Adolph Francis Alphonse Bandelier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adolph Francis Alphonse Bandelier
Nascimento 6 de agosto de 1840
Berna, Suíça
Morte 18 de março de 1914 (73 anos)
Sevilha, Espanha
Residência Suíça
Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos americano
Ocupação Arqueólogo, antropólogo

Adolph Francis Alphonse Bandelier (Berna, 6 de agosto de 1840 – Sevilha, 18 de março de 1914) foi um arqueólogo americano, que destacou-se especialmente nos estudos da região sudoeste dos Estados Unidos e cujo nome foi homenageado quando da criação do Monumento Nacional Bandelier no Novo México.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bandelier nasceu em Berna, na Suíça. Quando jovem, emigrou para os Estados Unidos, mas estava insatisfeito trabalhando nos negócios da família. Sob a orientação do antropólogo pioneiro Lewis Henry Morgan, conseguiu uma bolsa de estudo, mais especificamente para trabalhos arqueológicos e etnológicos entre os indígenas do sudoeste dos Estados Unidos, México e América do Sul. Iniciou seus estudos no deserto de Sonora (México), Arizona e Novo México, e tornou-se a principal autoridade sobre a história desta região, e - com Frank Hamilton Cushing e seus sucessores - uma das maiores autoridades sobre a sua civilização pré-histórica.

Em 1892 trocou essa região pelo Equador, Bolívia e Peru, onde continuou com as investigações etnológicas, arqueológicas e históricas. No campo etnológico, parte de seus trabalhos esteve relacionado com a Hemenway Archaeological Expedition e no campo arqueológico, trabalhou para Henry Villard de Nova Iorque, e para o Museu Americano de História Natural da mesma cidade. Bandelier mostrou a falsidade de vários mitos históricos, particularmente em suas conclusões a respeito da civilização Inca do Peru.

Enquanto esteve no povoado de Isleta, encontrou seu amigo de muitos anos, o padre Anton Docher,[1] O Padre de Isleta[2] e Charles Fletcher Lummis.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Universidade Harvard, Peabody Museum of American Archaeology and Ethnology, Annual Reports, 1877, 1878, 1879:
    • On the Art of War and Mode of Warfare of the Ancient Mexicans
    • On the Distribution and Tenure of Lands and the Customs with respect to Inheritance among the Ancient Mexicans
    • On the Social Organization and Mode of Government of the Ancient Mexicans
  • Do Papers of the Archaeological Institute of America, American Series, constituting vols. i.-v.:
    • Historical Introduction to Studies among the Sedentary Indians of New Mexico, and Report on the Ruins of the Pueblo of Pecos (1881)
    • Report of an Archaeological Tour in Mexico in 1881 (1884)
    • Final Report of Investigations among the Indians of the South-western United States (1890—1892, 2 vols.)
    • Contributions to the History of the South-western Portion of the United States carried on mainly in the years from 1880 to 1885 (1890)
  • "The Romantic School of American Archaeologists" (New York Historical Society, 1885)
  • The Gilded Man (El Dorado) and other Pictures of the Spanish Occupancy of America (1893)
  • On the Relative Antiquity of Ancient Peruvian Burials (American Museum of Natural History, Bulletin, v. 30, 1904)
  • Aboriginal myths and traditions concerning the island of Titicaca, Bolivia. (1904)
  • The Journey of Alvar Nuñez Cabeza de Vaca ... from Florida to the Pacific, 1528-1536 (editor, traduzido para o inglês por sua esposa; 1905).

Notas

  1. Samuel Gance. Anton ou la trajectoire d'un père. L'Harmattan, 2013, p.155-159.
  2. Keleher and Chant. The Padre of Isleta. Sunstone Press, 2009, p. 41.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]