Campos de internamento de Xinjiang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Xinjiang (em rosa) da República Popular da China.

Os campos de internamento de Xinjiang, ou campos de reeducação de Xinjiang (chinês: 新疆再教育营), são campos de internamento governamentais na Região Autônoma de Xinjiang Uygur, na República Popular da China.[1][2][3][4] Os campos são estabelecidos e operados pelo governo de Xinjiang e pelo braço do Partido Comunista Chinês (PCC) em Xinjiang, e são oficialmente chamados de "Centros de Educação e Treinamento Vocacional de Xinjiang (chinês: 新疆职业技能教育培训中心)"[4][5]. Estima-se que as autoridades chinesas podem ter detido até 1,5 milhão de pessoas nos campos, principalmente uigures, mas também incluindo cazaques, quirguizes e outros muçulmanos de etnia turca, cristãos e alguns cidadãos estrangeiros.[3][4][6][7][8][9]

A construção dos campos começou em 2014 sob o comando de Xi Jinping, o líder supremo da China, e foram significativamente expandidos desde 2017, depois que Chen Quanguo se tornou o chefe da região de Xinjiang.[10][11] As autoridades chinesas alegaram que o projeto foi lançado para combater o terrorismo e o extremismo nas áreas[4][5]. Os campos estão sendo operados fora do sistema legal, e muitos uigures foram detidos nos campos sem receber julgamento ou acusações legais.[12][13] Os campos foram criticados por muitos países e organizações de direitos humanos por abusos dos direitos humanos, maus-tratos, trabalho forçado, estupros e tortura, inclusive com o genocídio uigur.[3][4][6][14][15][16] Além disso, houve várias comparações entre os campos de Xinjiang e a Revolução Cultural chinesa.[1][17][18][19][20] No entanto, também existem países que apoiam os acampamentos da China.[21]

Reações internacionais[editar | editar código-fonte]

As Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

  • Em 10 de setembro de 2018, a chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, pediu à China que aliviasse as restrições a ela e à equipe de seu escritório, instando a China a permitir que observadores entrassem em Xinjiang e expressando preocupação com a situação lá. Ela disse: "O grupo de direitos da ONU mostrou que uigures e outros muçulmanos estão sendo detidos em campos em Xinjiang e espero que as discussões com as autoridades chinesas comecem em breve".[22]
  • Em junho de 2020, quase 50 especialistas independentes das Nações Unidas comunicaram repetidamente ao Governo da República Popular da China seu alarme quanto à repressão das liberdades fundamentais na China. Eles também expressaram suas preocupações em relação a uma série de questões de grande preocupação, incluindo a repressão coletiva da população, especialmente das minorias religiosas e étnicas em Xinjiang e no Tibete.[23][24]

Países nas Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

  • Em outubro de 2019, vinte e três países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Japão e assim por diante, fizeram uma declaração conjunta às Nações Unidas, instando o governo chinês a "cumprir suas leis nacionais e obrigações e compromissos internacionais de respeito aos direitos humanos, incluindo liberdade de religião ou crença, em Xinjiang e em toda a China ", e se abster de" detenção arbitrária de uigures e membros de outras comunidades muçulmanas ".[25]
  • Em outubro de 2019, cinquenta e quatro países, incluindo China, Rússia, Egito, Sérvia, Bielorrússia e assim por diante, fizeram uma declaração conjunta às Nações Unidas, apoiando as políticas de Xinijang da China. A declaração falou positivamente dos resultados das medidas de contraterrorismo e desradicalização em Xinjiang e afirmou que essas medidas protegeram efetivamente os direitos humanos básicos de pessoas de todos os grupos étnicos.[26]
  • Em outubro de 2020, trinta e nove países emitiram uma declaração conjunta às Nações Unidas denunciando as políticas de Xinjiang da China, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Japão, Itália, Canadá, Austrália, Espanha e assim por diante.[27] Por outro lado, dezesseis países que defenderam a China em 2019 não o fizeram em 2020.[28]

A União Europeia[editar | editar código-fonte]

  • Em 17 de dezembro de 2020, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução que condena veementemente a China em relação aos campos de internamento em Xinjiang, bem como ao trabalho forçado de minorias étnicas e religiosas.[29]
  • Em 22 de março de 2021, a União Europeia, acompanhada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, impôs sanções a quatro altos funcionários chineses e ao "Escritório de Segurança Pública do Corpo de Produção e Construção de Xinjiang" por causa dos abusos dos direitos humanos de uigures em Xinjiang.[30][31] Esta foi a primeira sanção da UE contra a China desde o Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989.[31]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Por dentro dos campos de 'reeducação' para onde são mandados muçulmanos na China». BBC. Consultado em 25 de abril de 2021 
  2. «Campos de concentração na China». Super. Consultado em 25 de abril de 2021 
  3. a b c «More Evidence of China's Horrific Abuses in Xinjiang». Human Rights Watch (em inglês). 20 de fevereiro de 2020. Consultado em 25 de abril de 2021 
  4. a b c d e Ramzy, Austin (20 de janeiro de 2021). «China's Oppression of Muslims in Xinjiang, Explained». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2021 
  5. a b «新疆的职业技能教育培训工作». Xinhua. Consultado em 25 de abril de 2021 
  6. a b Ramzy, Austin; Buckley, Chris (16 de novembro de 2019). «'Absolutely No Mercy': Leaked Files Expose How China Organized Mass Detentions of Muslims». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2021 
  7. Nebehay, Stephanie (13 de março de 2019). «1.5 million Muslims could be detained in China's Xinjiang: academic». Reuters (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2021 
  8. «Expert Says 1.8 Million Uyghurs, Muslim Minorities Held in Xinjiang's Internment Camps». Radio Free Asia (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2021 
  9. «Documento revela novas evidências da perseguição a uigures na China | DW | 17.02.2020». Deutsche Welle. Consultado em 25 de abril de 2021 
  10. Buckley, Chris (13 de outubro de 2018). «The Leaders Who Unleashed China's Mass Detention of Muslims». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2021 
  11. «Architect of Muslim camps expected to stay on in Xinjiang for now». South China Morning Post (em inglês). 24 de março de 2019. Consultado em 25 de abril de 2021 
  12. «China's Repression of Uyghurs in Xinjiang». Council on Foreign Relations (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2021 
  13. «China: Baseless Imprisonments Surge in Xinjiang». Human Rights Watch (em inglês). 24 de fevereiro de 2021. Consultado em 25 de abril de 2021 
  14. «'Objetivo deles é destruir todo mundo': uigures em campos de 'reeducação' na China relatam estupros sistemáticos». BBC. 5 de fevereiro de 2021. Consultado em 25 de abril de 2021 
  15. Buckley, Chris; Ramzy, Austin (16 de dezembro de 2018). «China's Detention Camps for Muslims Turn to Forced Labor». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2021 
  16. Wong, Edward; Buckley, Chris (19 de janeiro de 2021). «U.S. Says China's Repression of Uighurs Is 'Genocide'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 26 de abril de 2021 
  17. «Xinjiang defende campos de reeducação». JTM (em inglês). 31 de julho de 2019. Consultado em 25 de abril de 2021 
  18. Harris, Rachel (1 de outubro de 2019). «Repression and Quiet Resistance in Xinjiang». Current History (810): 276–281. ISSN 0011-3530. doi:10.1525/curh.2019.118.810.276. Consultado em 25 de abril de 2021 
  19. «China's mass indoctrination camps evoke Cultural Revolution». AP NEWS. Consultado em 25 de abril de 2021 
  20. Enos, Olivia. «Responding to the Crisis in Xinjiang» (PDF). The Heritage Foundation 
  21. Putz, Catherine. «2020 Edition: Which Countries Are For or Against China's Xinjiang Policies?». thediplomat.com (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2021 
  22. Nebehay, Stephanie (10 de setembro de 2018). «U.N. rights chief Bachelet takes on China, other powers in first speech». Reuters (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2021 
  23. «UN experts call for decisive measures to protect fundamental freedoms in China». Organização das Nações Unidas 
  24. «Independent UN rights experts call for decisive measures to protect 'fundamental freedoms' in China». UN News (em inglês). 26 de junho de 2020. Consultado em 26 de abril de 2021 
  25. «Joint Statement, Delivered by UK Rep to UN, on Xinjiang at the Third Committee Dialogue of the Committee for the Elimination of Racial Discrimination». United States Mission to the United Nations (em inglês). 29 de outubro de 2019. Consultado em 26 de abril de 2021 
  26. «Joint Statement on Xinjiang at Third Committee» (PDF). UN Meetings 
  27. «Joint Statement on the Human Rights Situation in Xinjiang and the Recent Developments in Hong Kong, Delivered by Germany on Behalf of 39 Countries». United States Mission to the United Nations (em inglês). 6 de outubro de 2020. Consultado em 26 de abril de 2021 
  28. Basu, Zachary. «Mapped: More countries sign UN statement condemning China's mass detentions in Xinjiang». Axios (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2021 
  29. «Texts adopted - Forced labour and the situation of the Uyghurs in the Xinjiang Uyghur Autonomous Region - Thursday, 17 December 2020». www.europarl.europa.eu (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2021 
  30. «US and Canada follow EU and UK in sanctioning Chinese officials over Xinjiang». the Guardian (em inglês). 22 de março de 2021. Consultado em 26 de abril de 2021 
  31. a b «Transatlantic allies unite in sanctions on China over Xinjiang». Nikkei Asia (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2021