Partido de Ação Nacionalista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido de Ação Nacionalista
Milliyetçi Hareket Partisi
"Ülkenin Geleceğine Oy Ver"
(Vote no futuro do país)
Presidente Devlet Bahçeli
Secretário İsmet Büyükataman
Fundador Alparslan Türkeş
Fundação 9 de fevereiro de 1969
Sede Ehlibeyt Mh. Ceyhun Atuf Kansu Cd No:128, 06105 Ancara,  Turquia
Ideologia Nacionalismo turco[1][2][3][4]
Nacionalismo cultural[4][5][6]
Nacional-conservadorismo[7]
Conservadorismo social[8]
Panturquismo[9]
Populismo de direita[10][11]
Síntese Islamismo-Turquia
Euroceticismo[12]
Turanismo[13]
Espectro político Direita[14][15][16] a extrema-direita[17][18][19]
Ala paramilitar Lobos cinzentos (não oficial)
Antecessor Partido Republicano da Nação dos Camponeses
Membros  (2018) 489.239[20]
Afiliação nacional Aliança do Povo
Grande Assembleia Nacional da Turquia
49 / 600
Municípios Metropolitanos
2 / 30
Municípios Distritais
166 / 1 351
Conselheiros provinciais
174 / 1 251
Assembleias Municipais
3 501 / 20 498
Cores Vermelho e Branco (oficial)
Vermelho rubi (costumeiro)
Página oficial
www.mhp.org.tr
Bandeiras do MHP em Şile, durante a campanha eleitoral para as eleições locais de 2009.
Carro da campanha eleitoral para as eleições locais de 2009 em Kadıköy, Istambul.

O Partido de Ação Nacionalista (em turco: Milliyetçi Hareket Partisi ; sigla: MHP), também traduzido como Partido do Movimento Nacionalista é um partido político nacionalista de direita[21] ou de extrema-direita[22][23] da Turquia.

Nas eleições legislativas de 22 de julho de 2007, o partido obteve 14,3% dos votos e 71 assentos no parlamento (Grande Assembleia Nacional da Turquia).[24] Nas eleições anteriores, realizadas a 3 de novembro de 2002, tinha obtido 8,3%.

História[editar | editar código-fonte]

A históra do MHP começou com a tomada do controlo do Partido Republicano da Nação dos Camponeses (Cumhuriyetçi Köylü Millet Partisi, CKMP), de ideologia conservadora, por Alparslan Türkeş, um turco cipriota, em 1965. Em 8 e 9 de fevereiro de 1969, esse partido mudou de nome para o atual num congresso extraordinário que decorreu em Adana.

O partido adotou o nacionalismo turco, imbuído de uma mitologia que sugere que todos os turcos partilham uma linhagem comum. Sob a liderança de Alparslan Türkeş e apoiado financeiramente pela CIA como parte das atividades anti-comunistas desta organização, milícias armadas ligadas ao partido foram responsáveis pelo assassinato de muitos esquerdistas durante os anos 1970.[25] Em 1978, Ülkü Ocaklarını, líder dos Lobos Cinzentos, a ala juvenil do partido, gabou-se que eles tinham um serviço de inteligência (informações) superior ao do estado.[26]

Quando o exército turco tomou o poder após o golpe de estado de 12 de setembro de 1980 liderado pelo general Kenan Evren, o MHP foi ilegalizado e muitos dos seus líderes foram presos. Muitos dos membros proeminentes juntaram-se ao Anavatan Partisi (Partido da Pátria) e a outros movimentos políticos de cariz islamista. Um membro do partido, Agâh Oktay Güner, comentou em tom irónico que a ideologia do partido estava no poder ao mesmo tempo que muitos dos seus apoiantes se encontravam na prisão.[carece de fontes?]

O partido foi refundado em 1983 com o nome de Partido Conservador (em turco: Muhafazakar Parti), nome que foi mudado em 1985 para Partido Trabalhista Nacionalista (Milliyetçi Çalışma Partisi) e novamente para o anterior em 1992. Em 1993, Muhsin Yazıcıoğlu e outros cinco deputados do MHP abandonaram o partido e fundaram o Partido da Grande União (Büyük Birlik Partisi, BBP), de cariz ultranacionalista e islamista.[27]

Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1969 5.º 275 091
3,0 / 100,0
1 / 450
Oposição
1973 6.º 362 208
3,4 / 100,0
Aumento0,4
3 / 450
Aumento2 Oposição
1977 4.º 951 544
6,4 / 100,0
Aumento3,0
16 / 450
Aumento13 Oposição
1983 Banido/Dissolvido
1987
1991
1995 6.º 2 301 343
8,2 / 100,0
0 / 550
Extra-parlamentar
1999 2.º 5 606 583
18,0 / 100,0
Aumento9,8
129 / 550
Aumento129 Governo
2002 4.º 2 635 787
8,4 / 100,0
Baixa9,6
0 / 550
Baixa129 Extra-parlamentar
2007 3.º 5 001 869
14,3 / 100,0
Aumento5,9
71 / 550
Aumento71 Oposição
2011 3.º 5 585 513
13,0 / 100,0
Baixa1,3
53 / 550
Baixa18 Oposição
06/2015 3.º 7 520 006
16,3 / 100,0
Aumento3,3
80 / 550
Aumento27 Oposição
11/2015 3.º 5 599 600
11,9 / 100,0
Baixa4,4
40 / 550
Baixa40 Oposição
2018 4.º 5 564 517
11,1 / 100,0
Baixa0,8
49 / 600
Aumento9 Governo

Fontes[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Başkan, Filiz (janeiro de 2006). «Globalization and Nationalism: The Nationalist Action Party of Turkey». Routledge. Nationalism and Ethnic Politics (em inglês). 12 (1): 83–105. doi:10.1080/13537110500503877 

Referências

<references> [22]

[23]

[24]

[25]

[26]

[27]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Partido de Ação Nacionalista
  • Arman, Murat Necip (2007). «The Sources Of Banality In Transforming Turkish Nationalism». CEU Political Science Journal (2): 133–151 
  • Eissenstat, Howard. (November 2002). Anatolianism: The History of a Failed Metaphor of Turkish Nationalism. Middle East Studies Association Conference. Washington, D.C.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  • Tachau, Frank. (1963). «The Search for National Identity among the Turks». Die Welt des Islams. New Series. 8 (3): 165–176 
  • a b Cook, Steven A. (2012). «Recent History: The Rise of the Justice and Development Party». Council on Foreign Relations. U.S.-Turkey Relations: A New Partnership to: 52 
  • Göçek, Fatma Müge (2011). «The Transformation of Turkey: Redefining State and Society from the Ottoman Empire to the Modern Era». I.B. Tauris: 56 
  • Tocci, Nathalie (2012). «Turkey and the European Union». Routledge. The Routledge Handbook of Modern Turkey: 241 
  • Carkoglu, Ali (2004). Turkey and the European Union: Domestic Politics, Economic Integration and International Dynamics. [S.l.]: Routledge. p. 127 
  • Celep, Ödül (2010). «Turkey's Radical Right and the Kurdish Issue: The MHP's Reaction to the "Democratic Opening"». Insight Turkey. 12 (2) 
  • «MHP to start rallies against Kurdish initiative on Dec 13». Today's Zaman. 4 December 2009. Consultado em 4 January 2015. Arquivado do original em 4 January 2015  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  • Farnen, Russell F., ed. (2004). Nationalism, Ethnicity, and Identity: Cross National and Comparative Perspectives. [S.l.]: Transaction Secularism Publishers. p. 252. ISBN 9781412829366. ..the nationalist-fascist Turkish National Movement Party (MHP). 
  • Abadan-Unat, Nermin (2011). Turks in Europe: From Guest Worker to Transnational Citizen. New York: Berghahn Books. p. 19. ISBN 9781845454258. ...the fascist Nationalist Movement Party... 
  • «Euroscepticism: Party Ideology Meets Strategy» 
  • Söyler, Mehtap (2015). The Turkish Deep State: State Consolidation, Civil-Military Relations and Democracy (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 119. ISBN 9781317668800 
  • Gerges, Fawaz (2016). Contentious Politics in the Middle East. [S.l.]: Springer. p. 299 
  • Yilmaz, Gözde (2017). Minority Rights in Turkey. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 65 
  • «Turkish right-wing dissidents' bid to oust party leader foiled». Yahoo News. 15 May 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  • Turkey Recent Economic and Political Developments Yearbook Volume 1 - Strategic Information and Developments. P.46. Published in July 2015 and updated annually. International Business Publications, Washington, USA. Accessed via Google books. Retrieved 16 February 2017.
  • Global Turkey in Europe II. Energy, Migration, Civil Society and Citizenship Issues in Turkey-EU Relations. p.180. First published by Edizioni Nuova Cultura in 2014. Published in Rome, Italy. Accessed via Google books. Retrieved 16 February 2017.
  • Turkish far right on the rise. The Independent. Author - Justin Huggler. Published 19 April 1999. Retrieved 16 February 2017.
  • «Milliyetçi Hareket Partisi». Party files. T.C. Yargıtay Cumhuriyet Başsavcısı (Office of the Prosecutor at the Court of Cassation of the Turkish Republic). 28 November 2018. Cópia arquivada em 14 February 2015  Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  • «En Turquie, le parti d'Erdogan bénéficie du succès inattendu des nationalistes du MHP». Le Monde.fr (em French). 26 June 2018. Consultado em 9 January 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  • a b Huggler, Justin (20 de abril de 1999). «Turkish far right on the rise». www.independent.co.uk (em inglês). The Independent. Consultado em 14 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2010 
  • a b «Turkey and the EU: Will they Split before they Marry?». www.spiegel.de (em inglês). Der Spiegel. 3 de outubro de 2005. Consultado em 14 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2010 
  • a b «Elections 2007 - Turkey's Vote analysis and results». www.turkishdailynews.com.tr (em inglês). Tukish Daily News. 2007. Consultado em 14 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2008 
  • a b Fernandes, Desmond; Ozden, Iskender (2001). «United States and NATO inspired `psychological warfare operations´ against the `Kurdish communist threat´ in Turkey» (PDF). Revista Variant. 2 (12). Consultado em 14 de outubro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 5 de março de 2009  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  • a b «MHP lideri Türkeş, Ülkü Ocaklarını meşru müdafaa yaptığını söyler. Ülkü Ocakları Genel Başkanı da, 'bizim istihbarat örgütümüz devletin örgütünden güçlüdür' demektedir.»
    in Değer, M. Emin (1978). CIA, Kontrgerilla ve Türkiye (em turco). Ancara: publicação do autor. 119 páginas 
    Citado em Mücadele, Devrimci (1997). «Susurluk'ta bütün yollar, devlete uğrayarak CIA'ya çıkar». kurtulusyolu.org. Kurtuluş Yolu. Consultado em 14 de outubro de 2010. Arquivado do original em 19 de maio de 2009 
  • a b «Tarihçe (História)». www.mhp.org.tr (em turco). Site oficial do MHP. Consultado em 14 de outubro de 2010. Arquivado do original em 17 de agosto de 2010