Yazid II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Yazid II
Califa Omíada
Map of expansion of Caliphate.svg

  Expansão durante a vida do Profeta Maomé, 622-632
  Expansão durante o período dos três primeiros califas, 632-661
  Expansão durante o Califado Omíada, 661-750
Governo
Reinado 720 – 724
Antecessor Omar II
Sucessor Hisham
Dinastia Omíadas
Vida
Nome completo Yazid bin Abd al-Malik
Nascimento 687
Morte 724
Pai Abd al-Malik

Yazid bin Abd al-Malik ou Yazid II (687 - 724) (em árabe: يزيد بن عبد الملك) foi um califa omíada que reinou de 720 até a sua morte em 724 d.C.

Revoltas[editar | editar código-fonte]

De acordo com o historiador persa Muhammad ibn Jarir al-Tabari, Yazid ascendeu ao trono com a morte de Omar II em 10 de fevereiro de 720[1] . Suas forças enfrentaram os carijitas com quem seu falecido irmão estava negociando e, após alguns reveses iniciais, suas tropas prevaleceram e o líder adversário, Shawdhab, foi morto. Yazid ibn al-Muhallab se livrou de ser preso com a morte de Omar e fugiu para o Iraque, onde ele tinha muitos aliados. Ele se recusou a reconhecer Yazid II como califa e liderou uma grande revolta. Apesar do sucesso inicial, ele foi derrotado e morto pelas forças de Maslamah ibn Abd al-Malik.

Diversas guerras civis começaram a aparecer em diferentes partes do Califado Omíada, como em Al Andalus (a Península Ibérica), o Norte da África e no oriente. Em AH 102 (720-721), em Ifríquia, o governador Yazid ibn Muslim foi derrubado por sua brutalidade e Muhammad ibn Yazid, o antigo governador, foi restaurado ao poder. O califa aceitou e confirmou Muhammad ibn Yazid na posição.

Al-Djarrah ibn Abdullah, o governador de Yazid na Armênia e no Azerbaijão, avançou pelo Cáucaso e tomou Balanjar em AH 104 (722-723). Neste mesmo ano, o governador em Medina, Abd al-Rahman ibn al-Dahhak, caiu em desgraça por se utilizar de força demasiada para pressionar uma mulher a se casar com ele. Ela apelou a Yazid que substituiu Abd al-Rahman por Abd al-Walid ibn Abadallah[2] .

Morte[editar | editar código-fonte]

O cronista bizantino Teófanes, o Confessor[3] afirma que um mago teria avisado Yazid que ele reinaria por 40 anos se ele se opusesse aos ícones cristãos. Yazid o fez, mas morreu no mesmo ano em que emitiu seu decreto iconoclasta. Yazid II morreu em 724 de tuberculose e foi sucedido por seu irmão Hisham.

Grupos anti-omíadas começaram a ganhar força entre os insatisfeitos. Al-Tabari relata que os Abássidas estavam promovendo a sua causa em AH 102 (720-721) e já haviam iniciado a formação de uma base de poder que eventualmente se utilizariam para derrubar os omíadas em 750 d.C. (veja Revolta Abássida).

Referências

  1. al-Tabari, v. 24, p. 91
  2. al-Tabari v. 24, p. 180 and following
  3. Teófanes, p. 93

Bibliografia[editar | editar código-fonte]