Axíoco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Axíoco é a diálogo socrático atribuído a Platão, mas considerado ilegítimo. A obra data do Período helenístico, c. do século I a.C. O autor foi, provavelmente, um platônico,[1] ou neoplatoônico[2] e a escreveu entre 100 a.C e 50, emprestou várias características dos escritos socráticos iniciais para disfarçá-lo de um diálogo socrático. Faz parte do gênero literário de consolação que era popular na época helenística e romana, embora incomum ao se dirigir a alguém que está à beira da morte, ao invés de alguém que perdeu um ente querido.[1]

No diálogo, Axíoco, filho de Alcibíades , chegou à beira da morte e está assustado com a experiência, apesar de sua familiaridade com os argumentos de que deveria desprezar o medo. Sócrates é convocado para a sua cabeceira e consola-o com uma grande variedade de ensinamentos para ajudaá-lo a receber a morte como a liberação da alma para um lugar melhor.[1]

Referências

  1. a b c John Madison Cooper, D. S. Hutchinson, (1997), Plato, Complete works, page 1734. Hackett Publishing. (em inglês)
  2. William Keith Chambers Guthrie, (1986), A history of Greek philosophy, p.395. Cambridge University Press (em inglês)
  • ¤ Não é da autoria de Platão segundo a maioria dos estudiosos
  • † Não é geralmente aceito pelos estudiosos
  • ‡ Somente trechos têm a autoria comprovada.