Aparecida Petrowky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aparecida Petrowky
Nome completo Aparecida de Souza Petrowky

Aparecida de Souza Petrowky Dylon

Nascimento 21 de julho de 1982
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação Atriz, Fisioterapeuta
Cônjuge Felipe Dylon (2011-2017)

Aparecida de Souza Petrowky Dylong,[1] (Rio de Janeiro, 21 de julho de 1982) é uma atriz, escritora e fisioterapeuta brasileira.

Carreira[editar | editar código-fonte]

O início de sua carreira como atriz começou de forma inusitada. Enquanto cursava a faculdade de fisioterapia, por sugestão de uma professora para que ganhasse desenvoltura, passou a cursar teatro, paralelamente. Assim, fez artes cênicas em alguns cursos como Tablado, Teatro dos Grandes Atores, Rei Ator[1] e cursos com alguns dos integrantes da Cia dos Atores, como View Point, tendo como diretor Enrique Diaz. Como fisioterapeuta especializou-se em traumato-ortopedia e em drenagem linfática, na Universidade Castelo Branco, no Rio de Janeiro, e fez curso de shiatsu em Londres, na Inglaterra, onde também teve tempo de estudar teatro e cinema, sua grande paixão. Mais a frente concluiu outra faculdade em artes cênicas na Universidade de Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Na área de cinema, fez o curso de especialização da Actor Studio com Robert Castel.

No teatro, sua primeira peça profissional, o musical ‘A Noviça Rebelde’, dirigido por Eduardo Bruno e que ficou em cartaz no Teatro Grandes Atores, protagonizou fazendo a personagem Maria. O segundo sucesso foi com “Vestido de Noiva”, de Nelson Rodrigues, que deu vida a personagem Lúcia. Escreveu, produziu e atuou na peça infantil "Zeluda",[1] apresentada no Rio de Janeiro no Teatro Vanucci. A peça teve direção de Hélvio Garcês e no elenco também estava o ator João Miguel, que protagonizou o filme Xingú. Sua mais recente peça foi "Meu Filho Sem Nome", de Izilda Simões e dirigido por Marcelo Romagnoli, onde viveu a protagonista Cida.

Iniciou sua aparição na mídia com a participação no reality show chamado Guerra do Sono, no programa do apresentador Luciano Huck. Em meados de 2009, quando soube do teste para interpretar Sandrinha, a irmã da atriz Taís Araújo na novela "Viver a Vida", Aparecida pegou seu currículo e andou durante quatro dias pelas ruas do Leblon, bairro do Rio de Janeiro, tentando encontrar o autor Manoel Carlos, também morador da área. Como não conseguiu, deu seu material a um colega, João do Corujão, que o levou até o Projac. Por sorte, os papéis chegaram, de fato, às mãos de Manoel Carlos e, dias depois, ela foi chamada para um teste até ganhar o papel.

Recebeu o prêmio Troféu Raça Negra de 2009 como atriz revelação por seu trabalho em Viver a Vida, no papel de Sandrinha.

Casou-se no dia 15 de dezembro de 2011 com o cantor Felipe Dylon.

Primeira Longa Internacional[editar | editar código-fonte]

A atriz lançou em 21 de agosto de 2015 seu primeiro longa internacional, “Mangoré, por amor al arte", dirigido por Luis R. Vera e ainda sem data de estreia no Brasil. O filme é a história do lendário músico paraguaio Agustín Pío Barrios (1885-1944), conhecido como Mangoré. No longa, Aparecida deu vida à Gloria Silva, segunda esposa de Mangoré e fiel companheira. A personagem é uma dançarina de cabaré brasileira que abriu mão dos seus sonhos para viver a vida do amado.

Trabalhos no Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Meu Filho Sem Nome, direção de Marcelo Romagnoli (2011)
  • Zeluda, direção de Hélvio Garcês (2007-2008),
  • Vestido de Noiva, direção de Alexandre Mello (2007)
  • Aberrações, direção de Paula Wenk (2005)
  • Esquina dos Prazeres, direção de Carrera (2004)
  • Dancem Um Rock Por Mim, direção de Hélvio Garcês (1999)
  • A noviça rebelde, direção de Eduardo Bruno – noviça (1998)

Trabalhos na TV[editar | editar código-fonte]

Trabalhos no Cinema[editar | editar código-fonte]

2016 - "Carta ao Destinatário", dirigido por Luciano Cazz

2015 - “Mangoré, por amor al arte", dirigido por Luis R. Vera

2013 - "Jogos de Mente", dirigido por Rick Mastro

Referências

  1. a b Joana Dale (20 de setembro de 2009). «Aparecida Petrowky, a Sandra de Viver a Vida, revela uma história digna de folhetim». Jornal O Globo, Caderno da TV. Consultado em 1 de janeiro de 2010 

2. http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI102652-9531,00-APARECIDA+PETROWKY+MINHA+VIDA+PARECE+COISA+DE+NOVELA.html

Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

3. http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=201221

4. http://vejasp.abril.com.br/atracao/meu-filho-sem-nome

5. http://www.abc.com.py/espectaculos/cine-y-tv/aparecida-petrowky-y-la-gran-aventura-de-mangore-1397294.html

6. http://caras.uol.com.br/nacionais/aparecida-petrowky-vivera-jovem-sedutora-em-curta-sobre-descoberta-da-sexualidade-jogos-da-mente#.VsMl7LTG5-U