Bülent Ecevit

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mustafa Bülent Ecevit
Mustafa Bülent Ecevit
Primeiro ministro da  Turquia
Período 1°- 22 de março de 1974
a 20 de outubro de 1974
2°- 7 de abril de 1977
a 24 de julho de 1977
3°- 8 de janeiro de 1978
a 7 de novembro de 1979
4°- 6 de janeiro de 1999
a 18 de novembro de 2002
Dados pessoais
Nascimento 28 de maio de 1925
Istambul, Turquia
Morte 5 de novembro de 2006 (81 anos)
Ancara, Turquia
Primeira-dama Rahşan Ecevit
Partido Partido Republicano do Povo - Cumhuriyet Halk Partisi
Partido Democrata Esquerda Demokratik Sol Parti
Profissão político e poeta

Mustafa Bülent Ecevit (Istambul, 28 de maio de 1925Ancara, 5 de novembro de 2006), foi um importante político e poeta turco, foi primeiro-ministro da Turquia. Foi um político, estadista, poeta, escritor, acadêmico e jornalista turco, que serviu como primeiro-ministro da Turquia quatro vezes entre 1974 e 2002, ele serviu como primeiro-ministro em 1974, 1977, 1978–79 e 1999–2002. Ecevit foi o líder do Partido do Povo Republicano (PPR) entre 1972 e 1980, e em 1989 ele se tornou o líder do Partido da Esquerda Democrática (PED). Ele é creditado por introduzir a política social-democrata na Turquia ao sintetizar o kemalismo com a social-democracia, tornando a social-democracia um princípio fundamental na ideologia kemalista moderna.[1][2][3][4][5]

Ecevit ganhou destaque na política nacional como Ministro do Trabalho nos gabinetes de İsmet İnönü e representou a crescente facção de esquerda do PPR, liderada por İnönü. Ecevit acabaria por se tornar líder do PPR em 1972; sua liderança rejuvenesceu o partido alcançando os eleitores da classe trabalhadora e consolidando o partido como "esquerda do centro". Em seu primeiro primeiro-ministro, Ecevit foi responsável pela invasão de Chipre.

Após o golpe de 1980, Ecevit, junto com os notáveis ​​de todos os outros partidos, foi banido da política por 10 anos. Durante a proibição, o PED foi estabelecido sob a presidência de sua esposa, Rahşan Ecevit. Quando a proibição política foi levantada com um referendo realizado em 1987, ele se tornou o chefe do PED. Ecevit voltaria ao cargo de primeiro-ministro em 1999 e executou a captura do líder do PKK, Abdullah Öcalan. Após a expulsão do PED do parlamento, após ser incapaz de ultrapassar o limiar eleitoral nas eleições de 2002, ele renunciou à presidência em 2004. Ele morreu no domingo, 5 de novembro de 2006, como resultado de insuficiência circulatória e respiratória.[1][2][3][4][5]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Kinzer, Stephen (6 de novembro de 2006). «Bulent Ecevit, a Political Survivor Who Turned Turkey Toward the West, Is Dead at 81». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 28 de maio de 2021 
  2. a b «Aksam Gazetesi - Politika - Kürt kökenli olabilirim». web.archive.org. 22 de agosto de 2008. Consultado em 28 de maio de 2021 
  3. a b «Joe Biden's misguided views on 'the Kurds' are a cause for concern». Joe Biden's misguided views on 'the Kurds' are a cause for concern (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2021 
  4. a b «Hürriyet». web.archive.org. 18 de fevereiro de 2013. Consultado em 28 de maio de 2021 
  5. a b Onedio.com. «Kıbrıs Fatihi Oldu, Apo'nun Yakalanmasını Sağladı, ABD'ye Karşı Onur Mücadelesi Verdi: Türk Siyasetinin Beyaz Güvercini Bülent Ecevit». Onedio (em Turkish). Consultado em 28 de maio de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bülent Ecevit