Trufa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTrufa
Truffle 4.jpg

Classificação científica
Reino: Fungi
Filo: Ascomycota
Subfilo: Pezizomycotina
Classe: Pezizomycetes
Ordem: Pezizales
Família: Tuberaceae
Género: Tuber
P. Micheli ex F.H. Wigg., 1780
Espécies
Tuber aestivum
Tuber bituminatum
Tuber bonnetii
Tuber borchii
Tuber brumale
Tuber gibbosum
Tuber macrosporum
Tuber maculatum
Tuber magnatum
Tuber melanosporum
Tuber mesentericum

Tuber nitidum Tuber puberulum Tuber rapaeodorum Tuber rufum Tuber scleroneuron Tuber separans Tuber sinense

Trufa ou túbera é o nome popular dado aos corpos frutíferos subterrâneos das espécies de Tuber, um género de fungos da família Tuberaceae. Algumas das espécies têm sabor e aroma agradáveis, sendo consumidas pelo homem há mais de três mil anos. Os tipos mais conhecidos são a trufa branca (Tuber magnatum), a trufa negra (Tuber melanosporum) e a trufa de verão (Tuber aestivum).

A trufa nasce sob a terra, a uma profundidade de 20 a 40 centímetros, próximo à raiz de carvalhos e castanheiras. Possuem aspecto de mármore negro e bege. O trufeiro, especialista em trufas, é quem revolve a terra e retira a trufa do solo sem quebrá-la nem ferir-lhe a superfície. Ela só terá valor se as suas características originais forem preservadas. A colheita é feita recorrendo a porcos ou cães adestrados que as podem localizar por meio do olfato.

Características[editar | editar código-fonte]

Trufas crescem ao criar uma relação de simbiose entre seu micélio e as raízes de árvores, que incluem aveleiras, carvalhos e salgueiros.[1] Na trufa branca, sua cor é amarelo sujo, indo para o bege, lembrando marfim velho. A superfície é lisa. A trufa negra é enrugada, com uma cor negro-amarronzada.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Trufas brancas[editar | editar código-fonte]

Trufa branca cortada em lâminas.

As trufas brancas (Tuber magnatum) são encontradas à beira do Mar Adriático e na região francesa do Drôme. As mais célebres vem da cidade italiana de Alba, no Piemonte, onde entre outubro e novembro são realizadas feiras para vender os melhores exemplares. As melhores safras ocorrem em outonos chuvosos, pois as trufas precisam de muita umidade para crescer.[1]

São muito apreciadas por chefs de cozinha devido ao seu inigualável aroma. A trufa branca exige um cortador específico, com lâminas ultrafinas, pois quanto mais fina for cortada, o sabor é mais intenso. A espessura ideal é a de uma folha de papel. As que exibem uma sutil coloração rosada são consideradas melhores, de aroma mais marcante.

As trufas de Alba podem custar até 15 mil dólares o quilo. Duas vezes os leilões anuais superaram a barreira dos 100 mil euros, com uma trufa de 750 gramas em 2009 a €100 mil,[2] e outra de 900 a €105 mil no ano seguinte.[3]

A maior trufa já encontrada foi em San Miniato, na Toscana em 1954 por Arturo Gallerini, e pesava 2,520 quilos.

Combina com massas, risotos e ovo frito. O prato predileto dos apreciadores é o ovo "all'occhio di bue", pois reúne a simplicidade do ovo e a exuberância da trufa branca fresca. Pode ser comida também como um pão.

Giancarlo Zigante e sua cadela Diana encontraram próximo a Buje, Croácia a maior trufa já registrada no mundo. A trufa pesava 1,31 quilogramas (2 lb 14 oz) e foi registrada no Guinness Book of Records.[4]

Trufas negras[editar | editar código-fonte]

As trufas negras (Tuber melanosporum) são encontradas ao largo de França, Espanha, e Itália, responsáveis por quase todo o mercado (45%, 35% e 20%, respectivamente). Sua região mais célebre é o Condado de Périgord.[5] Exalam aroma menos acentuado, superfície mais rugosa e são mais resistentes ao manuseio. O quilo custa em média 700 dólares e pode chegar a 2.000 dólares. Ao contrário das brancas, podem ser lavadas em água, e conseguem ser cultivadas. Após anos de pesquisa, nasceu o carvalho-trufeiro (chene-truffier), que leva uns oito anos antes de produzir o tubérculo. Regiões de cultivo foram instaladas em Reino Unido, Estados Unidos, Espanha e Suécia. Consequentemente Austrália e Nova Zelândia viraram os primeiros países do hemisfério sul a colherem trufas, exemplo seguido pelo Chile.[6]

A trufa negra já foi chamada de "Diamante Negro" ou "Pérola Negra" devido à sua raridade.[7] [8]

Trufas de verão[editar | editar código-fonte]

A trufa de verão (Tuber aestivum) ou trufa da Borgonha (Tuber uncinatum) cresce por toda a Europa.[9] São relativamente largas, indo de 2 a 10 centímetros de diâmetro. A variedade aestivum é colhida entre junho e setembro, enquanto a safra da uncinatum vai de setembro a dezembro.

Referências

  1. a b Nogueira, Marcos. "O Tempero Mais Caro do Mundo". Superinteressante, outubro de 2014
  2. Trufa branca é leiloada por 100 mil euros na Itália Terra Networks Economia.terra.com.br.
  3. Trufa branca é leiloada por 105 mil euros na Itália Terra Networks Economia.terra.com.br.
  4. Largest truffle Guinnessworldrecords.com (1999-11-02). Visitado em 2012-06-16.
  5. [1]
  6. [2]
  7. Chef catalão traz festival de trufas negras para São Paulo Site da Folha de S. Paulo.
  8. [3] Newton.freitas.nom.br.
  9. [4]
Ícone de esboço Este artigo sobre fungos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.