Ana Rüsche

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ana Rüsche
Nascimento 14 de setembro de 1979 (41 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira e alemã
Alma mater Universidade de São Paulo
Ocupação escritora, professora e pesquisadora
Prémios
  • Versos femininos - Prefeitura Municipal de São Paulo (2004)
  • PAC - Governo do Estado de São Paulo (2006)
  • Prêmio Nascente da USP (2008) (finalista)
  • ProaC - Governo do Estado de São Paulo (2009)
Gênero literário ficção, ficção especulativa e poesias
Magnum opus Furiosa

Ana Rüsche (São Paulo, 14 de setembro de 1979) é uma escritora, professora e pesquisadora brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ana nasceu na capital paulista, em 1979. É bacharel em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas e em Direito pela Universidade de São Paulo, com mestrado em Direito Internacional pela Faculdade de Direito do Largo do São Francisco e doutorado em Estudos Literários e Linguísticos em Inglês, também pela USP.[1]

Ingressou na poesia com Rasgada (2005, publicado junto com “Medianeira” de Fábio Aristimunho Vargas), obra traduzida e publicada no México (2008, trad. Alberto Trejo e Alan Mills). Depois publica Sarabanda: um caderno de estudos (2007), que recebeu uma reedição intitulada somente “Sarabanda” (2013). Seu próximo livro, Nós que adoramos um documentário[2][3] (2010), foi selecionado pelo ProAC, da Secretaria de Estado da Cultura do governo estadual de São Paulo. Em 2016, publica "Furiosa",[1] em edição comemorativa que reúne sua produção poética da primeira década. Alguns poemas deste livro foram traduzido ao inglês por Maíra Mendes Galvão na publicação “Furiosa: A Nautical Chart and Its Monsters”, lançado em Nova York (edição de autora, Festival ALLOVER5, 2017).[4]

Em prosa, publicou o romance "Acordados" (2007), também premiado pelo PAC, da Secretaria de Cultura do município de São Paulo. Em 2008, o texto “Do Amor: o dia em que Rimbaud decidiu vender armas” recebeu menção honrosa no Prêmio Nascente USP e, dez anos depois, veio a ser publicado pela Editora Quelônio, acrescido de um apêndice escrito em 2017.[5]

Rádio e Podcast[editar | editar código-fonte]

É apresentadora e editora do podcast sobre literatura de nome Incêndio na Escrivaninha, que é gravado e transmitido pela Rádio Sens [6]

Referências

  1. a b «Furiosa». São Paulo Review. 6 de maio de 2016 
  2. «NÓS QUE ADORAMOS UM DOCUMENTÁRIO». Le Monde Diplomatique. Consultado em 22 de junho de 2017 
  3. «Poesia - Nós que Adoramos um Documentário». Revista Amálgama. Consultado em 4 de junho de 2020 
  4. Bruna Escaleira, ed. (22 de dezembro de 2016). «15 livros incríveis lançados por mulheres em 2016 que você não ficou sabendo». Revista AzMina. Consultado em 22 de junho de 2017 
  5. «'Do Amor': um encontro entre autoficção, poesia e ensaio». Nexo Jornal. 18 de janeiro de 2018. Consultado em 5 de março de 2018 
  6. «Podcast Incêndio na Escrivaninha». Rádio Sens. 1 de outubro de 2018. Consultado em 28 de fevereiro de 2019