Vincent Bugliosi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vincent Bugliosi
Nascimento 18 de agosto de 1934 (79 anos)
Hibbing, EUA
Nacionalidade Estados Unidos norte-americano
Ocupação advogado, escritor

Vincent Bugliosi (Hibbing,18 de agosto de 1934) é um advogado e escritor norte-americano, mais conhecido por ter sido o promotor do Caso Tate-LaBianca contra Charles Manson e seus seguidores da Família Manson, que assassinaram sete pessoas, entre elas a atriz Sharon Tate, em agosto de 1969, na Califórnia, Estados Unidos.

De ascendência italiana, Bugliosi graduou-se pela Universidade de Miami, que ele cursou graças a uma bolsa de estudos como tenista e em 1964 recebeu seu grau de advogado pela UCLA, na Califórnia.

Advogado[editar | editar código-fonte]

Como advogado e promotor público distrital do Condado de Los Angeles, Bugliosi acusou e conseguiu a condenação à pena de morte - depois comutada pra prisão perpétua - de todos os integrantes da Família Manson envolvidos nos assassinatos do Caso Tate-LaBianca, em julgamento ocorrido entre 1970-71. Perdeu apenas um caso de delitos criminais entre os 106 que atuou, conseguindo a condenação dos réus em todos os 21 que envolviam crimes de morte em que trabalhou na acusação.[1]

Escritor[editar | editar código-fonte]

Anos depois dos crimes de Charles Manson, Bugliosi escreveu o livro Helter Skelter, contando os detalhes dos crimes e dos julgamentos, que se transformaram num best-seller nos Estados Unidos, com mais de sete milhões de cópias vendidas[2] e que virou uma aclamada minisérie de televisão.

Com os anos, ele tornou-se um grande crítico da mídia, do governo, de juízes e de advogados nos EUA. Ele escreveu um livro também best-seller sobre o julgamento de O.J. Simpson, Outraged (Indignado}, em que critica firmemente promotores, advogados e juízes pela absolvição de Simpson, em quem via um claro culpado. Ele usou esses perfis para ilustrar problemas mais vastos na justiça criminal americana e nos meios de comunicação, bem como na designação política de juízes.

Em 2008, ele escreveu o seu livro mais polêmico, The Prosecution of George W. Bush for Murder (A Acusação de George W. Bush por Assassinato) em que defende, por fatos apresentados, que o ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush deva ser processado e condenado pela morte de 4.000 soldados americanos e de cerca de 100.000 iraquianos na Guerra do Iraque. Bugliosi acredita que Bush levou adiante a guerra sob falsas premissas, enganando o povo americano. No livro, ele estabelece as provas e enumera as perguntas que faria a Bush num pretenso julgamento por genocídio. Ele testemunhou em uma reunião na Casa do Comitê Judiciário em 25 de julho de 2008, em que pediu a abertura de um processo de impeachment de Bush.[3]

Bugliosi não tem computador e para escrever um de seus livros fez toda a persquisa nencessária em arquivos microfilmados de livrarias. Ele escreve todos os livros à mão e sua assistente, Rosemarie Newton, se incumbe de processar os textos em computador.[3]

Referências

  1. The Nation: Vince Bugliosi bio
  2. Helter Skelter: The True Story of the Manson Murders. W. W. Norton & Company. Página visitada em 28/06/2012.
  3. a b The Prosecution of George W. Bush for Murder ISBN 978-1-59315-481-3(2008)