Bernard Arnault

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bernard Arnault
Nascimento 5 de março de 1949 (72 anos)
Roubaix, Nord, França
Residência Paris, Île-de-France, França
Nacionalidade Francês
Fortuna Aumento US$ 199,2 bilhões (agosto de 2021)[1]
Cônjuge Hélène Mercier
Filho(a)(s) 5
Ocupação empresário
Empregador(a) LVMH
Cargo O presidente e diretor executivo da LVMH
Página oficial
LVMH.com

Bernard Jean Étienne Arnault (Roubaix, 5 de março de 1949) é um empresário francês.

Arnault é o atual presidente e diretor executivo da LVMH, a maior empresa de artigos de luxo do mundo.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juventude, estudos e formações acadêmicas[editar | editar código-fonte]

Arnault nasceu no seio de uma família de pequenos industriais. Na infância foi criado pela avó, que era a principal acionista das empresas da família.

Dividiu os estudos secundários entre a sua terra natal (Roubaix) e Lille, e ingressou posteriormente na Escola Politécnica.

Início na carreira e o crescimento[editar | editar código-fonte]

Ao encerrar os estudos, ingressou na função pública em Paris e optou pela carreira como engenheiro iniciando-a na empresa Ferret-Savinel. Teve uma ascensão notória na empresa, que começou com a promoção a diretor de construção aos 25 anos. Três anos depois tornou-se diretor-geral da empresa e em 1978, aos 29 anos, chegou à presidência dela.

Fora do país[editar | editar código-fonte]

Em 1981, assustado com a chegada da esquerda, nomeadamente os comunistas, ao poder na França resolveu ir viver nos Estados Unidos, onde não teve muita sorte nos negócios.

Como um empresário[editar | editar código-fonte]

Começou a tratar do regresso a França e a reentrada no mundo dos negócios foi feita através da Boussac Saint-Frères, empresa do norte do país que operava na área dos têxteis e que detinha também a posse da conhecida Dior. Assim, em 1984 fez a sua primeira grande aquisição de empresas.

Naquele ano, assumiu a presidência da direção-geral das empresas Financière Agache S.A. e Dior. Tratou de reorganizar o grupo Financière Agache apostando numa estratégia de desenvolvimento assentado nas marcas de prestígio. Nesse sentido, a Christian Dior foi a marca escolhida para dar visão a esta estratégia. Lançou, então, uma marca própria de alta-costura com a ajuda do estilista Christian Lacroix.

Diversificação do ramo de atividades[editar | editar código-fonte]

Nos anos seguintes, adquiriu também os champanhes Moët e Krug e a casa Hennessy, de conhaques.

Em julho de 2008 a revista Forbes colocou-o como o maior acionista do Carrefour.

Na liderança empresarial[editar | editar código-fonte]

Em 1989 tornou-se o principal acionista do grupo LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy). Como seu presidente, criou o primeiro grupo mundial do setor do luxo.

Posteriormente, o empresário tornou-se também o presidente do conselho de administração do Grupo Arnault S.A. e da Companhia Financeira do Norte e através das suas holdings familiares fez diversos investimentos internacionais.

Patrimônio pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 2019 a revista Forbes[3] classificou-o como a quarta pessoa mais rica do mundo, com US$100,4 bilhões.

Em maio de 2021 se tornou a pessoa mais rica do mundo, com um patrimônio estimado em US$ 186,3 bilhões, ultrapassando Jeff Bezos e Elon Musk.[4]

Solicitação de cidadania[editar | editar código-fonte]

Requisitou, em agosto de 2012, um pedido de naturalização à Bélgica.[5]

Referências

  1. «Bernard Arnault». Forbes 
  2. «Acordo entre LVMH e Sack's trará Sephora para o mercado brasileiro». Consultado em 8 de julho de 2010 
  3. Newtrade (7 de março de 2018). «Os bilionários mais ricos do mundo em 2018». Newtrade. Consultado em 7 de março de 2018 
  4. «Bilionário da Louis Vuitton ultrapassa Jeff Bezos e é o mais rico do mundo». economia.uol.com.br. Consultado em 24 de maio de 2021 
  5. «Bernard Arnault, o homem mais rico de França quer ser belga e não diz porquê». PÚBLICO. 8 de setembro de 2012. Consultado em 29 de dezembro de 2020 

Ver também[editar | editar código-fonte]