Cacine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cacine (setor))
Cacine
DC - Casa Mendes - FF2 - Dança Nalu - Cacine.jpg
Geografia
País
Subdivisões
Sede
Sector de Cacine
Área
613,4 km2Visualizar e editar dados no Wikidata
Altitude
20 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Coordenadas
GW-Cacine.PNG
Demografia
População
15 648 hab. ()Visualizar e editar dados no Wikidata
Densidade
25,5 hab./km2 ()
Gentílico
cacinense
Funcionamento
Estatuto
Diocese
Identificadores
TGN

Cacine é uma cidade e sector da região administrativa de Tombali, na Guiné-Bissau

Segundo o censo demográfico de 2009 o sector possuía uma população de 15 648 habitantes,[1] sendo que 977 habitantes somente na zona urbana da cidade de Cacine, distribuídos numa área territorial de 613,4 km².[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1886, na convenção luso-francesa — parte dos acordos da Conferência de Berlim —, são definidas as atuais fronteiras da Guiné-Bissau, onde a França fica definitivamente com a região da Casamansa (atualmente parte do Senegal), sendo permutada pela faixa de Cacine.[4]

A ocupação em si por Portugal só começou a ser feita com em 9 de março de 1895, após a assinatura do tratado com Saiou Abraham Salifou, o régulo de Cacine, em que este permitia a construção de um posto comercial na localidade. Em 4 de abril do mesmo ano, também instala-se uma guarnição militar fixa lusitana em Cacine.[4]

Por intermédio de um diploma real de 1906, o território guineense foi dividido num concelho (Bolama) e seis residências: Bissau, Cacheu, Farim, Geba, Cacine e Buba.[4] Bissau continuava como capital do distrito de Bissau, a entidade legal predecessora do Sector Autónomo, porém perdeu mais da metade de suas terras para a formação dos distritos de Bolama, Cacine (actual Tombali) e Quinará. Cacine torna-se capital do distrito de mesmo nome.[5]

Posteriormente Cacine perdeu o título de capital da região de Tombali para Catió.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A cidade de Cacine está localizada às margens do rio Cacine, mesmo rio que atravessa o sector de leste a oeste, sendo muito importante para suprimento de água potável e fonte de proteínas alimentares. Na altura da cidade, o rio Cacine já está em uma zona estuarina com o oceano Atlântico.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Cacine é ligada ao território nacional pela Estrada Regional nº 6 (R6), que a liga às vilas-secções de Sanconha, Gadamael Porto, Guilege e Gandembel, ao norte.[6]

Cacine também possui um pequeno porto fluvial especializado em embarque e desembarque de mariscos e pescados.[7]

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade possui um campus-polo da Escola Normal Superior Tchico Té (ENSTT), instituição componente da Universidade Amílcar Cabral. A ENSTT oferta basicamente licenciaturas.[8]

Referências

  1. «Guinea Bissau Census Data, 2009 - Série Temporal de População Total Residente - Sector de Cacine». Instituto Nacional de Estatística. 15 de janeiro de 2016. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  2. Estudo: Guiné-Bissau. Lisboa: ANEME, 2018.
  3. «Boletim Estatístico da Guiné-Bissau: Guiné-Bissau em Números 2015» (PDF). Instituto Nacional de Estatística. 2015 
  4. a b c Gomes, Américo. (2012). «História da Guiné-Bissau em datas.» (PDF). Lisboa 
  5. Mendy, Peter Karibe.; Lobban Jr., Richard A.. (1 de outubro de 2013). Historical Dictionary of the Republic of Guinea-Bissau 4 ed. Plymouth: Scarecrow Press 
  6. Mapa Rodoviário da Guiné-Bissau. Direcção Nacional de Estradas e Pontes. Outubro de 2018.
  7. Porto de Cacine. Portos da Guiné-Bissau.
  8. Onde Estamos: Guiné-Bissau. Instituto Camões. 2020.