1921), o ministro da guerra, İsmail Enver, (1881-1922) e o Ministro da Marinha, Ahmed Djemal, (1872-1922). Como os organizadores dos Jovens Turcos, foram as figuras políticas dominantes no império durante a Primeira Guerra Mundial.

Legado[editar | editar código-fonte]

Estudiosos ocidentais afirmam que, depois do Golpe de 1913, esses três homens se tornaram os governantes de facto do Império Otomano até sua dissolução após a I Guerra Mundial. Eles eram membros do Comitê de União e Progresso, um partido com metas de criação de um estado "pan-turco" o que significava, nas palavras de Enver Paşa o "deslocamento dos dhimmi" da população não-muçulmana da Turquia otomana. Isto resultou no Genocídio Armênio, matando 1,5 milhões de cidadãos otomano-armênios e no Genocídio Assírio.

O Três Paxás foram os principais protagonistas da Aliança germano-otomana e da entrada do Império Otomano na Primeira Guerra Mundial ao lado das Potências Centrais. Um dos três, Ahmed Djemal, se opôs a uma aliança com a Alemanha, e a diplomacia francesa e russa tentaram manter o Império Otomano fora da guerra, mas a Alemanha estava movendo-se para um compromisso. Finalmente, em 29 de outubro, um ponto de não retorno foi alcançado quando o almirante Wilhelm Souchon tomou o SMS Goeben , SMS Breslau e um esquadrão de navios de guerra turcos no Mar Negro e invadiu os portos russos de Odessa, Sevastopol e Theodosia. Alegou-se que Ahmed Djemal concordou no início de outubro de 1914 a autorizar o almirante Souchon para lançar um ataque preventivo.

Ismail Enver só teve apenas uma vez que tomou o controle de qualquer atividade militar (Batalha de Sarikamis), e deixou o Terceiro Exército em ruínas. A Primeira Ofensiva de Suez e a Revolta Árabe são falhas mais significativas de Ahmed Djemal.

Destino do triunvirato[editar | editar código-fonte]

Em 2 de novembro, após o Armistício de Mudros, Enver, Talat e Djemal, fugiram de Istambul. Todos os três foram, posteriormente, julgados in absentia na Corte Marcial da Turquia de 1919-1920 e foram sentenciados à morte. Talat e Cemal foram assassinados pela Operação Nêmesis e Enver foi morto por um soldado do Exército Vermelho na Ásia Central durante a Guerra Civil Russa, que também foi reivindicado pela Operação Nêmesis.

Referências

  • Allen, W.E.D. and R. Muratoff. Caucasian Battlefields: A History Of The Wars On The Turco-Caucasian Border, 1828-1921. Cambridge: Cambridge University Press, 1953. 614 pp.
  • Bedrossyan, Mark D. The First Genocide of the 20th Century: The Perpetrators and the Victims. Flushing, NY: Voskedar Publishing, 1983. 479 pp.
  • Derogy, Jacques. Resistance and Revenge: "Fun Times" The Armenian Assassination of the Turkish Leaders Responsible for the 1915 Massacres and Deportations. New Brunswick, NJ: Transaction Publishers and Zoryan Institute, April 1990. 332 pp.
  • Duzel, Nese (2005-05-23). "Ermeni mallarını kimler aldı?". Radikal. "Enver Paşa, Talat Paşa, Bahaittin Şakir gibi bir dizi insanın ailelerine maaş bağlanıyor… Bu maaşlar, Ermenilerden kalan mülkler, paralar ve fonlardan bağlanıyor."
  • Emin [Yalman], Ahmed. Turkey in the World War. New Haven, CT: Yale University Press, 1930. 310 pp.
  • Joseph, John. Muslim-Christian Relations and Inter-Christian Rivalries in the Middle East. Albany: State Univ. of New York Press, 1983. 240 pp.
  • Kayali, Hasan. "Arabs and Young Turks: Ottomanism, Arabism, and Islamism in the Ottoman Empire, 1908-1918" 195 pp.