António Lobo de Almada Negreiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
António Lobo de Almada Negreiros

António Lobo de Almada Negreiros (Aljustrel, Aljustrel, 13/15 de Agosto de 1868[1]Paris, 12 de Junho de 1939) foi um ilustre jornalista e escritor colonialista, ensaísta, poeta e maçon português.

Família[editar | editar código-fonte]

Filho de Pedro de Almada Pereira e de sua mulher Margarida Francisca Camacho de Negreiros ou Lobo Bravo de Negreiros[2].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Funcionário Público, Colonialista e Jornalista, viveu na Ilha de São Tomé, em São Tomé e Príncipe, onde desempenhou as funções de Administrador do Concelho e, já viúvo, estabeleceu-se em Paris, onde participou na organização da Exposição Universal de Paris de 1900, que teve a seu cargo, bem como os serviços de propaganda Republicana em França após 1910, e foi Vice-Cônsul de Portugal, etc.[3]

Tenente de Cavalaria, colaborou em diversos jornais e foi redactor e fundador doutros.[3]

Deixou publicados vários livros sobre as colónias portuguesas.[3]

Depois da morte de Elvira Freire Sobral foi viver para Portugal; nessa altura, em 1900, é nomeado encarregado do Pavilhão das Colónias na Exposição Universal de Paris, deixando os filhos José e António ao cuidado dos Jesuítas no Colégio de Campolide.

Iniciado na Maçonaria em data desconhecida e em Loja desconhecida, pertenceu à Loja Thélème, de Paris, afecta ao Grande Oriente de França, desconhecendo-se igualmente o seu nome simbólico.[3]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou na Ilha de São Tomé, Distrito de Água Grande, São Tomé, Conceição, a 30 de Abril de 1892 com Elvira Freire Sobral (São Tomé, Distrito de Mé-Zóchi, Trindade, Roça Saudade[4] - Ilha de São Tomé, 29 de Dezembro de 1896), filha mais velha e natural reconhecida e criada por seu pai José António Freire Sobral e Leopoldina Amélia de Azevedo, que morreu no parto da e com a sua filha. Estudou em Coimbra, no Colégio das Religiosas Ursulinas, onde ganhou fama de hábil desenhadora. O seu meio-irmão Joaquim Freire Sobral também foi artista e pintor. Eles tiveram, para além da filha, dois filhos, José Sobral de Almada Negreiros (n. 1893) e António Sobral de Almada Negreiros (n. 1895), Tenente e Cavaleiro da Ordem Militar de Avis (19 de Novembro de 1931).

Referências

  1. Baptizado em Aljustrel, Aljustrel, a 14 de Outubro de 1868.
  2. Irmã do Padre Justino Lobo Bravo de Negreiros, Pároco de Mombeja, e de Ana Emília Bravo de Negreiros Lobo, Padrinho e Madrinha de seu sobrinho António Lobo de Almada Negreiros.
  3. a b c d António Henrique Rodrigo de Oliveira Marques. Dicionário de Maçonaria Portuguesa. [S.l.: s.n.] pp. Volume II. Coluna 1021 
  4. Baptizada na Ilha de São Tomé, Distrito de Mé-Zóchi, Trindade, Roça Saudade, a 23 de Junho de 1874.
  • Fotobiografias do Século XX, Fotobiografia de Almada Negreiros, Círculo de Leitores.