Almuti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Almuti
Miralmuminim
Fals cunhado em nome do califa Almuti e do emir samânida Almançor I em Bucara em 964/65
23.º califa do Califado Abássida
Reinado 28 de janeiro de 946 – 5 de agosto de 974
Antecessor(a) Almostacfi
Sucessor(a) Altai
 
Nascimento 913/4
  Baguedade
Morte 12 de outubro de 974
  Dair Alcul
Dinastia abássida
Pai Almoctadir
Mãe Maxala
Religião Islão sunita

Abu Alcácime Alfadle ibne Almoctadir (em árabe: أبو القاسم الفضل بن المقتدر; romaniz.: Abū ʾl-Qāsim al-Faḍl ibn al-Muqtadir; 913/14 – setembro/outubro de 974), mais conhecido por seu nome de reinado de Almuti Lilá (em árabe: المطيع لله; romaniz.: al-Mutīʿ li-ʾllāh[1]), foi o califa do Califado Abássida em Baguedade de 946 a 974, governando sob a tutela dos emires buídas. O reinado de Almuti representou o nadir do poder e autoridade do Califado Abássida. Durante as décadas anteriores, a autoridade secular dos califas encolheu para o Iraque, e mesmo lá foi reduzida por poderosos senhores da guerra; agora foi abolido inteiramente pelos buídas. Almuti foi elevado ao trono e foi efetivamente reduzido a um títere, embora com alguns vestígios de autoridade sobre nomeações judiciais e religiosas no Iraque. No entanto, o próprio fato de sua subordinação e impotência ajudou a restaurar alguma estabilidade à instituição do califa: em forte contraste com seus predecessores de curta duração e violentamente depostos, Almuti desfrutou de um mandato longo e relativamente incontestável, e foi capaz de entregar o trono para seu filho Altai.

O prestígio de Almuti como líder nominal do mundo muçulmano declinou rapidamente durante seu mandato. Os rivais regionais dos buídas atrasaram o reconhecimento do califado de Almuti, vendo nele apenas um fantoche buída, enquanto sua incapacidade de responder efetivamente aos avanços bizantinos manchou sua reputação. Mais importante, a ascensão dos regimes xiitas em todo o Oriente Médio desafiou diretamente a predominância sunita e abássida. Os próprios buídas eram xiitas, e sua manutenção do Califado Abássida foi puramente por conveniência. Mais a oeste, o Califado Fatímida em expansão representou um desafio direto aos abássidas e, durante o reinado de Almuti, conquistou o Egito e começou a se expandir para o Levante, ameaçando a própria Baguedade.

Vida[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Dinar de Almoctadir (r. 908–932)
Dirrã de Almostacfi (r. 944–946)

O futuro Almuti nasceu em 913/14 como Alfadle, filho do califa Almoctadir (r. 908–932) e uma concubina eslava, Maxala.[2] Era irmão dos califas Arradi (r. 934–940) e Almutaqui (r. 940–944).[3] Durante os reinados de Arradi e Almutaqui, os califas perderam o poder para uma série de homens fortes militares, que com o título de emir de emires (comandante-em-chefe, lit. 'emir-chefe') controlavam os abássidas.[4][5] O próprio Almutaqui havia sido elevado ao trono pelo emir de emires Bajecã, mas tentou seduzir os vários senhores da guerra regionais - principalmente os hamadânidas de Moçul - para recuperar a independência e a autoridade de seu cargo. Essas tentativas terminaram em fracasso, e sua deposição e cegueira pelo emir de emires Tuzum em setembro de 944.[6][7]

Como chefe dos filhos restantes de Almoctadir e irmão dos dois califas anteriores, Alfadle era um candidato óbvio ao trono.[8] Tuzum, no entanto, escolheu Almostacfi (r. 944–946), filho do califa Almoctafi (r. 902–908), em vez disso.[9] Diz-se que Almostacfi e Alfadle já se odiavam durante sua estadia no Palácio Taírida como jovens príncipes. Não só eram membros de duas linhas de sucessão rivais, mas suas personalidades eram diametralmente opostos: enquanto Alfadle, como seu pai, era famoso por sua piedade, Almostacfi ofendia a opinião piedosa por sua associação com a milícia aiarum - extraída das classes urbanas mais pobres, eram frequentemente criticados como encrenqueiros e suspeitos de sua associação com grupos heterodoxos e sectários como os sufis[10][11] — e sua participação em jogos 'vulgares'. Uma vez que Almostacfi foi entronizado, enviou seus agentes para capturar Almuti, mas este já havia se escondido, e o califa teve que se contentar em demolir sua casa.[8] Esse ato fútil só serviu para marcar Alfadle como um rival sério; ao saber disso, o vizir veterano, Ali ibne Issa Aljarrá, teria dito que "hoje ele [Alfadle] foi reconhecido como herdeiro do trono".[1]

Califado[editar | editar código-fonte]

Ascensão ao trono[editar | editar código-fonte]

Oriente Médio em cerca de 970, com os domínios buídas sinalizados no centro

Em dezembro de 945, as tropas dailamitas do governante buída Muiz Daulá (r. 945–967) tomaram Baguedade. Muiz Daulá tornou-se o 'protetor' de fato do califa, embora o título de emir de emires aparentemente tenha passado para seu irmão mais velho, Imade Daulá, que era considerado o principal emir buída.[12][a] Em 29 de janeiro de 946 (ou 9 de março, de acordo com outros relatos), Almostacfi foi deposto,[3][13] e no mesmo dia, Muiz Daulá elevou Alfadle ao califado, com o nome real de Almuti Lilá (lit. 'Obediente a Deus').[14][15] O súbito reaparecimento de Almuti, e sua ascensão ao trono, foi aparentemente uma surpresa aos contemporâneos, e levou a histórias de que ele já havia conspirado com os buídas desde a ascensão de Almoctafi.[16] O deposto Almostacfi foi cegado, aparentemente como um ato de vingança iniciado por Almuti, e passou o resto de sua vida como prisioneiro no palácio califal, onde morreu em setembro de 949.[17]

Fontes medievais tendiam a justificar essa mudança por motivos religiosos. Os buídas e seus seguidores eram simpatizantes xiitas, e dois cronistas posteriores, Maomé ibne Abedal Maleque Alhamadani (falecido em 1127) e ibne Alatir (falecido em 1233), relatam que Muiz Daulá brincou com a ideia de depor os abássidas e instalar um alida no trono de Baguedade, apenas para ser dissuadido por seu secretário, Abu Jafar Açaimari, que apontou que num confronto entre ele e um califa xiita, os soldados dailamitas provavelmente ficariam do lado dos últimos.[14][18] Esta é claramente uma interpolação anacrônica posterior,[b] e o historiador John Donohue nega qualquer motivação religiosa no depoimento de Almostacfi. Outros cronistas fornecem vários motivos, como as intrigas do califa com os hamadânidas, ou Alfadle emergindo de seu esconderijo e incitando o governante buída contra seu primo, mas o principal motivo provavelmente era simplesmente que Muiz Daulá desejava ter um califa que estava sob seu controle total sem fontes externas de apoio.[19]

Relação com os buídas[editar | editar código-fonte]

"[Os buídas] não pretendiam derrubar a ordem estabelecida, mas encontrar um lugar nela e, como muitos dos líderes germânicos que assumiram o poder no Império Romano no século V, estavam mais preocupados em manter o status quo e obter legitimidade dele do que destruí-lo".

Historiador Hugh Kennedy sobre a retenção do Califado Abássida pelos buídas[20]

Almuti era uma figura fraca, para todos os efeitos, um governante fantoche do governante buída do Iraque, primeiro Muiz Daulá e depois seu filho, Iz Daulá (r. 967–978). Como resultado de sua falta de poder real, o próprio Almuti mal aparece nas crônicas de seu reinado, e os historiadores medievais geralmente consideram seu mandato como o ponto mais baixo do Califado Abássida,[3] uma opinião compartilhada por estudiosos modernos também.[21] Em teoria, os buídas e todos os seus oficiais no Iraque continuaram a agir em nome do califa, e todas as nomeações e atos legais continuaram a ser feitos em seu nome.[20][22] Na prática, Almuti foi privado de qualquer autoridade significativa. Em troca de poder levar uma vida confortável e segura nos vastos palácios califais, serviu para dar legitimidade ao novo regime buída aos olhos do mundo muçulmano.[3][23] As opções de abolir o califado ou instalar um alida como califa foram rapidamente rejeitadas, se alguma vez fossem seriamente cogitadas: tal ato causaria ampla oposição, outro califado sunita poderia facilmente ser estabelecido em outro lugar, mas um califa dócil sob o controle buída ajudaria a manter a obediência da maioria sunita ao novo regime, bem como emprestar seu peso simbólico aos buídas em suas relações com os demais príncipes muçulmanos.[20][24] Além disso, havia uma falta de candidatos alidas adequados: o último imame xiita duodecimano, que representava a principal vertente de seguidores xiitas nos domínios buídas, foi considerado oculto setenta anos antes, e a doutrina zaidita sustentou que os imames deveriam tomar o poder se quisessem ser legítimos.[20][25]

Os buídas rapidamente se integraram ao sistema abássida tradicional e buscaram avidamente a legitimidade conferida pelo califa, na forma de títulos honoríficos e diplomas de governo, ou em sua assinatura em tratados.[26] Ao mesmo tempo, Almuti foi efetivamente reduzido a um funcionário público assalariado, e sua responsabilidade foi reduzida à supervisão do judiciário, das instituições religiosas e dos assuntos dos membros do clã abássida mais amplo.[27] O secretário-chefe do califa não era mais denominado 'vizir', mas apenas 'secretário' (cátibe), e seu papel se limitava à administração do divã alquilafa (diuan al-ḫilafa), um departamento que gerenciava as propriedades do califa, a atribuição formal de títulos e cargos e certificados em nome do califa, e a nomeação de juízes e jurados.[28] Na realidade, as nomeações judiciais também estavam sob a alçada do emir buída, mas pelo menos aos mais antigos, como o chefe cádi de Baguedade, esperava-se que o califa fornecesse seu consentimento, o manto de honra e o diploma necessário. Com uma exceção conhecida, Almuti geralmente cumpria as nomeações do emir.[29]

Os buídas vigiavam de perto o califa, especialmente durante seus conflitos periódicos com os hamadânidas, para que não tentasse desertar para eles, como Almutaqui havia feito. Durante as batalhas do verão de 946, quando os hamadânidas ocuparam brevemente o leste de Baguedade, foi mantido em prisão domiciliar numa igreja no oeste da cidade e não foi libertado até que fizesse um juramento de lealdade aos buídas.[30] Sempre que Muiz Daulá fazia campanha contra os rebeldes ao sul de Baguedade, Almuti era forçado a acompanhar o governante buída, para que não desertasse ao norte, para os hamadânidas. Por outro lado, quando o emir buída fez campanha contra os hamadânidas no norte, Almuti foi deixado para trás em Baguedade.[31] Em 948/49, Ispaduste, cunhado de Muiz Daulá, foi preso sob suspeita de conspirar com Almuti (ou com um alida não identificado).[32]

Ao assumir o poder, Muiz Daulá distribuiu os antigos domínios da coroa califal à manutenção do exército, e Almuti teve que se contentar com um salário diário de 2 mil dirrãs de prata. Quando Baçorá foi recuperado da família barídida logo depois, recebeu extensas posses lá, aumentando sua renda para 200 mil dinares de ouro por ano.[33][34] Embora o declínio geral do Iraque posteriormente tenha reduzido sua renda em três quartos de seu valor original, isso permitiu ao califa apoiar financeiramente os membros do clã abássida necessitados e fazer ricas doações à Caaba.[33] A renda também foi suficiente à construção de uma série de pavilhões no terreno do palácio califal: o Palácio do Pavão (Dar Atauauis), a Casa Octogonal (Dar Almutamana) e a Casa Quadrada (Dar Almurabaa).[35][36]

As relações conturbadas entre o califa e os buídas gradualmente assumiram caráter mais regular e tranquilo: os buídas pelo menos formalmente respeitavam as responsabilidades remanescentes do califa, e Almuti aparentemente aceitou seu papel subserviente, recuperou alguma liberdade de ação e manteve relações cordiais com Muiz Daulá.[37][38] Em 955/56, Muiz Daulá até nomeou seu filho de 13 anos, o futuro Iz Daulá, como camareiro do califa.[39] A exceção mais notável ao bom relacionamento entre o califa e o emir de emires foi a tentativa deste último de alugar a nomeação do cádi chefe de Baguedade para Abedalá ibne Abi Axauaribe por 200 mil dirrãs por ano entre 961 e 963. Isso foi contestado por estudiosos sunitas e xiitas como ilegal, e Almuti recusou-se a assinar as nomeações feitas por Muiz Daulá durante este período.[27][40] Esta é também quase a única referência nas fontes à atividade de Almuti na esfera religiosa ou judicial; caso contrário, seu reinado é ignorado em silêncio.[41]

Dinar de ouro do iquíxida Abul Misque Cafur (r. 966–968) cunhado em 966 em Ramla, Palestina, em nome de Almuti

Um corolário positivo dessa subserviência foi a estabilidade.[3] Embora de disposição doentia, Almuti reinou como califa por 29 anos islâmicos e quatro meses, em total contraste com seus predecessores de vida curta, e ao contrário deles teve que enfrentar notavelmente poucos pretendentes rivais ao califado.[42] Um neto de Almoctafi rebelou-se na Armênia em 960 e reivindicou o califado como Almostajir Bilá antes de ser derrotado pelos governantes saláridas locais.[43][44] Em 968, Alboácem Maomé, filho de Almostacfi, que havia fugido à corte de iquídixa no Egito, ganhou apoio considerável no Iraque ao esconder sua identidade e se passar por Mádi (o messias islâmico). O principal convertido à sua causa foi um comandante buída, o turco Sabuqueteguim Alajami, que lhe deu proteção e estava se preparando para montar um golpe em seu nome, antes que sua identidade fosse descoberta e ele fosse entregue a Almuti.[44][45] O califa não o puniu severamente, além de ordenar que seu nariz fosse cortado, desqualificando-o assim da sucessão;[46] a sucessão califal doravante permaneceu firmemente com a linhagem de Almoctadir.[47]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Com a morte de Imade Daulá em 949, o título de emir de emires passou ao irmão do meio, Roquém Daulá, enquanto Muiz Daulá continuou a governar o Iraque e a 'proteger' o califa como vice de seu irmão.[48]
[b] ^ Alhamadani nomeia o rássida zaidita e imame Alboácem Maomé ibne Iáia como o candidato preferido, e ibne Alatir afirma que foi o ismaelita e Califa fatímida Almuiz Aldim Alá. Ambos estão incorretos, já que Alboácem havia morrido nove anos antes, e Almuiz Aldim Alá só ascendeu ao trono em 953.[18]

Referências

  1. a b Bowen 1928, p. 392.
  2. Güner 2006, p. 40.
  3. a b c d e Zetterstéen & Bosworth 1993, p. 799.
  4. Kennedy 2004, p. 191–197.
  5. Busse 2004, p. 17–19.
  6. Busse 2004, p. 21–24.
  7. Kennedy 2004, p. 196, 312.
  8. a b Busse 2004, p. 25.
  9. Busse 2004, p. 23.
  10. Tor 2014.
  11. Donohue 2003, p. 340–346.
  12. Donohue 2003, pp. 13–14, 18.
  13. Özaydin 2006, p. 139.
  14. a b Bowen 1928, p. 392.
  15. Busse 2004, pp. 27, 153.
  16. Busse 2004, p. 27.
  17. Busse 2004, pp. 158–159.
  18. a b Donohue 2003, pp. 14–15.
  19. Donohue 2003, pp. 15–17.
  20. a b c d Kennedy 2004, p. 216.
  21. Hanne 2007, p. 101.
  22. Donohue 2003, p. 266.
  23. Kennedy 2004, pp. 216, 239.
  24. Cahen 1960, p. 1350.
  25. Cahen 1960, pp. 1350, 1352.
  26. Donohue 2003, pp. 265–266.
  27. a b Güner 2006, p. 401.
  28. Busse 2004, pp. 229–230, 312–313.
  29. Donohue 2003, p. 121.
  30. Busse 2004, pp. 143, 189.
  31. Busse 2004, p. 143.
  32. Donohue 2003, p. 40.
  33. a b Busse 2004, pp. 149–150.
  34. Donohue 2003, p. 17.
  35. Le Strange 1922, p. 259.
  36. Busse 2004, p. 191.
  37. Donohue 2003, pp. 51, 62.
  38. Busse 2004, pp. 27–28.
  39. Donohue 2003, pp. 51, 52.
  40. Busse 2004, pp. 266–267.
  41. Busse 2004, p. 137.
  42. Donohue 2003, pp. 18, 263.
  43. Donohue 2003, p. 263.
  44. a b Busse 2004, p. 29.
  45. Donohue 2003, pp. 56, 263–264.
  46. Busse 2004, p. 158.
  47. Busse 2004, pp. 28, 29.
  48. Donohue 2003, p. 19 (especialmente nota 18).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bowen, Harold (1928). The Life and Times of ʿAlí Ibn ʿÍsà, 'The Good Vizier'. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia. OCLC 982525160 
  • Busse, Heribert (2004) [1969]. Chalif und Grosskönig - Die Buyiden im Irak (945-1055) [Caliph and Great King - The Buyids in Iraq (945-1055)] (em alemão). Vurzburgo: Ergon Verlag. ISBN 3-89913-005-7 
  • Donohue, John J. (2003). The Buwayhid Dynasty in Iraq 334 H./945 to 403 H./1012: Shaping Institutions for the Future. Leida e Boston: Brill. ISBN 90-04-12860-3 
  • Kennedy, Hugh N. (2004). The Prophet and the Age of the Caliphates: The Islamic Near East from the 6th to the 11th Century (Second ed. Harlow, RU: Pearson Education Ltd. ISBN 0-582-40525-4