Aparecida Petrowky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aparecida Petrowky
Nome completo Aparecida de Souza Petrowky

Aparecida de Souza Petrowky Dylon

Nascimento 21 de julho de 1982 (34 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação Atriz, Fisioterapeuta
Cônjuge Felipe Dylon (2011-presente)

Aparecida de Souza Petrowky Dylong,[1] (Rio de Janeiro, 21 de julho de 1982) é uma atriz, escritora e fisioterapeuta brasileira.

Carreira[editar | editar código-fonte]

O início de sua carreira como atriz começou de forma inusitada. Enquanto cursava a faculdade de fisioterapia, por sugestão de uma professora para que ganhasse desenvoltura, passou a cursar teatro, paralelamente. Assim, fez artes cênicas em alguns cursos como Tablado, Teatro dos Grandes Atores, Rei Ator[1] e cursos com alguns dos integrantes da Cia dos Atores, como View Point, tendo como diretor Enrique Diaz. Como fisioterapeuta especializou-se em traumato-ortopedia e em drenagem linfática, na Universidade Castelo Branco, no Rio de Janeiro, e fez curso de shiatsu em Londres, na Inglaterra, onde também teve tempo de estudar teatro e cinema, sua grande paixão. Mais a frente concluiu outra faculdade em artes cênicas na Universidade de Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Na área de cinema, fez o curso de especialização da Actor Studio com Robert Castel.

No teatro, sua primeira peça profissional, o musical ‘A Noviça Rebelde’, dirigido por Eduardo Bruno e que ficou em cartaz no Teatro Grandes Atores, protagonizou fazendo a personagem Maria. O segundo sucesso foi com “Vestido de Noiva”, de Nelson Rodrigues, que deu vida a personagem Lúcia. Escreveu, produziu e atuou na peça infantil "Zeluda",[1] apresentada no Rio de Janeiro no Teatro Vanucci. A peça teve direção de Hélvio Garcês e no elenco também estava o ator João Miguel, que protagonizou o filme Xingú. Sua mais recente peça foi "Meu Filho Sem Nome", de Izilda Simões e dirigido por Marcelo Romagnoli, onde viveu a protagonista Cida.

Iniciou sua aparição na mídia com a participação no reality show chamado Guerra do Sono, no programa do apresentador Luciano Huck. Em meados de 2009, quando soube do teste para interpretar Sandrinha, a irmã da atriz Taís Araújo na novela "Viver a Vida", Aparecida pegou seu currículo e andou durante quatro dias pelas ruas do Leblon, bairro do Rio de Janeiro, tentando encontrar o autor Manoel Carlos, também morador da área. Como não conseguiu, deu seu material a um colega, João do Corujão, que o levou até o Projac. Por sorte, os papéis chegaram, de fato, às mãos de Manoel Carlos e, dias depois, ela foi chamada para um teste até ganhar o papel.

Recebeu o prêmio Troféu Raça Negra de 2009 como atriz revelação por seu trabalho em Viver a Vida, no papel de Sandrinha.

Casou-se no dia 15 de dezembro de 2011 com o cantor Felipe Dylon.

Primeira Longa Internacional[editar | editar código-fonte]

A atriz lançou em 21 de agosto de 2015 seu primeiro longa internacional, “Mangoré, por amor al arte", dirigido por Luis R. Vera e ainda sem data de estreia no Brasil. O filme é a história do lendário músico paraguaio Agustín Pío Barrios (1885-1944), conhecido como Mangoré. No longa, Aparecida deu vida à Gloria Silva, segunda esposa de Mangoré e fiel companheira. A personagem é uma dançarina de cabaré brasileira que abriu mão dos seus sonhos para viver a vida do amado.

Trabalhos no Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Meu Filho Sem Nome, direção de Marcelo Romagnoli (2011)
  • Zeluda, direção de Hélvio Garcês (2007-2008),
  • Vestido de Noiva, direção de Alexandre Mello (2007)
  • Aberrações, direção de Paula Wenk (2005)
  • Esquina dos Prazeres, direção de Carrera (2004)
  • Dancem Um Rock Por Mim, direção de Hélvio Garcês (1999)
  • A noviça rebelde, direção de Eduardo Bruno – noviça (1998)

Trabalhos na TV[editar | editar código-fonte]

Trabalhos no Cinema[editar | editar código-fonte]

2016 - "Carta ao Destinatário", dirigido por Luciano Cazz

2015 - “Mangoré, por amor al arte", dirigido por Luis R. Vera

2013 - "Jogos de Mente", dirigido por Rick Mastro

Referências

  1. a b Joana Dale (20 de setembro de 2009). «Aparecida Petrowky, a Sandra de Viver a Vida, revela uma história digna de folhetim». Jornal O Globo, Caderno da TV. Consultado em janeiro de 2010. 

2. http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI102652-9531,00-APARECIDA+PETROWKY+MINHA+VIDA+PARECE+COISA+DE+NOVELA.html

Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

3. http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=201221

4. http://vejasp.abril.com.br/atracao/meu-filho-sem-nome

5. http://www.abc.com.py/espectaculos/cine-y-tv/aparecida-petrowky-y-la-gran-aventura-de-mangore-1397294.html

6. http://caras.uol.com.br/nacionais/aparecida-petrowky-vivera-jovem-sedutora-em-curta-sobre-descoberta-da-sexualidade-jogos-da-mente#.VsMl7LTG5-U