Trono Ludovisi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nascimento de Afrodita, relevo principal do Trono Ludovisi (Palazzo Altemps, Roma)

O Trono Ludovisi, em que pese ao seu nome, não é um trono senão um bloco de mármore branco, oco na parte posterior e esculpido em baixo-relevo nos seus três lados. Sua autenticidade é debatida; os que a aceitam, situam-na na Grécia Ocidental, em Magna Grécia, datando-a cerca de 460 a.C. (baseados no "estilo severo" que manifesta, o qual pertence à transição entre o Período Arcaico e começos do Clássico).

O Trono Ludovisi conserva-se no Museo Nazionale Romano, Roma, desde que foi comprado pelo governo italiano em 1894.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O relevo central acostuma interpretar-se como Afrodite saindo do mar, um motivo conhecido como Vênus Anadiómena. A deusa está vestindo-se com uma roupagem diáfana, com a assistência por duas Horas paradas na costa, que se preparam para cobri-la com uma tela que sustêm ambas, o qual a oculta de cintura para embaixo. Os dois relevos dos lados dão as costas discretamente ao mistério do tema central. Uma amostra uma mulher com um véu agachada, colocando o incenso de um timiatério (thymiaterion) que sustém com a sua mão esquerda dentro de um queimador de incenso que se encontra sobre uma tarima. No outro se encontra uma jovem despida, sentada com joelho sobre a outra,[1] enquanto toca a flauta dupla ou aulo; um lenço segura o seu cabelo.

Descoberta e controvérsia[editar | editar código-fonte]

O Trono foi encontrado em 1887, no que anteriormente era o imenso terreno da Villa Ludovisi em Roma, onde estiveram situados os jardins de Salústio, sendo transladado dentro da Villa Ludovisi,[2] donde recebe o seu nome.[3] Os Ludovisi eram uma família papal que foram mecenas e colecionistas desde princípios do século XVII. As dificuldades financeiras obrigaram à venda da coleção Ludovisi ao Estado italiano em 1894. Os terrenos da Villa Ludovisi foram fracionados, traçaram ruas e o distrito cresceu, cambiando totalmente.[4] Existe um debate a respeito do propósito originário do objeto, o significado dos seus relevos e o lugar onde foi fabricado, mas em 1982 pôde vinculá-lo certamente com um templo em Marasa, perto de Lócris Epicefíria,[5] um templo jônico de Afrodite cujo interior foi reconstruído em 480 a.C. Mediante uma reconstrução do Trono, pôde demonstrar-se que este se ajustava exatamente entre os blocos que ficavam da base do templo; além disso, sugeriu-se que os castiçais de terracota, ou pinakes, de cultos de Lócris Epicefíria, são o único paralelo artístico ao Trono.[6]

As únicas outras representações de uma mulher despida pertencente a este período (c. 460 a.C.) podem encontrar-se na olaria de Ática. Os criticismos a respeito das anomalias anatômicas e os detalhes e dúvidas sobre a autenticidade do Trono Ludovisi, foram resumidos por Jerome Eisenberg num artigo de 1996 em Minerva; ali asseverava, em parte, que a flautista hetaira era uma versão derivada de uma psítere do final do século VI a.C., realizado por Eufrônio, cotizado em 1857 no Museu Hermitage da coleção Campana. Eisenberg notou que a representação romana de Penélope guardando luto por Odisseu, embora muito posterior, era a única iconografia na escultura clássica que amostra a uma mulher com as suas pernas cruzadas: a Penélope está completamente vestida.

A iconografia a respeito da temática do Trono Ludovisi não tem paralelo na Antiguidade, pelo qual se acostuma pôr em dúvida. Devido às assistentes se encontrarem paradas sobre uma superfície pedregosa, ofereceram-se algumas interpretações alternativas. Uma é que a figura erguendo-se coincide com a vestimenta ritual de uma deusa ctônica, provavelmente Perséfone, surgindo por uma fenda na terra;[7] cabe destacar que Pandora aparece em forma similar nas pinturas de vários jarrões de Ática. Outra interpretação sugestiona que a figura seja Hera emergindo renascida das águas do Canato, perto de Tirinto, como Hera Parthenos.[8]

O Trono de Boston[editar | editar código-fonte]

O Trono Ludovisi tem um gêmeo menos conseguido: o Trono de Boston que se encontra no Museu de Belas Artes de Boston. Este apareceu em 1894, pouco depois do leilão da coleção Ludovisi, e foi comprado pelo connoisseur Edward Perry Warren, quem o doou à cidade de Boston. Muitos negam a autenticidade do Trono de Boston. Uma conferência no Palazzo Grassi, Veneza, em 1996, comparou ambos os objetos. Atualmente, o Trono de Boston não é exibido. No caso de não ser uma falsificação produzida ao redor de 1894, poderia tratar-se de uma escultura romana desenhada para ser colocada junto com a grega em algum lugar dos jardins de Salustio.

Notas e referências

  1. A maioria indica a impossibilidade anatômica do posicionamento da cadeira direita.
  2. O último Ludovisi construiu o novo palazzo que depois foi vendido à Reina Margarida e agora alberga a Embaixada dos Estados Unidos.
  3. A escultura recebeu este nome num artigo de E. Petersen na Römische Mitteilungen, VII, (1892) pp 31-80.
  4. Kim J. Hartswick, The Gardens of Sallust. A Changing Landscape (2004)
  5. Ashmole o vinculou com uns alicerces em Lócris em 1922.
  6. Melissa M. Terras, 1997. "Os Tronos Ludovisi e Boston: Comparação" (em inglês)
  7. Esta sugestão foi formulada pela primeira vez em 1922 por Bernard Ashmole, no Journal of Hellenic Studies, 42, pp. 248-53.
  8. Figuras contemporâneas de terracota em castiçais achados em Tirinto mostram a Hera com uma tela quadrangular que cobre o seu busto. Esta comparação foi realizada por S. Casson em "Hera of Kanathos and the Ludovisi Throne" (1920), The Journal of Hellenic Studies, 40.2, pp. 137-142.
    Cquote1.svg «A tela, que é claramente um distintivo de sinal de culto nestas estatuetas, é o símbolo de Hera τελεία, oposta à Hera παρθένοσ, a quem podemos supor nua ou seminua e, sobretudo, co seu busto de fora.» Cquote2.svg

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Melissa M. Terras, 1997. "Os Tronos Ludovisi e de Boston: Comparação" Um sito web dedicado completamente ao Trono Ludovisi e ao Trono de Boston. (em inglês)
  • Kim J. Hartswick (2004). The Gardens of Sallust. A Changing Landscape, Austim, TX: University of Texas Press. Uma exploração dos jardins e o edifício da Villa Ludovisi.
  • H. H. Powers, 1923. "The 'Ludovisi Throne' and the Boston Relief", The Art Bulletin, 5.4 (Junho de 1923), pp 102–108.
  • Bernard Ashmole e William J. Young (1968). " The Boston Relief and the Ludovisi Throne ", Bulletin of the Museum of Fine Arts, 66, Nº 346, pp 124–66.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]