13 Reasons Why

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a série de televisão. Para o livro, veja Thirteen Reasons Why.
13 Reasons Why
Por 13 Razões (PT)
Informação geral
Formato Série
Gênero Drama adolescente
Mistério
Duração 49–61 minutos
Baseado em Thirteen Reasons Why, de Jay Asher
Desenvolvedor(es) Brian Yorkey
País de origem  Estados Unidos
Idioma original Inglês
Produção
Produtor(es) Joseph Incaprera
Produtor(es) executivo(s) Diana Son
Tom McCarthy
Joy Gorman Wettels
Steve Golin
Michael Sugar
Selena Gomez
Mandy Teefey
Kristel Laiblin
Editor(es) Leo Trombetta
Câmera Câmera única
Narrador(es) Katherine Langford
Elenco Dylan Minnette
Katherine Langford
Christian Navarro
Alisha Boe
Brandon Flynn
Justin Prentice
Miles Heizer
Ross Butler
Devin Druid
Amy Hargreaves
Derek Luke
Kate Walsh
Compositor da música tema Eskmo
Empresa(s) de produção July Moon Productions
Kicked to the Curb Productions
Anonymous Content
Paramount Television
Localização Califórnia, Estados Unidos
Exibição
Emissora de televisão original Netflix
Formato de exibição 4K (Ultra HD)[1]
Transmissão original 31 de março de 2017 (2017-03-31) – presente
N.º de temporadas 1
N.º de episódios 13

13 Reasons Why (estilizado em tela como Th1rteen R3asons Why) é uma série de televisão americana baseada no livro Thirteen Reasons Why (2007), de Jay Asher, e adaptado por Brian Yorkey para a Netflix.[2] A série gira em torno de uma estudante que se mata após uma série de falhas culminantes, provocadas por indivíduos selecionados dentro de sua escola. Uma caixa de fitas cassetes gravadas por Hannah antes de se suicidar relata treze motivos pelas quais ela tirou sua própria vida.

Diana Son e Brian Yorkey são os co-showrunners da série. A primeira temporada tem treze episódios.[3][4] A série é produzida pela July Moon Productions, Kicked to the Curb Productions, Anonymous Content e Paramount Television. Originalmente planejada como um filme que seria lançado pela Universal Pictures, com Selena Gomez no papel principal, a adaptação foi transformada em uma série de televisão pela Netflix no final de 2015. Selena Gomez serviu como produtora executiva. A primeira temporada, e o especial 13 Reasons Why: Beyond the Reasons, foram lançados na Netflix em 31 de março de 2017.

A série recebeu críticas positivas dos críticos e do público, que elogiaram seu assunto e seu elenco, principalmente os dois atores principais, Dylan Minnette e Katherine Langford.[5] Atraiu controvérsias de alguns críticos em relação à descrição gráfica da série de edições, tais como suicídio e estupro, juntamente com outros índices maduros.

Em maio de 2017, a série foi renovada para uma segunda temporada, programada para estrear em 2018.[6]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Clay Jensen, um estudante, volta para casa da escola um dia, e encontra uma caixa misteriosa deixada na sua varanda. Dentro da caixa, ele encontra sete fitas cassete de dois lados gravadas por Hannah Baker, sua colega de escola e amor não-correspondido, que tragicamente cometeu suicídio há duas semanas atrás. Na fita, Hannah desenvolve um diário de áudio emocional, detalhando os treze motivos pelos quais ela decidiu se suicidar. Suas instruções são claras: cada pessoa que recebe a caixa é um dos motivos pelos quais ela se matou. E, depois que cada pessoa termina de escutar das fitas, ela deve passar a caixa para a próxima pessoa. Se alguém decidir quebrar a corrente, um outro conjunto das fitas será vazado para o público. Cada fita se dirige à uma pessoa específica em sua escola e detalha o envolvimento da mesma em seu suicídio.

Elenco e personagens[editar | editar código-fonte]

Principal[editar | editar código-fonte]

Recorrente[editar | editar código-fonte]

  • Brian d'Arcy James como Andrew "Andy" Baker
  • Josh Hamilton como Matt Jensen
  • Michele Selene Ang como Courtney Crimsen
  • Steven Silver como Marcus Cole
  • Ajiona Alexus como Sheri Holland
  • Tommy Dorfman como Ryan Shaver
  • Sosie Bacon como Skye Miller
  • Brandon Larracuente como Jeff Atkins
  • Timothy Granaderos como Montgomery de la Cruz
  • Steven Weber como Diretor Gary Bolan
  • Keiko Agena como Pam Bradley
  • Mark Pellegrino como Xerife Standall
  • Joseph C. Phillips como Sr. Davis
  • Cindy Cheung como Karen Dempsey
  • Henry Zaga como Brad
  • Robert Gant como Todd Crimsen
  • Wilson Cruz como Dennis Vasquez

Episódios[editar | editar código-fonte]

1ª temporada (2017)[editar | editar código-fonte]

em geral na temporada Título Diretor(es) Escritor(es) Lançamento
1 1 "Tape 1, Side A"
"(Fita 1, Lado A)"
Tom McCarthy Brian Yorkey 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Clay Jensen encontra uma caixa cheia de fitas cassete anonimamente deixadas na porta de sua casa. Ele toca a primeira fita na caixa de som de seu pai. Ao se assustar com sua mãe, Clay, acidentalmente, deixa a caixa de som cair. Então, em um walkman roubado de seu amigo, Tony, ele percebe que sua colega de classe da escola, Hannah Baker, que faleceu recentemente, é quem está falando. Clay escuta a primeira fita, na qual Hannah relata as experiências que a deixaram para baixo. Ela começa compartilhando a história de seu primeiro beijo, com Justin Foley, que espalhou um rumor obsceno que começou sua espiral descendente. É revelado através de vários flashbacks que Clay gostava de Hannah e trabalhava com ela como atendentes em um cinema.


Assunto da fita: Justin Foley, por espalhar uma foto obscena de Hannah, assim como um boato sexual sobre um encontro com ela. 
2 2 "Tape 1, Side B"
"(Fita 1, Lado B)"
Tom McCarthy Brian Yorkey 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Na fita, Hannah relembra sua amizade com outros dois novos alunos de sua escola: Jessica, que se muda de casa frequentemente por causa de seu pai, que é da Força Aérea, e Alex, que elas conhecem em um café. Mais tarde, Jessica e Alex começam a namorar e param de sair com Hannah. Quando Alex termina com Jessica, ela culpa Hannah. No presente, a mãe de Hannah, Olivia, encontra um bilhete em um livro didático de sua filha, o que a faz acreditar que Hannah estava sofrendo bullying. O círculo de amigos de Bryce Walker descobre que Clay está escutando as fitas de Hannah.


Assunto da fita: Jessica Davis, por acreditar erroneamente que Hannah foi o motivo de sua separação com Alex. 
3 3 "Tape 2, Side 1"
"(Fita 2, Lado 1)"
Helen Shaver Diana Son 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Os relacionamentos de Hannah são ameaçados por uma "lista de melhor/pior" feita por Alex Standall, que colocou Hannah como um "alvo". No presente, a mãe de Hannah, Olivia Baker, procura o diretor da escola para falar sobre sua suspeita de bullying e faz uma descoberta perturbadora. No meio de sua investigação, Clay se vira contra Alex em busca de respostas, que o avisa para não confiar em Tony, a quem Clay, mais tarde, encontra em uma ocasião hostil. Enquanto Justin tenta se recuperar de uma crise recente, Bryce obriga Clay e Alex a beberem bebida alcoólica em um beco.


Assunto da fita: Alex Standall, por fazer uma lista sobre a bunda de Hannah, classificando-a como a melhor da escola, para fazer Jessica Davis ficar com ciúmes e, então, se tornar mais popular. 
4 4 "Tape 2, Side B"
"(Fita 2, Lado B)"
Helen Shaver Thomas Higgins 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Hannah ouve alguém no lado de fora de sua janela, e diz para sua amiga, Courtney, que tem um perseguidor. Courtney oferece sua ajuda para pegá-lo em flagrante. Enquanto esperam o perseguidor chegar, elas jogam um jogo de verdade ou desafio após ficarem bêbadas, o que as faz se beijarem na cama de Hannah. O perseguidor, que é Tyler Down, o fotógrafo da escola, tira uma foto delas e envia para a escola. Efetivamente, isso termina a amizade entre Courtney e Hannah. No presente, Clay tira uma foto de Tyler, nu, e a envia para toda a escola como uma vingança, ao invés de jogar uma pedra em sua janela, como Hannah sugeriu nas fitas.


Assunto da fita: Tyler Down, por perseguir Hannah e espalhar a foto de seu beijo com Courtney pela escola. 
5 5 "Tape 3, Side A"
"(Fita 3, Lado A)"
Kyle Patrick Alvarez Julia Bicknell 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Courtney, com medo de que seus colegas da escola descobram sobre sua sexualidade, divulga o boato de que as garotas se beijando na foto vazada são Hannah e Laura, uma colega da escola assumidamente lésbica. Courtney também acrescenta informações ao rumor sobre Hannah e Justin, o que aumenta a má reputação de Hannah. Enquanto isso, no presente, Clay leva Courtney para visitar o túmulo de Hannah.


Assunto da fita: Courtney Crimsen, por inventar boatos sobre Hannah para evitar ser descoberta como uma das pessoas na foto do beijo. 
6 6 "Tape 3, Side B"
"(Fita 3, Lado B)"
Kyle Patrick Alvarez Nic Sheff 31 de março de 2017 (2017-03-31)

O encontro de Hannah e Marcus no Dia dos Namorados não dá certo devido aos rumores de que ela é "fácil". No presente, Alex começa uma briga com Montgomery, o que faz com que os dois precisem aparecer antes do conselho estudantil.


Assunto da fita: Marcus Cole, por humilhar Hannah em público em seu encontro com ela no Dia dos Namorados. 
7 7 "Tape 4, Side A"
"(Fita 4, Lado A)"
Gregg Araki Elizabeth Benjamin 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Depois que Hannah se recusa a sair com Zach, ele a destrói emocionalmente durante um projeto de classe. Como vingança, Clay danifica o carro de Zach, mas, no presente, as coisas acabam sendo diferentes do que pareciam. Clay tem alucinações auditivas e visuais de Hannah durante o dia, inclusive vendo seu corpo morto no chão da quadra de basquete durante um jogo, além de ouvir uma das fitas de Hannah tocando no sistema de intercomunicação da escola.


Assunto de fita: Zach Dempsey, por roubar as "notas positivas" destinadas a Hannah na aula de comunicações como vingança por ela ter o rejeitado. 
8 8 "Tape 4, Side B"
"(Fita 4, Lado B)"
Gregg Araki Kirk Moore 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Hannah fica comovida com a poesia recitada por seu colega da escola, Ryan Shaver, e fica de coração tocado após ser encorajada a começar a escrever poesias para recitá-las. Ryan a trai, publicando um poema escrito por ela contra sua vontade na revista da escola. No presente, Tony conta para Clay sobre a noite da morte de Hannah.


Assunto da fita: Ryan Shaver, por roubar um poema que ela escreveu falando sobre seus problemas pessoais, e publicá-lo no jornal da escola sem seu consentimento. 
9 9 "Tape 5, Side A"
"(Fita 5, Lado A)"
Carl Franklin Hayley Tyler 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Enquanto se esconde no quarto de Jessica durante uma festa de verão, Hannah testemunha Bryce Walker estuprando Jessica, que está inconsciente e intoxicada, com o consentimento de Justin. No presente, Clay conversa com Justin, que diz que é melhor Jessica não saber da verdade. Marcus avisa para Clay que o pior ainda está por vir.


Assunto da fita: Justin Foley, por deixar Bryce estuprar sua namorada, Jessica. 
10 10 "Tape 5, Side B"
"(Fita 5, Lado B)"
Carl Franklin Nathan Louis Jackson 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Depois da festa, Hannah pega uma carona com Sheri até sua casa. Elas entram em um pequeno acidente e derrubam uma placa de "Pare", mas Sheri se recusa a chamar a polícia. Enquanto Hannah procura um telefone, um trágico acidente ocorre na mesma travessia, o que causa a morte de Jeff Atkins, um amigo de Clay. Quando Hannah tenta contar para Clay sobre a placa de "Pare", ele é rude com ela, pensando que ela está em um de seus momentos de drama novamente. No presente, o comportamento de Jessica começa a ficar mais errático.


Assunto da fita: Sheri Holland, por abandonar Hannah depois de bater seu carro em uma placa de "Pare", o que, mais tarde, causou a morte de outro aluno da escola. 
11 11 "Tape 6, Side A"
"(Fita 6, Lado A)"
Jessica Yu Diana Son 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Clay finalmente ouve sua fita e fica dominado por culpa, pois não pôde fazer o bastante para evitar o suicídio de Hannah. No presente, Justin descobre que Jessica está na casa de Bryce. Lá, ele a confronta e confessa que Bryce a estuprou na noite da festa. Olivia Baker encontra uma lista com os nomes de todas as pessoas nas fitas, embora ainda não saiba o que a lista significa.


Assunto da fita: Clay Jensen, por abandonar Hannah a seu pedido, depois de quase transarem. No entanto, Hannah percebe que Clay não merece estar nas fitas (ela confessa sua admiração por ele), mas foi necessário adicioná-lo porque ele foi importante no que aconteceu e ela queria que ele soubesse. 
12 12 "Tape 6, Side B"
"(Fita 6, Lado B)"
Jessica Yu Elizabeth Benjamin 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Depois de acidentalmente perder os depósitos de seus pais que iriam para o banco, Hannah fica desanimada e acaba em uma festa na casa de Bryce. A noite termina em tragédia quando ela acaba ficando sozinha com ele e ele a estupra. No presente, Clay vai até a casa de Bryce com a desculpa de comprar maconha dele. Lá, ele confronta Bryce sobre o estupro, gravando sua confissão. Todos na lista que Olivia encontrou são intimados para depor no processo entre a família Baker e a escola. O episódio termina com uma ambulância cuidando de um adolescente desconhecido que levou um tiro na cabeça.


Assunto da fita: Bryce Walker, por estuprar Hannah em uma banheira aquecida. 
13 13 "Tape 7, Side A"
"(Fita 7, Lado A)"
Kyle Patrick Alvarez Brian Yorkey 31 de março de 2017 (2017-03-31)

Clay dá a fita da confissão de Bryce para Tony tirar cópia. Hannah vai conversar com o Sr. Porter, e conta para ele sobre seu estupro. Em segredo, Hannah grava a conversa, esperando que o Sr. Porter a ajude. Quando ele não a ajuda, ela vai para casa e comete suicídio cortando seus pulsos. No presente, Clay confronta o Sr. Porter sobre sua conversa com Hannah no dia em que ela se suicidou. Ele também entrega as fitas, incluindo uma fita adicional que é a confissão de Bryce. Clay diz para o Sr. Porter que ele é o assunto da última fita. As deposições continuam, com todas as pessoas presentes nas fitas confessando suas culpas, menos Alex, que tenta cometer suicídio e fica em estado crítico. Justin vai embora de casa e da cidade por causa da culpa que sente, mas, antes, conta para Bryce sobre as fitas. Jessica conta para seu pai sobre seu estupro. Antes de sair para depor no processo, Tyler esconde armas e munições em seu quarto. Na escola, Clay conversa com Skye, uma colega de classe que ele, anteriormente, percebeu ter cicatrizes nos pulsos.


Assunto da fita: Sr. Porter, por não acreditar que Hannah era suicida e não lhe dar a devida ajuda. 

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 8 de fevereiro de 2011, a Universal Studios comprou os direitos autoriais do livro, com Selena Gomez escalada para interpretar o papel principal de Hannah Baker.[7] Em 29 de outubro de 2015, foi anunciado que a Netflix faria uma adaptação do livro para a televisão, com Selena Gomez servindo como produtora executiva.[8] Tom McCarthy foi contratado para dirigir os dois primeiros episódios.[9] A série é produzida pela Anonymous Content e pela Paramount Television, com Selena Gomez, Tom McCarthy, Joy Gorman, Michael Sugar, Steve Golin, Mandy Teefey e Kristel Laiblin como produtores executivos.[9]

As filmagens da série aconteceram nas cidades do norte da Califórnia, Vallejo, Benicia, San Rafael, Crockett e Sebastopol durante o verão de 2016.[10][11] A primeira temporada e um episódio especial foram lançados na Netflix em 31 de março de 2017.[12]

Cães de terapia estavam presentes nas filmagens para a diversão dos atores, devido ao conteúdo intenso e emocional da série.[13]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

A série recebeu críticas positivas de vários críticos, com muitos dos elogios da série sendo dirigidos ao elenco, ao trabalho da direção, à história, ao visual, às melhorias em relação ao seu material de origem, e à abordagem madura para assuntos obscuros e adultos.

No site agregador de arte Rotten Tomatoes, a série tem uma classificação de aprovação de 86%, com base em 42 críticas, com uma pontuação média de 7.28/10. O consenso crítico do site diz: "13 Reasons Why complementa seu material de origem mais vendido com um olhar emocionante em relação ao sofrimento adolescente cuja maturidade narrativa desmente seu meio YA".[5] No Metacritic, a série tem uma pontuação de 76 de 100, com base em 16 críticas, indicando "críticas geralmente favoráveis".[14]

Jesse Schedeen, do IGN, elogiou 13 Reasons Why, dando para a série uma avaliação de 9.2 de 10: "Incrível", afirmando que a série é "uma série muito poderosa e dura" e "está entre os melhores dramas de ensino médio do século XXI".[15] Matthew Gilbert, do The Boston Globe, deu uma crítica brilhante para a série, dizendo que "o drama é sensível, consistentemente envolvente e, o mais importante, não nos faz nem mesmo piscar".[16] Maureen Ryan, da revista Variety, afirma que a série "é, sem dúvida, sincera, mas também é, de muitos modos importantes, criativamente bem-sucedida" e a chamou de "simplesmente essencial para assistir".[17] Leah Greenblatt, da Entertainment Weekly, deu uma pontuação de B+ para a primeira temporada, chamando a série de "um retrato sincero e autenticamente afetado do que é ser jovem, perdido e muito frágil para o mundo".[18] Daniel Feinberg, do The Hollywood Reporter, também elogiou a série, chamando-a de "uma adaptação jovem-adulta honrosamente madura", e apontando as atuações, direção, relevância e maturidade como alguns dos pontos mais fortes da série.[19][20]

As atuações do elenco, particularmente as de Katherine Langford como Hannah, e Dylan Minnette como Clay, foram frequentemente mencionadas e amplamente elogiadas em várias críticas. Jesse Schedeen, do IGN, elogiou o elenco, principalmente as atuações de Dylan Minnette e Katherine Langford, afirmando: "Langford brilha no papel principal... [e] encarna esse otimismo e essa profunda tristeza [de Hannah] também. O Clay de Minnette é, de esboço, um personagem muito mais estóico e reservado... e faz um bom trabalho no que, muitas vezes, é um papel difícil".[15] Matthew Gilbert, do The Boston Globe, elogiou a química entre Katherine Langford e Dylan Minnette, dizendo que "assistir esses dois jovens atores juntos é puro prazer", enquanto Jesse Schedeen, do IGN, também concordou, dizendo que eles estão "melhor juntos, canalizando apenas o tipo certo de química quente e incomum, você esperaria de dois adolescentes que não podem admitir seus sentimentos um pelo outro". Daniel Feinberg, do The Hollywood Reporter, também elogia os dois atores: "A abertura dolorosa de Langford faz você criar raízes para um destino que você sabe que não é possível. O desempenho da atriz está cheio de alcance dinâmico, configurando-o contra a tarefa que é, muitas vezes, mais complicada de Minnette em diferenciar entre estados de espírito que, na maior parte do tempo, vão do desconfortável para o desespero sombrio de olhos vermelhos e de higiene".[19]

Maureen Ryan, da revista Variety, também elogiou não somente os dois papéis principais, como também o elenco de atores, principalmente a atuação de Kate Walsh como a mãe de Hannah, a quem Maureen Ryan descreve como "o melhor trabalho da carreira".[17] Menções positivas de vários críticos, como Maureen Ryan, Daniel Feinberg e Jesse Schedeen, também foram entregues ao elenco de atores (principalmente às atuações de Alisha Boe, Miles Heizer e Christian Navarro como Jessica, Alex e Tony). Liz Shannon Miller, da IndieWire, que gostou da série e lhe deu uma brilhante pontuação de B+, elogiou a diversidade racial, gênica e complexa de seu elenco de apoio adolescente.[17][15][19][21]

Outro aspecto frequentemente mencionado em várias críticas foi a abordagem madura e emocional da série em relação ao assunto sombrio e adulto retratado na mesma. Isto foi positivamente comentado por críticos, como Liz Shannon Miller, da IndieWire, que deu uma crítica positiva para a primeira temporada, principalmente com suas menções de que "os limites adultos desta esta história tocam com honestidade e verdade", mas também afirma que isso torna a série difícil de assistir às vezes.[21] Daniel Feinberg, do The Hollywood Reporter, também afirma que a série é muito difícil de assistir às vezes,[19] enquanto Jesse Schedeen, do IGN, afirma que a série é "uma série, muitas vezes, deprimente e até mesmo desconfortável de assistir... uma experiência bastante emocionalmente drenante, principalmente no final da primeira temporada, quando as peças finalmente começam a se encaixar".[15]

Vários críticos também elogiaram diversos aspectos da série. Daniel Feinberg elogiou os diretores da série, dizendo: "Uma galeria de diretores da Sundance, incluindo Tom McCarthy, Gregg Araki e Carl Franklin, mantém as atuações fundamentadas e os extremos longe de se sentirem explorados",[21] enquanto Matthew Gilbert, do The Boston Globe, elogia a narrativa: "As técnicas de narrativa são poderosas... [já que ela] se baseia no mundo estabelecido em um momento passado, enquanto encontramos continuamente novas facetas da vida de Hannah e novos personagens. A história de fundo da série continua cada vez mais profunda e rica.[16]

Por outro lado, a série também recebeu críticas em relação à representação da angústia adolescente. Mike Hale, do The New York Times, escreveu uma crítica, dizendo: "A série não deixa o progresso descendente [de Hannah] convincente. Muitas vezes, isso parece artificial, como um anúncio de serviço público super longo". Ele também criticou o dispositivo de enredo de que Clay ouvia as fitas uma por uma, em vez de ouvir tudo de uma vez só como os outros fizeram, o que Mike Hale dizia ser inacreditável: "Não faz sentido nenhum um dispositivo de enredo onde os antagonistas de Clay dizem para ele ouvir logo o resto das fitas".[22]

Escrevendo para o The Guardian, Rebecca Nicholson elogiou alguns aspectos da série, incluindo as atuações de Dylan Minnette e Kate Walsh, mas ficou preocupada com grande parte do enredo, dizendo: "Um enredo que indica que o amor de um doce garoto pode ter resolvido tudo isso resultou em um sentimento de incômodo que ficou me perseguindo". Rebecca Nicholson ficou céptica de que a série consegue atrair telespectadores mais velhos, diferente de outras séries que se passam no ensino médio, como Freaks and Geeks e My So-Called Life: "A série não tem a perspicácia de crossover de suas antepassadas... Está muito preocupada em transmitir a mensagem de que um comportamento terrível pode ter consequências horríveis para lidar com qualquer sutileza ou sombras de sentimento. É, em grande parte, uma nota – e essa nota é horrível. 'Tem que melhorar', implora um estudante no final, mas, dado seu final tão aberto, uma aparente configuração de uma segunda temporada, não parece que há muitas hipóteses de que isso aconteça".[23]

O crítico de televisão do The Washington Post, Hank Stuever, escreveu uma crítica negativa, achando 13 Reasons Why "inventado" e implausível: "Há 13 episódios na primeira temporada, que resultaram em 13 horas super sombrias – um esforço passivo-agressivo, implausivelmente sinuoso, mal escrito e estranhamente atuado, principalmente em relação à falta de comunicação, não entregando mais sabedoria ou visão sobre a depressão, o bullying e o suicídio do que um dos velhos Afterschool Specials, da ABC, que as pessoas agora zombam por ser tão tolo". Ele também escreveu que achou as fitas suicidas de Hannah "um exemplo prolongado da adolescente que fantasia como todos reagirão quando ela tiver morrido. A história... me parece tão notável, mesmo que, perigosamente, ingênua em sua compreensão de suicídio, até que inclui uma horrível e penúltima cena de Hannah abrindo seus pulsos em uma banheira".[24]

David Wiegand, do San Francisco Chronicle, deu uma crítica morna para a série, dizendo que a série era atormentada por inconsistências de caráter, principalmente Hannah. Ele elogiou o "desempenho impressionante" de Katherine Langford, mas disse: "Há momentos em que simplesmente não acreditamos nos personagens, quando o que eles fazem ou dizem não é consistente com quem nos fizeram acreditar ser... Às vezes, [Hannah] é auto-possuída e indiferente, na melhor das hipóteses, em relação ao comportamento dos estudantes populares. Em outras ocasiões, no entanto, pequenas desconsiderações que passam despercebidas parecem levá-la em direção à um colapso emocional. Sem dúvidas, os adolescentes passam por um constante giro de emoções conflitantes, mas o roteiro empurra os limites da credibilidade aqui e ali". Ele disse que, em geral, a série funcionou: "A estrutura é fantasmagórica e os personagens são inconsistentes, mas ainda existem pelo menos 13 Reasons Why da série ser digna".[25]

A série também foi elogiada por ensinar como os adolescentes podem ter problemas na vida real e como o ocultamento emocional pode levar alguém a se suicidar. Algumas pessoas adoraram e amaram Hannah, mas exemplos e momentos de dor e tristeza a levaram ao suicídio. Hannah foi tratada de forma diferente pelas pessoas ao seu redor e passou por experiências de bullying e estupro.[26]

Impacto social[editar | editar código-fonte]

A série gerou controvérsia em relação à sua representação de suicídio e auto-mutilação, fazendo com que a Netflix adicionasse grandes avisos antes do primeiro episódio. Alguns psicólogos escolares e educadores alarmaram sobre a série. O superintendente das escolas de Palm Beach County, na Flórida, Estados Unidos, teria dito para alguns pais que suas escolas haviam tido um aumento nos comportamentos suicidas e de auto-mutilações dos estudantes, e que alguns destes estudantes "associaram seus comportamentos de risco à série da Netflix, 13 Reasons Why".[27]

O serviço australiano de saúde mental para jovens de 12 à 25 anos, o Headspace, emitiu um aviso no final de abril de 2017 em relação ao conteúdo gráfico apresentado na série devido ao aumento do número de ligações para o serviço após o lançamento da série no país.[28][29][30]

Em resposta à natureza gráfica da série e à alta taxa de suicídio de adolescentes na Nova Zelândia, que foi a maior entre os 34 países da OECD durante 2009 à 2012,[31][32] o Office of Film & Literature Classification do país criou uma nova classificação, "RP18", permitindo que pessoas com idade igual ou superior a 18 anos assistam à série sozinhas, e as com idade inferior a 18 anos assistam com a supervisão de um pai ou responsável.[33][34]

Referências

  1. «13 Reasons Why». instantwatcher.com. Consultado em 2 de abril de 2017 
  2. «'Spotlight's Brian d'Arcy James Cast In Netflix Series '13 Reasons Why', Joins TNT Pilot 'Civil'». Deadline.com. 15 de junho de 2016 
  3. «Diana Son Joins Selena Gomez's Netflix Series '13 Reasons Why' As Showrunner». Deadline.com. 26 de fevereiro de 2016. Consultado em 16 de setembro de 2016 
  4. «'13 Reasons Why' Netflix Series: Dylan Minnette & Katherine Langford Lead Cast». Deadline.com. 8 de junho de 2016. Consultado em 16 de setembro de 2016 
  5. a b «13 Reasons Why: Season 1 (2017)». Rotten Tomatoes. 1 de abril de 2017. Consultado em 4 de abril de 2017 
  6. «'13 Reasons Why' Renewed for a Second Season at Netflix». Variety. 7 de maio de 2017. Consultado em 7 de maio de 2017 
  7. «Selena Gomez To Star In '13 Reasons Why': Movie, adapted from Jay Asher's young adult novel, looks back at a girl's reasons for committing suicide.». MTV News. 9 de fevereiro de 2011. Consultado em 11 de abril de 2012 
  8. «Netflix Gives Selena Gomez's '13 Reasons Why' Straight-To-Series Order». Deadline.com. Consultado em 29 de outubro de 2015 
  9. a b «Spotlight's Tom McCarthy To Direct & Produce Selena Gomez's Netflix Series '13 Reasons Why' From Paramount TV». Deadline.com. 25 de fevereiro de 2016. Consultado em 19 de julho de 2016 
  10. «Marin Netflix series shoot brings economic benefits». Marin Independent Journal. 23 de junho de 2016. Consultado em 4 de abril de 2017 
  11. «Selena Gomez-produced Netflix series shooting in Marin brings economic benefits». The Mercury News. 24 de junho de 2016. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  12. «'13 Reasons Why Gets Netflix Premiere Date». Deadline.com. 25 de janeiro de 2017. Consultado em 1 de abril de 2017 
  13. «How Netflix's 13 Reasons Why Is the Most Important YA Adaptation Yet». PopSugar Celebrity UK. 7 de abril de 2017 
  14. «13 Reasons Why: Season 1 reviews». Metacritic. 6 de abril de 2017. Consultado em 4 de abril de 2017 
  15. a b c d «13 Reasons Why: Season 1 Review». IGN. 6 de abril de 2017. Consultado em 6 de abril de 2017 
  16. a b «"Yes, '13 Reasons Why' is for young adults. It's still very good."». The Boston Globe. 7 de abril de 2017. Consultado em 6 de abril de 2017 
  17. a b c «TV Review: '13 Reasons Why' on Netflix». Variety. 7 de abril de 2017. Consultado em 6 de abril de 2017 
  18. «13 Reasons Why: EW review». Entertainment Weekly. 8 de abril de 2017. Consultado em 7 de abril de 2017 
  19. a b c d «'13 Reasons Why': TV review». The Hollywood Reporter. 8 de abril de 2017. Consultado em 8 de abril de 2017 
  20. «13 Reasons To Watch 13 Reasons Why». The MagZone. 30 de maio de 2017. Consultado em 30 de maio de 2017 
  21. a b c «'13 Reasons Why' review: Netflix brings a brutally adult edge to a tale of teen suicide». IndieWire. 10 de abril de 2017. Consultado em 8 de abril de 2017 
  22. «Review: '13 Reasons Why' She Killed Herself, Drawn Out on Netflix». The New York Times. 10 de abril de 2017. Consultado em 10 de abril de 2017 
  23. «13 Reasons Why review – sex, drugs and mixtapes in Netflix's high-school horror show». The Guardian. 11 de abril de 2017. Consultado em 12 de abril de 2017 
  24. «'Thirteen Reasons Why' shows how adults can really mess up teen angst». The Washington Post. 12 de abril de 2017. Consultado em 12 de abril de 2017 
  25. «'13 Reasons' why Netflix drama works despite gimmickry». SFGate. 19 de abril de 2017. Consultado em 19 de abril de 2017 
  26. «13 reasons why: EW review». Entertainment Weekly. 22 de maio de 2017. Consultado em 22 de maio de 2017 
  27. «Educators and school psychologists raise alarms about '13 Reasons Why'». The Washington Post. 2 de maio de 2017. Consultado em 2 de maio de 2017 
  28. «13 Reasons Why: Headspace issues warning over new Netflix show». Community Newspaper Group. 19 de abril de 2017. Consultado em 19 de abril de 2017 
  29. «Netflix series 13 Reasons Why under fire from mental health experts». news.com.au. 18 de abril de 2017. Consultado em 19 de abril de 2017 
  30. «headspace: dangerous content in 13 Reasons Why». headspace.org.au. 19 de abril de 2017. Consultado em 19 de abril de 2017 
  31. «The Social Report 2016 – Te pūrongo oranga tangata». Ministry of Social Development - New Zealand Government. 6 de abril de 2017. Consultado em 28 de abril de 2017 
  32. «The highest rate of teen suicide in the developed world». stuff.co.nz. 16 de outubro de 2016. Consultado em 28 de abril de 2017 
  33. «New Zealand teens can only watch Netflix show 13 Reasons Why with their parents». BBC. 27 de abril de 2017. Consultado em 28 de abril de 2017 
  34. «13 Reasons Why: Censors make new RP18 rating for controversial Netflix show». stuff.co.nz. 27 de abril de 2017. Consultado em 28 de abril de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]