Alfredo Cortês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Esta página contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Alfredo Cortez
Nome completo Alfredo Ferreira Cortez
Pseudónimo(s) Carlos Santiago
Nascimento 29 de julho de 1880
Estremoz
Morte 7 de abril de 1946 (65 anos)
Oliveira de Azeméis
Nacionalidade português
Cônjuge D. Dulce Maria de Carvalho Lopes Godinho
Ocupação dramaturgo e magistrado
Prémios Prémio Gil Vicente (1936) SNI

Alfredo Ferreira Cortez (Estremoz, 29 de Julho de 1880 - Oliveira de Azeméis, 7 de Abril de 1946) foi um dramaturgo e magistrado português que recebeu o Prémio Gil Vicente em 1936.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alfredo Cortês (também grafado Cortez), nasceu em 29 de Julho de 1880, em Estremoz (Distrito de Évora).[1]

Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra no ano de 1905, seguindo a carreira da magistratura. Nos anos de 1929 e 1930 exerceu o cargo de juiz de investigação criminal em Angola. Fixou-se depois em Lisboa.

Estreou-se nas lides teatrais em 1921, provocando sensação com a peça Zilda, representada no Teatro Nacional D. Maria II por Amélia Rey Colaço. Seguiu-se igual êxito com a peça O Lodo, em 1923. Entre aqueles anos e 1944, situa-se a sua mais significativa produção literária, incluindo onze títulos publicados que foram, também, outros tantos sucessos de crítica e bilheteira, quando não de censura e escândalo.

Em 1936, a peça Tá Mar valeu-lhe o Prémio Gil Vicente do Secretariado Nacional de Informação.[2]

Para o cinema, foi autor do argumento e dos diálogos do filme de Leitão de Barros, Ala-Arriba!, de 1942. Pelas suas qualidades cénicas e literárias conquistou um lugar cimeiro entre os autores teatrais do seu tempo. A sua obra, considerada de expressão rigorosa e linear, revela um perfeito domínio da técnica teatral, posta ao serviço de uma análise impiedosa aos costumes da sociedade portuguesa contemporânea.

Alfredo Cortez morreu em 7 de Abril de 1946, em Oliveira de Azeméis.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

Peças teatrais[editar | editar código-fonte]

  • 1921 - Zilda
  • 1923 - O Lodo
  • 1934 - Gladiadores
  • 1936 - Tá-Mar
  • 1938 - Saias
  • 1938 - Bâton

[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Ficha de Pessoa : "Alfredo Cortez"». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 5 de Julho de 2012. Consultado em 19 de setembro de 2017 
  2. Moura, Nuno Costa (2007). «Apêndice 7 : Prémios Artísticos (entre 1959 e 1973)». "Indispensável dirigismo equilibrado" : O Fundo de Teatro entre 1950 e 1974 : (Volume II) (PDF) (Tese de Mestrado). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. p. 37. Consultado em 18 de maio de 2016 
Bibliografia
  • Portugal Século XX - Portugueses Célebres. Lisboa: Círculo de Leitores. 2003. p. 96 
  • O Grande Livro dos Portugueses. Lisboa: [s.n.] ISBN 972-42-0143-0 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]