Armando da Silva Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde maio de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Armando da Silva Carvalho
Nascimento 28 de março de 1938
Olho Marinho, Portugal
Morte 1 de junho de 2017 (79 anos)
Caldas da Rainha, Portugal
Ocupação Poeta e tradutor
Prémios Prémio de Revelação da APE (1965)

Prémio P.E.N. Clube Português de Poesia (1996)
Prémio de Poesia Luís Miguel Nava (2000)
Prémio Fernando Namora (2003)
Grande Prémio de Poesia APE/CTT (2008)
Grande Prémio de Literatura dst (2014)
Prémio Autores de 2016
Prémio P.E.N. Clube Português de Poesia (2016)
Prémio Literário Fundação Inês de Castro (2016)
Prémio Literário Casino da Póvoa (2017)

Género literário Poesia
Magnum opus O Amante Japonês
Movimento estético Novo realismo

Armando da Silva Carvalho (Olho Marinho, Óbidos, 28 de março de 1938Caldas da Rainha, 1 de junho de 2017) foi um poeta e tradutor português.

Licenciado em Direito, na Universidade de Lisboa, foi advogado, jornalista, professor do ensino secundário e publicitário. Colaborou na Antologia de Poesia Universitária, em 1959, juntamente com Ruy Belo, Fiama Hasse Pais Brandão, Luiza Neto Jorge, Gastão Cruz, entre outros, e também na Quadrante[1] revista da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, iniciada em 1958. Publicou Lírica Consumível em 1965, que marcou o início da sua obra poética e que lhe valeu o Prémio Revelação da Sociedade Portuguesa de Autores. A sua escrita é marcada por um timbre de mordacidade, sarcasmo e figurações da pulsão sexual. Das obras de ficção salienta Portuguex, publicada em 1977. Desde a década de 1960 colaborou em inúmeros jornais e revistas (Diário de Lisboa, Jornal de Letras, O Diário, Poemas Livres, Colóquio-Letras, Hífen, As Escadas Não Têm Degraus, Sílex, Nova, Via Latina, Loreto 13, entre outras). Foi incluido na IV Líricas Portuguesas, em 1969, antologia poética organizada por António Ramos Rosa e desde então tem estado representado na generalidade das antologias de poesia portuguesa.

Morreu a 1 de junho de 2017, no Montepio Rainha D. Leonor, nas Caldas da Rainha, aos 79 anos de idade, vítima de cancro.[2][3]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • 1965 Lírica Consumível (Prémio de Revelação da APE)
  • 1968 O Comércio dos Nervos
  • 1969 Os Ovos d'Oiro
  • 1976 Antologia Poética
  • 1977 Eu era desta Areia
  • 1977 Armas Brancas
  • 1979 Técnicas de Engate
  • 1981 Sentimento de um Acidental
  • 1983 Alexandre Bissexto
  • 1995 Canis Dei (Prémio Pen Club ex-aequo)
  • 1998 Obra Poética
  • 2000 Lisboas (Prémio Luís Miguel Nava)
  • 2001 Três Vezes Deus (em colaboração com Ana Marques Gastão e António Rego Chaves)
  • 2005 Sol a Sol
  • 2009 O Amante Japonês (Grande Prémio de Poesia APE/CTT 2008)
  • 2010 Anthero, Areia & Água
  • 2012 De Amore
  • 2016 A sombra do mar (Prémio Literário Casino da Póvoa 2017; 1.º Grande Prémio de Poesia António Feijó - APE/CM Ponte de Lima; Prémio PEN Clube na categoria de poesia; Prêmio Literário Fundação Inês de Castro)

Prosa[editar | editar código-fonte]

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • Está traduzido em castelhano, russo, francês, inglês, sueco, letão, alemão, italiano e neerlandês.

Referências

  1. Quadrante (1958-) cópia digital, Hemeroteca Digital
  2. «Morreu o poeta Armando Silva Carvalho». Diário de Notícias. 1 de Junho de 2017. Consultado em 1 de Junho de 2017 
  3. «Óbito/Armando Silva Carvalho: Funeral realiza-se sexta-feira em Olho Marinho». Diário de Notícias. 1 de Junho de 2017. Consultado em 1 de Junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências gerais[editar | editar código-fonte]