Almostacfi I do Cairo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Al-Mustakfi I do Cairo)
Ir para: navegação, pesquisa
Almostacfi I
Califa Abássida no Cairo
Reinado 13021340
Antecessor(a) Al-Hakim I
Sucessor(a) Aluatique I
Dinastia Abássida
Nascimento 1285
Morte 1340 (55 anos)
Filho(s) Aláqueme II
Almutadide I
Pai Aláqueme I

Abu Arrabi Solimão Almostacfi Bilá (Abu ar-Rabi Sulayman al-Mustakfi bi-llah), melhor conhecido como Almostacfi I do Cairo (em árabe: المستكفي بالله),[1] foi o terceiro califa abássida do Cairo sob os sultões mamelucos do Egito entre 1302 e 1340.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O sultão mameluco Nácer Maomé iniciou seu reinado em 1293, com apenas nove anos de idade, sob a supervisão do emir Kitbugha, que era quem detinha o poder de fato no Sultanato Mameluco.[2] Em 1295, o emir desiste da farsa e toma o poder de fato, aprisionando Nácer na fortaleza de al-Karak. Dois anos depois, Kitbugha foi destronado pelo futuro sultão Lajin, cujo reinado é tão desastroso quanto o de Kitbugha, e ele termina também destronado pelos emires, que finalmente chamam de volta Nácer de volta ao trono.[3]

Em janeiro de 1299, ainda sem idade para governar, permanece sob a tutela de dois emires rivais, Ruquinadine Baibars e Salar Ceifadim.[4][5] Em dezembro do mesmo ano, os mongóis, liderados por Gazã e seus aliados do Reino Armênio da Cilícia invadiram a Síria, derrotando os exércitos mamelucos na Batalha de Uádi Alcazandar (22 e 23 de dezembro de 1299), perto de Homs.[5] Em janeiro de 1300, Damasco cai sem luta.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Em 1303, Gazã invadiu novamente a Síria, cruzando o Eufrates em Hila. O sultão Nácer deixou o Cairo com Almostacfi em 23 de março e chegando em Damasco em 19 de abril, uma sexta-feira e o primeiro dia do mês de Ramadã. Na Batalha de Marje Alçafar, Nácer conseguiu uma vitória contra os mongóis na presença de Almostacfi, que marcou a última tentativa mongol de invadir a Síria mameluca.

Na política doméstica, porém, o poder do califa é nulo. Ele ainda mantém alguma influência na política externa, principalmente entre os governantes muçulmanos que buscam legitimar seu poder. Em 1307-1308, Almostacfi enviou uma carta ao governante rasulida iemenita Almuaiade Daude, na qual ele critica, entre outras coisas, a falha no abastecimento de grãos a Meca e ameaça represálias.[6]

Nácer Muhammad se torna cada vez mais impaciente com a tutela dos emires Ruquim Adim Baibars e Salar Ceifadim e planejou eliminá-los, mas acabou desistindo frente aos riscos da operação. Então, ele finge que está indo para Meca realizar a hajj e leva os dois consigo. No caminho, ele foi impedido de continuar em al-Karak e os dois emires o obrigam a abdicar. Baibars II foi então proclamado sultão. Nácer, no entanto, recebeu o apoio dos governantes de Homs e Aleppo.[7] Apesar das ameaças de Baibars II, Nácer conseguiu juntar um exército mais poderoso que o do rival e Salar Ceifadim se aproveita para debandar.[8] Como consequência, Baibars II abdicou e fugiu, sendo capturado e estrangulado perante Nácer. Salar Ceifadim foi preso, suas propriedades foram confiscadas e ele foi deixado para morrer de fome. Em 5 de abril de 1310, Nácer Maomé subiu ao trono pela terceira vez,[8] desta vez livre de seus guardiões e com amplos poderes.

Em 1336, Nácer mandou prender Almostacfi e toda a sua família na cidadela do Cairo e depois os exilou em Qûs.[9] O califa morreu entre 1339 e 1340. Nácer impede que o filho de Almostacfi o suceda e nomeia al-Wathiq como califa. Ao contrário, porém, do que aconteceu em 1302, desta vez não é o sultão que jurou fidelidade ao califa e sim o inverso.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Almostacfi I do Cairo
Nascimento:  ? Morte: 1340
Precedido por:
Aláqueme I
Califas do Cairo
1302-1340
Sucedido por:
Aluatique I

Referências

  1. Dias 1940, p. 289.
  2. André Clot. L'Égypte des Mamelouks 1250-1517. L'empire des esclaves. L'âge d'or. [S.l.: s.n.] p. 120 
  3. André Clot. L'Égypte des Mamelouks 1250-1517. L'empire des esclaves. L'âge d'or. [S.l.: s.n.] p. 121 
  4. André Clot o chama em sua obra de Sayf al-Din Safar, mas o nome em árabe é: sayf al-dīn salār, ar.
  5. a b André Clot. L'Égypte des Mamelouks 1250-1517. L'empire des esclaves. L'âge d'or. [S.l.: s.n.] p. 122 
  6. Urbain Vermeulen (1995). Egypt and Syria in the Fatimid, Ayyubid and Mamluk eras, Partie 1. Une lettre du calife Al-Mustakfî à Dâwud b. Yûsuf b. Rasûl (707 A.H.). [S.l.]: Peeters Publishers. p. 363-364. ISBN 978-90-6831-683-4 
  7. André Clot. L'Égypte des Mamelouks 1250-1517. L'empire des esclaves. L'âge d'or. [S.l.: s.n.] p. 124 
  8. a b André Clot. L'Égypte des Mamelouks 1250-1517. L'empire des esclaves. L'âge d'or. [S.l.: s.n.] p. 125 
  9. a b M. W. Daly & Carl F. Petry (1998). The Cambridge History of Egypt: Islamic Egypt, 640-1517. 1. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 256. ISBN 978-0-521-47137-4 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dias, Eduardo (1940). Árabes e muçulmanos. Lisboa: Livraria Clássica 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]