Vannozza dei Cattanei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Vannozza dei Cattanei.

Vannozza dei Cattanei (Giovanna de Candia, condessa dei Cattanei) (13 de julho de 1442 - 24 de novembro de 1518) foi uma das muitas amantes de Rodrigo Bórgia. Ela deu à luz a linhagem dos Bórgia italiano quando Rodrigo era cardeal, futuramente o Papa Alexandre VI (em violação aos votos de celibato que o Papa tomou), e entre eles, cujo relacionamento durou um longo tempo. Seus pais eram Jacopo (Giacommo de Candia, conde dei Cattanei) da Casa de Candia e Mencia Pinctoris.

Nascida em 1442 em Mântua de pais nobres, ela se mudou para Roma, onde era proprietária de diversas pousadas (osterie), a primeira em Borgo, em seguida, em Campo de Fiori. Antes de se tornar amante de Alexandre, teve um suposto relacionamento com o Cardeal Giuliano della Rovere, o futuro Papa Júlio II.

A relação com Alexandre VI começou em 1470, e ela lhe deu quatro filhos que ele reconheceu abertamente como seus próprios:

Após sua posse como Papa, a paixão por Vannozza por parte de Rodrigo diminuiu, forçando a sua amante ter uma vida de aposentada, mas confortável. Seu lugar foi tomado por Giulia Farnese, da família dos Orsini, mas Alexandre VI, continuou a ter carinho tanto por Vannozza quanto seus filhos.

Ela teve quatro maridos. Primeiro se casou com Domenico d'Arignano. Seu segundo marido foi Antonio de Brescia. Em 1480, casou-se com Giorgio della Croce. Teve um filho chamado Ottaviano com ele. Quando ficou viúva, ela, finalmente, casou-se com Carlo Canale.

Faleceu em 1518, após uma vida de penitência e expiação em seus últimos anos, doou todos os seus bens à Igreja. Ela foi enterrada na Igreja de Santa Maria del Popolo, onde estava seu filho Giovanni. Contudo, os restos de ambos não são preservados, já que durante o saque de Roma em 1527 por lansquenete alemães, a capela foi saqueada e despojada de suas riquezas. Só recuperou a lápide que foi fixada no patamar de São Marcos Kirche, em frente ao Capitólio.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. I. Cloulas, The Borgias, p. 52

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • R. Gervaso Borgiowie, Katowice 2007